Desculpabilizar os gestores da sua responsabilidade

O campeão da competitividade (pela via mais desastrosa)

Desde meados de Agosto que o Jornal de Negócios tem dedicado 3 a 4 páginas de cada edição diária a uma área governativa específica, dando conta da situação do país nesse domínio, fazendo o balanço do que foi feito pelo actual governo, comparando as propostas dos principais partidos e entrevistando figuras de destaque na área respectiva.

Algumas das peças que li são do melhor jornalismo que se faz em Portugal. Destaco o tratamento que foi dado a temas como a desigualdade (24/8), a segurança social (25/8) ou o código do trabalho (26/8). Infelizmente também há temas cujo tratamento merece menos elogios - o de hoje é um desses casos.

Há pouco se possa deixar de criticar no tratamento dado ao tema da competitividade, na edição de hoje: desde a confusão de conceitos (fala-se em produtividade, competitividade e concorrência como se fosse tudo a mesma coisa), aos indicadores e fontes utilizadas (o ranking de competitividade da empresa IMD - que está longe de ser uma referência consensual; ou a balança de pagamentos tecnológica - a qual, por muito sexy que seja, tem um valor verdadeiramente residual nas contas externas e que, contrariamente ao que vem no texto do artigo, tem muito pouco a ver com ‘produtos tecnológicos’), terminando na personagem escolhida para falar sobre competitividade - a eminência parda do liberalismo-conservador em Portugal, Pedro Ferraz da Costa (PFC).

Para PFC o problema da competitividade em Portugal não tem nada a ver com o padrão de especialização da economia portuguesa (fruto de uma história de baixas qualificações, empresários que não gostam de arriscar e uma intervenção do Estado que oscila entre a protecção dos interesses instalados e a demissão na promoção do desenvolvimento), com o baixo valor acrescentado produzido pela generalidade das empresas portuguesas (fruto de ausência de dinâmicas de inovação e da má inserção nas cadeias de valor internacional), com os elevados custos de alguns inputs transversais (desde logo, a energia, fruto de uma política de regulação ao serviço das grandes empresas do sector) e das dificuldades de acesso a crédito (idem).

Não, para PFC a falta de competitividade em Portugal tem a ver, só e apenas, com o crescimento dos salários acima da produtividade. Não importa que os salários em Portugal sejam já dos mais baixos da UE. Não importa que a política de baixos salários constitua um incentivo para continuarmos a investir em sectores de baixo valor acrescentado e que estão condenados a enfrentar uma concorrência crescente de economias com custos de produção muitíssimos mais reduzidos. Não importa também que a história económica nos mostre que os países mais competitivos no longo-prazo são aqueles onde os salários mais crescem (e que a competitividade-preço não faz mais do que contribuir para resolver desequilíbrios externos conjunturais).

Nada disto interessa, por uma razão: é que PFC está muito mais preocupado com os lucros que os empresários podem obter no imediato do que com o desenvolvimento sustentado do país. É pena que o Jornal de Negócios não tenha imaginação para escolher um entrevistado menos previsível e limitado. [Ladrões de bicicletas, Ricardo Paes Mamede]

 

PFC não diz nenhuma mentira, aliás diz uma grande verdade, quando diz que a falta de competitividade do país se deve a um crescimento dos salários acima da produtividade.

O grande problema de PFC, de Vítor Bento e de muitos outros é o de associarem o aumento da produtividade única e exclusivamente à redução dos custos. O grande problema é que PFC só olha para o denominador da equação da produtividade. Produzir o mesmo tipo de bens a custos mais baixos. Isso só nos arrastará numa espiral de empobrecimento ao tentarmos competir pelo preço mais baixo.

O que PFC não fala, nunca fala, é do numerador da equação da produtividade, do aumento da criação de valor, do aumento da produtividade através do aumento dos preços ao produzir bens com maior valor acrescentado. Bens que não competem pelo preço mais baixo.

Bastava perguntar a PFC como é que ele explica o aumento em mais de 250% da produtividade do sector do calçado português?

O que PFC faz ao colocar a tónica na redução dos custos é desculpabilizar os gestores da responsabilidade de melhorar o numerador da equação da produtividade. Só eles têm autoridade para o fazer. [Balanced Scorecard, de CCz (comentário)]



Publicado por Xa2 às 00:01 de 04.09.09 | link do post | comentar |

2 comentários:
De DD a 4 de Setembro de 2009 às 23:24
Excelente texto.

Mas "têm razão" os defensores dos baixos salários. Se pagássemos 50 cêntimos à hora, tínhamos aqui o fabrico de todos os T-Shirts da Europa e todo o tipo de porcaria do tipo chinesa.

Se os salários fosse de 50 euros mensais, os turistas vinham aqui para almoços a dois euros e pernoitar a 5 ou 6 euros.

Os empresários sem qualidades como o Ferraz da Costa, que nunca foi um verdadeiro empresário como não foi o Van Zeller, saberiam sempre vender barato, mesmo muito barato apenas.

No fundo são como o Belmiro de Azevedo que acha que "tudo o que custe acima de zero é caro". O palerma queria receber a zero e vender aos preços que vende nas suas lojas.

Só mesmo um estúpido é que pode falar em custos zero ou mesmo em salários mais baixos que os portugueses.

Há quem fale termos percentuais, comparando aumentos dos salários gigantes do Norte da Europa com os aumentos em pontos percentuais dos portugueses. Não aprenderam nada de matemática e não tem literacia numérica suficiente para saber que 10% de 500 euros é metade de 5% de 2.000 euros.



De Zé T. a 4 de Setembro de 2009 às 10:53
Muito bom texto sobre a relação entre produtividade, competitividade e (falta de) qualidade empresarial/ patronal...
a revisitar e a re-utilizar.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO