O 'feudalismo' acabou?

Até há quatro anos a conversa comum entre os cidadãos portugueses era feita, com inteira resignação, no sentido de que os senhores poderosos praticavam actos ilegais e não eram punidos, fugiam aos impostos e nada lhes acontecia, gozavam os privilégios e os benefícios que não estavam inscritos em lei nenhuma e que constituíam uma reserva para uso próprio.

Em certa medida, estes poderosos eram uma espécie de senhores feudais a quem era ainda reservada, na boa lógica de feudalismo, o direito de colocarem sob a sua protecção familiares ou amigos que aproveitavam das vantagens do senhor. Viveram-se muitos anos neste regime onde a ‘cunha’ era uma chave poderosa para ultrapassar dificuldades, para silenciar situações pouco claras, para atenuar os efeitos perniciosos desta ou daquela acção.

Os senhores poderosos constituíam uma espécie de casta única, quase intocável, que se passeava pelo país exibindo as suas riquezas e que muito raramente caía nas teias da lei. A maioria da população assistia passivamente sem protesto nem dor explícita a este tratamento desigual e tudo quanto aspiravam era ficar debaixo do manto protector do senhor. Nunca a revolta e a luta por garantir a igualdade dos cidadãos perante a lei.

Pois bem, por muito que distorçam a verdade, é um facto incontroverso que só no governo de Sócrates se dá uma reviravolta neste sistema iníquo, começando por um conjunto de medidas feitas lei, que passaram a atingir governantes, deputados e outros agentes de serviço público que se viram despojados desses privilégios. Por acção directa ou indirecta, o efeito de repor algum equilíbrio nesse sistema alastrou-se e foi atingindo outras áreas. Os senhores poderosos começaram então a ser incomodados pelo sistema de justiça sem nenhum gesto proteccionista do governo. Sócrates está hoje a pagar pela sua determinação em romper com o injusto e desequilibrado sistema feudal que então vigorava.

A justiça nunca levantou tantas investigações como nos últimos quatro anos. Ex-ministros, ex-secretários de estado, deputados, banqueiros, grandes empresários, conselheiros de estado, grandes produtores foram arguidos em muitos processos, alguns passaram por prisão preventiva. Outros foram condenados e presos. Por roubo, por corrupção, por tráfico de influências, por burla, por negócios ilícitos, etc. etc. Os senhores poderosos já não têm direitos especiais. ‘O Feudalismo do Século XX’ parece ter acabado. [Correio da Manhã, Emídio Rangel]



Publicado por JL às 00:05 de 28.07.09 | link do post | comentar |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO