Os limites da decência

Enganei-me sobre Cavaco. Nunca lhe reconheci grandeza (lembro por exemplo, na campanha que o elegeu, em 2006, a forma desastrada, canhestra, como reagiu à acusação de Santana Lopes de que não resistiria, como presidente, a ingerir-se na área do Governo: primeiro disse que não sabia do que os jornalistas falavam, sendo óbvio que só podia saber; depois abriu a boca de forma desmesurada, como quem encena surpresa, conseguindo apenas fazer uma figura ridícula e menorizando-se face a um homem que fora seu secretário de Estado e a quem intitulara de "má moeda"), mas nunca esperei o espectáculo deplorável do seu discurso de 29 de Setembro.

Antecipava que tivesse ao menos a inteligência e o instinto político de não se enredar mais na impossível teia daquilo a que apropriadamente caracterizou como "toda aquela manipulação" - a teia iniciada com as célebres notícias do Público de 18 e 19 de Agosto e laboriosamente continuada com o seu silêncio e declarações dúbias, sibilinas, para culminar na revelação do papel do seu assessor para a comunicação, Fernando Lima, na respectiva demissão (negada dias mais tarde, sempre por fonte anónima) e em mais "notícias" atribuídas a fontes anónimas da presidência reiterando a tese das escutas, na véspera do "dia de reflexão".

Manipulação, sim: muita. E toda a apontar para o mesmo sítio: a presidência. Perante essa evidência e após um resultado eleitoral avesso ao aparente objectivo de tanta manipulação, Cavaco não podia sair bem desta história, mas podia sair melhor do que está. Como? Demarcando-se. Tranquilizando. Fazendo um comunicado sobre a situação efectiva de Fernando Lima. Mas duas semanas passadas sobre a revelação do mail que sem apelo nem agravo mostra como o seu assessor tentou plantar num jornal, "a partir da Madeira", uma suspeita de "vigilâncias", não sabemos, nós, o povo que o Presidente representa e em nome do qual admite e demite, se Lima foi realmente demitido ou se ainda está a trabalhar para nós e a fazer o quê. Note-se: nem sequer sabemos o que Cavaco acha do comportamento de Lima descrito no mail. Mas tendo ouvido e lido o discurso só podemos deduzir que a hipótese de ter ocorrido ("tenho sérias dúvidas", disse) não lhe merece sequer condenação pública. E isso é intolerável.

Mais grave ainda é que, ao nem sequer esclarecer o que tem a dizer sobre as suspeitas de vigilâncias governamentais à Presidência, Cavaco transformou a sua alocução em mais uma peça da manipulação. Quando alguém pode acabar com dúvidas - no caso, tem a obrigação estrita de acabar com elas - e não o faz, sustenta-as. Ao nada esclarecer, o Presidente optou por deixar o País a marinar num caldo podre de fontes anónimas e insinuações. A verdadeira dúvida, porém, é se o País está onde e como ele o julga ou se no caldo ficaram só os que o fizeram. Por outras palavras, se foi só o incompreensivelmente reverente e antidemocrático tabu que impedia críticas ao ocupante de Belém que acabou ou se foi tudo com ele.

[Diário de Notícias, Fernanda Câncio]



Publicado por JL às 10:43 de 04.10.09 | link do post | comentar |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO