2 comentários:
De DD a 4 de Setembro de 2009 às 23:24
Excelente texto.

Mas "têm razão" os defensores dos baixos salários. Se pagássemos 50 cêntimos à hora, tínhamos aqui o fabrico de todos os T-Shirts da Europa e todo o tipo de porcaria do tipo chinesa.

Se os salários fosse de 50 euros mensais, os turistas vinham aqui para almoços a dois euros e pernoitar a 5 ou 6 euros.

Os empresários sem qualidades como o Ferraz da Costa, que nunca foi um verdadeiro empresário como não foi o Van Zeller, saberiam sempre vender barato, mesmo muito barato apenas.

No fundo são como o Belmiro de Azevedo que acha que "tudo o que custe acima de zero é caro". O palerma queria receber a zero e vender aos preços que vende nas suas lojas.

Só mesmo um estúpido é que pode falar em custos zero ou mesmo em salários mais baixos que os portugueses.

Há quem fale termos percentuais, comparando aumentos dos salários gigantes do Norte da Europa com os aumentos em pontos percentuais dos portugueses. Não aprenderam nada de matemática e não tem literacia numérica suficiente para saber que 10% de 500 euros é metade de 5% de 2.000 euros.



De Zé T. a 4 de Setembro de 2009 às 10:53
Muito bom texto sobre a relação entre produtividade, competitividade e (falta de) qualidade empresarial/ patronal...
a revisitar e a re-utilizar.


Comentar post