Quinta-feira, 15 de Outubro de 2009

Há muita gente no PSD a pensar que varrendo Manuela Ferreira Leite da liderança do PSD o partido começará nova vida. É um erro. É evidente que ela deve deixar a liderança mas, estando a saída prevista para Maio, não se vê o que pode o partido ganhar por antecipar o processo. A menos que haja alguém no horizonte com capacidades superiores mas incapaz de esperar mais um pouco. É pouco provável. O PSD necessita, além disso, de voltar à normalidade, não podendo estar sempre pronto para apear um líder. E o líder que vier tem de ser sólido, não sendo o líder de uma facção. E o partido precisa de doutrina, precisa de voltar a discutir política para poder traçar um rumo que lhe sirva de guião. O que o partido não pode é perder sucessivas eleições - e, cuidado, não apregoem muito que venceram as autárquicas porque podem convencer-se disso - e persistir nos mesmos erros.

Em boa verdade, a questão da liderança no PSD é uma questão dos dirigentes. Não é um movimento de militantes que agita as águas sociais-democratas. São os dirigentes, com as suas guerras, as suas estratégias, as suas clientelas sedentas dos poderes que o partido tem para distribuir - é essa gente, que não respeita um líder eleito em congresso e não descansa enquanto não o derruba, que tem conduzido o partido para onde está. O partido assistiu a dois mandatos de Guterres longe do poder, conseguiu, mediante a desistência de Guterres, eleger Durão Barroso e, depois desses dois anos de poder, é o desastre que se sabe. Quando Sócrates e o PS pareciam enfraquecidos, o PSD seguiu a estratégia errada, sem aparecer com a sua máquina partidária nas arruadas e comícios, sem propostas, sem uma ideia, apenas dizendo mal.

A varredela de que o partido precisa passa pela sua classe dirigente. Quase todos os actuais dirigentes do partido são filhos do Cavaquismo ou do Barrosismo. Cavaco está em Belém, Barroso em Bruxelas, um e outro não podem - nem querem - ser os tutores dos que ficaram. Piores do que estes dirigentes a quem a orfandade (evidente sobretudo no caso dos cavaquistas) deixou sem rumo, são alguns ideólogos que nunca puseram "a mão na massa", isto é, que nunca exerceram o poder. São teóricos ressabiados, gente que gosta de se pôr atrás da cortina. Eles não querem a honra de um ministério nem "esmolas" dessas. Querem aconselhar, ser ouvidos, gozar do privilégio de serem eles os estrategos.

A verdade é que aquilo que ainda hoje é o PSD vive longe destas realidades. A verdade é que os militantes que conjugam o verbo ganhar não se revêem nestas estratégias palacianas da Rua de São Caetano à Lapa nem praticam os mesmos processos. Eles ganham autarquias por esse país fora, e quase se poderia dizer em alguns casos, apesar da direcção do partido, apesar do isolamento e dos erros da liderança nacional. É por aí que o partido deve recomeçar. Ouvir as bases e os autarcas que têm ganho. Esses conhecem as necessidades das populações, sabem que um partido só faz sentido para servir as pessoas. O partido tem gente desta em grandes cidades e em aldeias remotas. Mas não vale a pena ter muitas ilusões. A voz que vem de detrás das cortinas não é isto que diz. E, assim, dificilmente o PSD aproveitará esta oportunidade para renovar a sua classe dirigente, fazer um amplo debate interno para poder aparecer ao eleitorado com novos rostos, novas políticas, novas propostas. O partido precisa deste banho de humildade antes de voltar a aparecer ao eleitorado. Infelizmente para o partido e para o país há gente no PSD que pensa que é um banho de poder que resolve tudo o resto, limpa a crise. Para esses, o que é preciso é correr depressa com o Governo e chegar de novo ao poder. O tempo mostrará como não têm, definitivamente, razão.

[Jornal de Notícias, José Leite Pereira]


MARCADORES: , , ,

Publicado por JL às 00:05 | link do post | comentar

1 comentário:
De M.F. Leite a "falar verdade" a 15 de Outubro de 2009 às 14:48
Deus Pinheiro renuncia ao cargo de deputado
15.10.2009 - 12h25 Nuno Simas

Foi uma renúncia em tempo recorde. João de Deus Pinheiro, cabeça-de-lista do PSD por Braga, foi deputado pouco mais de meia hora. Logo após a posse dos novos deputados, depois das 10h00, reuniu-se a comissão de verificação de mandatos onde foi aprovada a renúncia ao mandato do ex-ministro dos Negócios Estrangeiros por “motivos pessoais”.

A saída de Deus Pinheiro apanhou de surpresa a direcção da bancada ainda em funções, que, apurou o PÚBLICO, chegou a sugerir que suspendesse por algumas semanas o mandato. Em vão.

Para o lugar do deputado entra agora o presidente da JSD, Pedro Rodrigues, que não foi eleito directamente nas legislativas de 27 de Setembro.


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

RSS