1 comentário:
De DD a 13 de Setembro de 2009 às 00:55
É curiosa a resposta de Manuela F. Leite de que Alberto J. Jardim foi eleito pela população como se o PS e Sócrates não tivessem também sido eleitos.

MFL mente quando fala na asfixia democrática. Ela pensa no caso de um professor que trabalhava na DREP e continuamente tratava o PM de f. da p. e outras coisas do género e à campanha odiosa da Manuela Moura Guedes que foi posta na rua pelos espanhóis da Prisa. Espanhóis que a MFL deu a entender que detesta como se a Espanha fosse a Prisa ou, mesmo, o PSOE, se é que este teve alguma influência. Se tivesse tido, há muito que a Manuela Guedes tinha ido para a rua.

Por outro lado, MFL mente quanto à questão da MPMEs.
Elas são mais de 255 mil e a maioria não necessita de ser apoiada; algumas têm falta de clientes, mas não vejo o Estado a fornecer os clientes tirados do Ministério da Clientela que a MFL irá talvez criar.

Sócrates reduziu o IRC das pequenas empresas para metade no lucro até 12.500 Euros por ano. O que não tem muita importância para as que ganham muito como uma pequena sociedade de dois ou três advogados, mas é imporante para as muitas milhares de pequeníssimas empresas espalhadas pelo País.

De qualquer modo, a questão das empresas não é controlável pelo Estado. Repare-se que todas as lojecas que vendiam computadores fecharam. A Vobis, Worten e Media Mark fazem preços que os pequeno não podem acompanhar. As lojecas podem vender acessórios informáticos, mas já nem programas, pois os grandes vendem o Office 2007 a preços imbatíveis. Também as lojas de electrodomésticos têm fechado como muitas outras devido à concorrência das grandes unidades.
O mesmo se passa desde o aparecimento dos supermercados e grandes superfícies há mais de 40 anos. Foram liquidando milhares de pequenas mercearias, frutarias, etc.

Será que a MFL, o Louçã e o Jerónimo vão proibir as Worten de vender um Acer portátil a 429 Euros, por exemplo, ou um Asus de 17" a 600 ou 700 euros.

Sim, neste caso não há indústria nacional ou europeia de portáteis. Vem tudo da China.
Manuela F. Leite não definiu o que são para ela as MPMEs e que tipo de apoio pretende conceder. Claro, o BE e o PCP também não explicam nada sobre o apoio que querem igualmente dar às MPMEs (Micros, pequenas e médias empresas).

Enfim, toda a gente sabe criticar, mas não vejo ninguém com propostas credíveis e vontade de fazer algo com o dinamismo do Sócrates.


Comentar post