Terça-feira, 6 de Outubro de 2009

A Dra. Manuela Ferreira Leite, líder (por enquanto e ao que parece a curto prazo) do PSD que, como se viu, não tem ideia nenhuma para o país, quer saber que ideias de governação o PS tem para apresentar, enquanto responsável governativo.

A (a ainda) líder do PSD, pretende que o PS não governa segundo o seu próprio programa apresentado a sufrágio e não percebeu que José Sócrates precisa de tempo para resolver o “diferendo” existencial entre a ala esquerda do seu próprio partido, que recusará alianças à direita com um PP populista e irresponsavelmente conservador ou um PSD vazio de ideias e a pressão de empresários sempre habituados em alternar entre a mama do Orçamento do Estado e os baixos salários com a concomitante precariedade no emprego quando não as duas em simultâneo. Empresários tais que vendo a debilidade do PSD não se coibiram de o substituir na oposição reivindicativa ao governo, mesmo antes de este ter sido formado.

Sócrates, respeitando os seus próprios compromissos e, acima de tudo, os evidentes sinais manifestados pelos portugueses através do seu voto não terá, não poderá ter, duvidas sobre qual a opção tomar para formar governo com personalidades (militantes e independentes) de credível competência, culturalmente de esquerda e, acima de tudo, que dêem garantias de actuação de rigor, trabalhem com honestidade, e observem práticas transparentes na gestão dos recursos públicos. Pessoas totalmente adversas a quaisquer indícios de corrupção.

Não é fácil, mas é absolutamente necessário, para que os portugueses possam acreditar nos seus governantes em particular e nos políticos em geral.

Os resultados eleitorais obrigam ao sentido de responsabilidade e à partilha da mesma, sobretudo à esquerda dos futuros parlamentares e respectivos grupos com assento na Assembleia da Republica. O modelo de “democracia assertiva” tem de ser mais inclusivo do que o de “cooperação conflitual” sob pena da esquerda dar argumentos à direita para que esta a venha a acusar de relação fratricida mais própria de contendores de guerras sucessórias.

Sem radicalismos, é necessário, será possível e (porque não) obrigatória uma convergência governativa à esquerda. Depende do PS é certo, do BE e do PCP dependerá muito mais, assim estes, sem perder a face não compliquem entendimentos.

Para bem do país e satisfação dos portugueses.



Publicado por Zé Pessoa às 00:08 | link do post | comentar

5 comentários:
De Porquê só agora?! ... já desapareceram a 6 de Outubro de 2009 às 11:13

Submarinos...
[Publicado por AG] [Permanent Link]
"E depois de eu ter escrito aqui, no CAUSA NOSSA, que fonte ligada ao processo de aquisição revelara que depois da entrada em cena da ESCOM os custos para o erário público do programa de aquisição haviam disparado em mais de 35%, em comissões distribuidas à esquerda e à direita, alguém no Governo ou no PS agiu ou reagiu?".

Este é um extracto de post que escrevi aqui no CAUSA NOSSA, em 1 de Julho de 2008.
2.10.2009


De Impostos e dívidas a 6 de Outubro de 2009 às 11:37

“Por que os impostos não vão baixar” de Camilo Lourenço (Jornal de Negócios)

Fernando Teixeira dos Santos, o provável “novo” ministro das Finanças, disse ao “DE” que Portugal não vai precisar de “medidas draconianas para cortar o défice (orçamental)”. Em sua opinião, o défice (que, o ministro insiste, ficará em 5,9%) explica-se pelos apoios que o Governo deu para minimizar a crise (nomeadamente às empresas) e pela redução de receitas fiscais (associada à recessão). Quando os apoios forem retirados e a economia recuperar, pressupõe-se das suas palavras, o défice voltará ao patamar dos 3%.

Talvez sem querer, Teixeira dos Santos resumiu aquela que é a maior debilidade estrutural da nossa economia: a rigidez da despesa pública. Ela significa que de cada vez que temos uma recessão, com a inevitável quebra de receitas, o défice dispara. Ou seja, a despesa pública é excessivamente rígida e não deixa margem de manobra para o Governo (este ou outro) reduzir a pressão fiscal.

Mas as suas palavras confirmam também que o esforço de consolidação orçamental, repetido “ad nauseam” pelo Governo, foi mais “vaporware” que realidade (o Banco de Portugal explicou isso num dos últimos relatórios): bem vistas as coisas, o maior contributo para a redução do défice veio das receitas, e não da contenção da despesa.

Nada disto teria grande importância se as consequências para a economia (e famílias) não fossem trágicas. É que com este nível de despesa pública (fora a dívida pública, de que Teixeira dos Santos se esqueceu de falar) é impossível baixar impostos.



De Luminários a 6 de Outubro de 2009 às 14:19
Como alguém já referiu em comentários a outros postes "ainda bem que aqui no LUMINÁRIA , salvaguardando um ou outro exagero pontual, posta-se e comenta-se livremente"

Parabens e continuem sempre livres, ainda que comprometidos ideologicamente, mais que partidariamente, ainda que também.


De outro anónimo Tolerante e Crítico a 6 de Outubro de 2009 às 14:33
isso mesmo, 'Luminários' - que podemos ser todos nós.


De marcadores a 6 de Outubro de 2009 às 17:08
"Sem radicalismos, é necessário, será possível e (porque não) obrigatória uma convergência governativa à esquerda."

Mas como se essa tal "esquerda" não está interessada em responsabilidades governativas, ou seja, passar da "conversa da treta"/utopia para a realidade/prática?

Não está preocupada com o País (governar) mas apenas com os linguajares na Assembleia da República, pois o ordenado não é mau, os anos para a reforma são poucos e a notoriedade enche-lhes o ego - acreditam que são "alguém".

Qual igualdade, qual entre pares... e outros republicanices ou democratices ...


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS