A VIRGINDADE DA TROICA E OS TOMATES DO PASSOS

A a tróica é como uma rapariga desesperada, na véspera do casamento, e o Passos é como um, enganado, noivo.

A rapariga (tróica) por já não ser virgem, consulta a sua prima mais velha (Sr.ª Merkel) que a atende rapidamente:

- Minha querida, na noite de núpcias, coloca um pouquinho de pólvora na 'Periquita'. Quando vocês começarem o movimento, a pólvora aquece e estoira. Quando ele perguntar o motivo do barulho, dizes que foi a tua virgindade que foi embora!

Atendendo às dicas da prima, fez o combinado, mas ela já tinha dado muita cambalhota, então caprichou na dose.

Na hora da transa, houve uma super explosão, o marido preocupado perguntou:
-O que foi isso?

-Ela:
-Foi minha virgindade que se foi!

-Mas ela volta? - pergunta ele.

-Porquê? - diz ela.

-É que os meus tomates foram junto!!!!

 

É claro que o A. J. Seguro também pouco pode fazer, já há muito perdeu os seus tomates, e o zé-povinho parece que nunca os chegou a ter.

Será que vamos ficar sem procriar durante várias décadas, até que algum marciano ou outro qualquer extraterrestre nos venha inseminar?

 



Publicado por DC às 15:07 de 31.08.12 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

A RTP E A MERCANTILIZAÇÃO DA SOCIEDADE

    

Nos últimos dias tem sido para aí um, infernal, alarido por ter vindo a público um dos capatazes do sistema político vigente, e na ausência conveniente do respectivo ministro da tutela, a propor a entrega da RTP 1, depois de fechada a RTP 2, a um qualquer grupo que, futuramente, empregue, pelo menos alguns, dos ministros actuais. Eles têm de garantir lugares, não é verdade?

Na minha opinião, tão grande espanto, por tanta gente manifestado, só tem uma única justificação e que é a manifesta ignorância sobre o real conceito político do actual governo e de quem, por traz, dele se serve.

A ideologia que sustenta os actuais governantes já não se consubstancia, apenas, na defesa de uma economia de mercado fundamenta-se, também, em pretender mercantilizar as próprias relações sociais, mercantilizar a própria sociedade. A sociedade torna-se ela própria um mercado onde tudo se compra e tudo se vende; desde licenciaturas, passando pelas amizades maçónicas ou outras, até às vontades de todo e quaisquer cidadãos/individuo, tudo é negociado, tudo parece ter um preço.

Antigamente as pessoas afirmavam que “a honra de um Homem não tem preço” e valores que davam consistência ao ser, como sejam a ética e a moral, quer na vertente natural como na componente intelectual do mesmo, faziam parte do alicerce do ser humano. Tais valores cederam o seu lugar ao vil conceito mercantilista.

Os políticos atuais prometem-nos o céu e acabam por nos dar o inferno e o povo aceita, ainda que alguns de nós nos admiremos. Até quando?



Publicado por Zé Pessoa às 18:56 de 29.08.12 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

Aumento de 81 euros

No ano de todos os cortes para a Função Pública
e de alguns para os trabalhadores do sector privado
os governantes e os deputados aumentaram-se 81 euros por mês.

Os números da Direcção-Geral da Administração não mentem. Por caminhos ínvios alguns conseguiram o que milhões de portugueses não têm há uns anos: um aumento. O valor do aumento não é menosprezável num tempo de tanto desemprego, salários precários e pensões miseráveis. Mas a falta de transparência, o esquemazinho debaixo da mesa é ultrajante. Admirem-se se um dia começarem a ser brindados na rua com moedas negras, como aconteceu a Andreotti e Craxi no fim da I República italiana.

Por Eduardo Dâmaso, Diretor-Adjunto do CM



Publicado por [FV] às 12:03 de 28.08.12 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

Assegura Passos Coelho que o regabofe acabou!

Será que, afinal, o meu pai, nesta matéria, se enganara? É que. ano após ano, ia batendo certo o que ele me ensinara: que jamais algum governante mexeria com o regabofe, a economia paralela praticada pelos poderosos deste mundo (dos ricos e dos políticos), isto é, paraísos fiscais, Freeport, submarinos. Cova da Beira, BPN, movimentos de cheques por baixo da mesa nas negociações sobre obras públicas, sacos azuis, Casa da Música, futebol/ construção civil/autarquias, imunidades de governantes perante a Justiça (na formosa ilha da Madeira, 48 processos parados em tribunal porque os deputados não levantam a imunidade aos suspeitos), ex-governantes passarem a administradores de empresas com as quais tiveram negócios enquanto foram governantes, criação de empregos desnecessários mias bem remunerados) para os familiares e amigos da classe política, etc.

Ensinou-me o meu pai que era esta, e não outra, a monstruosa economia paralela, o tal regabofe, mas que, frequentemente, os políticos, para desviarem as atenções de si próprios, só apontavam o dedo à economia paralela praticada pelo comum dos mortais: o médico que não passava recibo, o picheleiro, a sapataria, a casa de roupas, etc.

Depois de pensar bem no assunto, decidi que entre a profecia de Passos Coelho e a sabedoria do meu pai. vou pela sabedoria do meu pai! O regabofe não vai acabar, porque o PSD e o PS não querem. 

 

 Publico_ José Madureira



Publicado por Izanagi às 17:33 de 22.08.12 | link do post | comentar | ver comentários (4) |

(IN)Coerências



Publicado por [FV] às 17:34 de 19.08.12 | link do post | comentar |

gestão na governação

Faz-se má gestão
Formam-se calotes
E a população
Tem que encher os potes

 

Faz-se má gestão
Calotes aos centos
E a população
Faz os pagamentos.

 

Faz-se má gestão
Diz-se umas larachas
E à população
Impostos e taxas

 

Faz-se má gestão
Dá-se muita mama
E à população
Toda a gente gama.

 

Faz-se má gestão
Geram-se mamões
E à população
Usurpa-se milhões

 

Faz-se má gestão
Muitos cambalachos
E a população
É quem paga os tachos

 

Faz-se má gestão
Tacheiro infinito
E à população
Esbulha-se o guito.

 

Faz-se má gestão
Esbulho perene
E à população
Cobram o BPN

 

Faz-se má gestão
Com negócios finos
E a população
Paga os submarinos

 

Fez-se má gestão
Forjaram-se heróis
E a governação
Encheu-se de boys.

 

Faz-se má gestão.
Ideias de esquerda.
Na governação
Governos de … topo

 

Fez-se algum cinismo
Na quadra de cima
E o autoclismo …
Arrastou a rima.

 

Cuico  SOL 

 



Publicado por Izanagi às 12:04 de 18.08.12 | link do post | comentar |

O que é a propaganda ?
(-por , Ministério da ContraPropaganda)
   
    o Miguel, que tem oito anos, perguntou-me o que era isso da propaganda.
    a propaganda é publicidade, mas a ideias, em vez de coisas, disse eu.
    imagina que eu era do governo e te estava a tentar convencer que Portugal devia entrar em guerra com Espanha – tu mandavas-me estar quietinha e não dizer asneiras, que já temos problemas que cheguem, não era? … mas vê lá que em tempos de guerra os governos conseguem convencer as pessoas, as que pagam as armas e os filhos que morrem, de que a guerra é justa e necessária – é aí que percebes o poder da propaganda, as ‘estratégias de comunicação’ dos estados, envolvendo a televisão, os jornais, as rádios … e tudo o que possa influenciar a discussão e a opinião pública. assustando, manipulando, confundindo, complicando, para que a gente aceite coisas com pouca lógica.

    na guerra como na ‘austeridade’:

repara que o governo nos conseguiu convencer das coisas mais estranhas:  que ‘não há alternativas’ a uma espiral descendente de empréstimos-em-bola-de-neve, que ‘o que a gente precisa é de empobrecer’, que ‘ o desemprego é uma oportunidade’, que ‘as pessoas mais novas têm de emigrar’. 

    os senhores que repetem essa lengalenga sem sentido, que mandam no país e aparecem na televisão, lamentando agora a má vontade da realidade que teima em não se adaptar às suas teorias, são os mesmos que primeiro mandavam vir o FMI, dizendo com a mesma cara de pau que os empréstimos a juros altíssimos dados  aos bancos, mas pagos com os impostos de toda a gente eram bons para nós;

depois, passaram a dizer que bom, bom, não era, mas ‘tinha de ser’;

depois que afinal ia ser bom, mas demorava mais um bocadinho do que o previsto a lá chegarmos;

depois, que afinal não era bom, e ardia, mas curava …

e que agora continuam ainda a inventar desculpas, a tentar adiar o dia em que as pessoas reparem que empobrecer é só isso, ficar mais pobre, mais dependente e menos livre.

    entretanto, esses mesmos senhores mataram a economia, a cortes, golpes e sangrias, acabam com os direitos de quem trabalha, criam exércitos de pessoas desempregadas e leiloam bibliotecas, pavilhões de espectáculosescolas e hospitais, vendendo aneis e dedos como se os sacrificassem aos deuses do disse-que-disse, aos tais ‘mercados’ que é preciso aplacar (mas que não pagam impostos, claro).

    pelo meio, não tenhas dúvidas, muita gente fica rica.   esta guerra pode ser de ideias e não de balas – mas as ideias também matam.

          (por isso é que precisamos de contrapropaganda.)


MARCADORES:

Publicado por Xa2 às 23:00 de 05.08.12 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO