Terça-feira, 29 de Setembro de 2009

A parte mais aborrecida para a direcção do PS, vai ser, exactamente, a do momento em que rejeitar a hipótese de alianças à esquerda. Voltará a ouvir-se, tal como Raimundo Narciso pré-anuncia no seu poste - Radicalismo, Arrogância e Cegueira, - que os partidos da esquerda radical (BE e PCP), se preparam para fazer exigências tais que qualquer entendimento será inviabilizado.

Além do mais, soletrando com dificuldade a palavra "negociação", quando se trata da esquerda, outro ouvido muito mais atento prestam a Francisco van Zeller (que veio hoje explicar o que o PS deve fazer em matéria de alianças), Mira Amaral, Leonor Beleza e Proença de Carvalho.

Qualquer aproximação, por ténue que fosse, do PS com os partidos à sua esquerda, levaria o patrão dos patrões e os políticos da "ponte Champalimaud", a uma severa reprimenda, temida e indesejada no Largo do Rato.

Às lágrimas de crocodilo e às penas com que lamentam a inviabilidade de um qualquer acordo à esquerda, sucedem-se os cantos celestiais com a "inevitabilidade" dos entendimentos ao "centro".

A inclinação do PS para um qualquer entendimento à esquerda é um filme que já se viu algumas vezes e que começou sempre, como está a recomeçar agora, por um falso casting.

Há, todavia, no poste (já referido) do meu amigo Raimundo Narciso, um outro elemento enternecedor que geralmente os socialistas evitam: o da crítica do capitalismo. Entre o "colapso" e a "revolução", os socialistas do PS costumavam (até à eclosão da última crise) adoptar as teses privatizadoras, cavalgando, a seu modo, a onda neo-liberal.

A lista das privatizações foi guardada à pressa, mas, felizmente, há registo do plano que chegaram a propor.

Agora, entalados pelas desgraças sociais para as quais deram uma contribuição inegável, não conseguem vislumbrar, entre o maximalismo nacionalisador e o minimalismo neoliberal, um sistema de regulamentação de inspiração socialista.

Transpirando erudição político-económica, interrogam: "E de que socialismo?"

Bom. Poderia ser mesmo daquele que, pela designação do próprio partido, continuam a arvorar na bandeira e nos boletins de voto.

Para começar, já não seria mau...

Ou estarão a pensar mudar de nome?

[Puxa Palavra, Manuel Correia]


MARCADORES: ,

Publicado por Xa2 às 09:40 | link do post | comentar

3 comentários:
De marcadores a 29 de Setembro de 2009 às 16:20
Mas qual entendimento? Mas qual esquerda?
Á dita esquerda não interessa ter responsabilidades governativas, nem que sejam acordos parlementares.
O PC nunca teve coragem de ir a votos com a sua sigla para não se comprometer. Onde está o líder dos Verdes a dizer de sua justiça em relação à CDU? É só Jerónimo do PC.
Nem sequer nos Gato Fedorentos aparece o seu líder a "dizer gracinhas"...
Ao BE convém não ter compromissos governativos pois lá se ia toda a "graça" que alguém ainda possa pensar que têm.
Como diria o outro, entre sociais fascistas e os neo-sociais fascistas, vá o diabo e escolha...
Mais vale o CDS que pelo menos é como o AJAX, não engana.
Ou então que se F---* o país, e, lá vamos nós ser governados ao sabor dos "queijos limianos" ou outros queijos quaisquer.
Mas o Povo é soberano!
Desculpem, soberano não posso dizer, pois pode ser considerado monárquico e isso é pecado..., neste blog de republicanos, socialistas e laicos.
Ou então como dizia o meu pai: Entre cagalhão, bosta e poia, não vale a pena perder tempo a escolher, pois é tudo MERDA!


De a cada um ... a 29 de Setembro de 2009 às 19:11
entre as três designações pútridas qual escolhe para si?
e para o PS?
e para os abstencionistas, brancos e nulos?

boa lavagem


De Xa2 a 30 de Setembro de 2009 às 15:07
''Desculpem, soberano não posso dizer, pois pode ser considerado monárquico e isso é pecado..., neste blog de republicanos, socialistas e laicos.'' - é afirmação incorrecta.

Quem é ou o que pode ser «Soberano»?:
- um governante (imperador, rei, príncipe, ...);
- uma casta ou classe (sacerdotal, militar, financeira, fundiária, ...oligarcas)
- os governados (o Povo, cidadãos eleitores);
- algumas instituições (não as pessoas/membros, mas ''estas em função'': Pres.República ou rei; parlamento ou A.R.; tribunais / juízes; Governo; ...'conselho supremo')
- a LEI, com a primazia da Constituição --- a nossa preferida (apesar dos maus tratos, 'seguimentos', interpretações e aplicações).

No blog «Luminária» não é ''pecado'' ser monárquico, nem ser religioso, nem ter outra filosofia ou ideal político ou partidário.
Neste blog defende-se a Igualdade de Direitos (e deveres) e uma Cidadania activa, sempre de modo Democrático e tolerante.

Quanto a ser ''súbditos'' de (pretensos) monarcas ou ''nobres'' (titulados ou sem título, herdeiros para-legais ou ilegítimos) isso NÃO !!
''Nobreza'' só de coração, intelecto e actos, por mérito próprio, fraternalmente reconhecido e nunca hereditário.

Somos cidadãos nascidos e criados numa República, exigimos igualdade de tratamento e de acesso e defendemos o Bem Público (da ilegítima apropriação ou assalto, estrago e deterioração) !

As opções de cada 'postante' ou comentador são pessoais e só a ele/ela vinculam.
A fé, religião ou a sua falta (do laico até ao ateu...do animista ao budista, do sefardita ao 'supremo arquitecto do universo', ...) não é aqui assumida em termos colectivos, o que não impede de ser abordada e de ser uma livre opção individual.

Quanto ao ideal e prática política-partidária, neste blog reconhece-se um 'mainstream' ''socialista'', o qual não é impeditivo de várias ''correntes'', com apoiantes e críticos em diversos graus e fases... para além de algum humor, ironia, militância, sindicalismo, ecologismo, ... e até 'anarquismo'.

Sejam felizes.


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

RSS