Domingo, 18 de Outubro de 2009

1. O PSD entrou definitivamente no ciclo de substituição de Manuela Ferreira Leite. Já se apresentou Pedro Passos Coelho. Marcelo Rebelo de Sousa estuda a conjuntura. Paulo Rangel reflecte. Luís Filipe Meneses mostra-se. Marques Mendes nota-se. Pedro Santana Lopes continua por aí. Rui Rio aguarda. E haverá outros.

Vem aí mudança, e não podia ser de outro modo face à derrota em que se traduziu o balanço dos últimos cinco meses de eleições.

Ao optimismo de uma campanha para as europeias bem protagonizada por Paulo Rangel, e que contou com o "voto de protesto" contra o Governo, seguiu-se uma derrota estrondosa nas legislativas e uma queda nacional nas autárquicas. Nestas, o PSD ganhou, porque tem objectivamente mais câmaras (também fruto das coligações com o PP), mas esvaiu-se de novo em votos e, sobretudo, delapidou a enorme vantagem que nesse terreno local tinha sobre o PS.

Que isto tenha acontecido num momento final de legislatura, necessariamente desgastante para quem está no poder, não é um facto de somenos. O PSD perdeu em toda a linha e Manuela Ferreira Leite esgotou as possibilidades de se manter à frente do partido.

2. O episódio da renúncia de João de Deus Pinheiro na reabertura do Parlamento mostra como o PSD está ferido e em alguns casos perdeu a vergonha. Este é, sem dúvida, o exemplo de um homem que se candidatou para enganar quem nele votou. Deus Pinheiro não tinha a mínima ideia de trabalhar no Parlamento! Nunca lhe passou pela cabeça voltar a ser deputado! Quanto muito estaria disponível para entrar num Governo. E, no entanto, deve ter-lhe sobrado a veleidade de ser um trunfo eleitoral do partido… Um imprescindível! Terá escondido esta estratégia de MFL? Talvez, sim; talvez, não. Aqui, como no caso de António Preto, vê-se o que valem as palavras. "Verdade", "honestidade", "seriedade" são termos tão bonitos como perigosos e Pacheco Pereira não terá percebido isso no momento de traçar a estratégia da "asfixia democrática" cuja derrocada agora o faz rebolar na insensatez, na mentira e na desonestidade intelectual.

3. O PSD pode acabar - diziam-me um dia destes num programa de televisão. Não estou de acordo. Primeiro, um partido de pessoas e que está tão presente no terreno, como o PSD, não desaparece de um momento para o outro. Seriam precisos muitos anos de erros. E, por outro lado, a sua função de equilíbrio no sistema ainda não está colocada em causa pelo crescimento do CDS/PP. Portugal precisa de ter uma alternativa e esta continua a ser o PSD.

Aquilo de que o partido precisa, de facto, é de uma liderança jovem (nas ideias, o que não tem nada a ver com o BI), descomplexada, que aceite o partido com as suas virtudes e os seus defeitos, que não seja das duas cidades (Lisboa e Porto) contra os autarcas ou destes contra os "elitistas", que o defina ideologicamente de forma mais coerente, que vise agradar ao País e não se esgote nos dois grandes sindicatos internos de voto.

O PSD não vai acabar mas está perante este desafio: tem de escolher uma personalidade com capacidade para ser primeiro-ministro, para unir e para viver quatro anos com um grupo parlamentar formado a partir do núcleo mais fiel a MFL. Se virmos as coisas assim, só há três mosqueteiros (que, tal como os de Dumas, são quatro): Passos Coelho, Paulo Rangel, Rui Rio e Marcelo Rebelo de Sousa. Com toda a franqueza, o PSD tem bons candidatos. Precisa de meter as mãos ao trabalho, deixar a intriga, e olhar para o País. Foi aí que perdeu com Sócrates. …

[Diário de Notícias, João Marcelino]


MARCADORES: , ,

Publicado por JL às 00:03 | link do post | comentar

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS