Segunda-feira, 19 de Outubro de 2009

Religiões para que vos quero

José Saramago até pode não colher razão nas suas predicas criticas ao “livro sagrado” dos católicos e contra as religiões que, frequentemente, demasiadas vezes, ao longo da historia dos povos e dos tempos idos se colocaram mais ao lado dos poderosos que dos oprimidos e necessitados.

Religiões, elas próprias, organizações de poderes estabelecidos na sociedade, promotoras ou alimentadoras de lutas fratricidas envolvendo crentes, ateus, agnósticos e gente sem pensamento nem opinião na matéria, quando não, acusados sem razão nem sentido a não ser o da tentativa hegemónica do poder da força em vez da razão.

Os altares dos deuses em que são ofertados sacrifícios dos fracos para glória dos poderosos variam conforme os tempos e as circunstancias.

Segundo a Liturgia Geral e os Santos Lugares os altares dividem-se em vários tipos e naturezas. Apenas alguns exemplos

Há no rito romano, liturgicamente, quanto à estabilidade, três espécies de altares: fixos, quase-fixos e portáteis.

1. O altar fixo (C. P. 786) deve ser “sagrado pelo bispo”, feito de uma mesa de pedra inteiriça, unida com cal ou cimento à sua base também de pedra, ou muro de alvenaria, aderente ao pavimento ou parede. Em todo o caso as colunas, que sustentam a mesa, devem ser de pedra natural. O altar fixo (cân. 1201) deve ser dedicado a um mistério ou a um santo, não pode ser dedicado a um bem aventurado, sem indulto papal.

2. O altar quase fixo é “altar semelhante ao fixo, construído de madeira ou de outra matéria, aderente a parede, a uma coluna, ou ao pavimento, tendo embutida no meio da mesa uma pedra de ara igualmente sagrada. Liturgicamente, o altar quase fixo não é altar fixo, mas só altar portátil. Mas pelo direito canónico se distingue deste e se assemelha ao altar fixo: a) a erecção do altar quase fixo requer a licença do bispo; b) pode e deveria ter um título como o altar fixo (cân. 1201) ; c) este título só pode ser mudado com licença do bispo; d) pode ter anexo o privilegiam altaris e uma fundação.

3. O altar portátil ou pedra de ara (altare portatile, petra sacra, ara) é formado de uma pedra natural, inteiriça, bastante grande para que nela se possam colocar a hóstia e o cálix. (Cân. 1198, § 3.)

Os altares portáteis são mencionados pela primeira vez no princípio do século VI, são porém mais antigos, porquanto se fala deles como de objeto conhecido. Era formado de madeira ou pedra, sem relíquias, às vezes de tão pouca extensão que só parte pequena da hóstia e do cálix nele cabia.

Quanto ao uso, o altar também assume diferentes designações conforme a hierarquia da importancia assim se poderá chamar diferentemente:

a) altar-mor (altare maius, principale), ou lateral (altare minus, laterale);

b) altar paroquial (altare parochiale), do povo (altare laicorum) em oposição ao altar no coro dos monges ou dos cónegos.

Há ainda altares privilegiados uns em relação aos outros, por exemplo:

1) Um em que se pode dizer certa missa votiva em dias proibidos pelas rubricas, ( p. ex., o de uma qualquer de Nossa Senhora num santuário a ela dedicado);

2) Um que o celebrante pelo santo sacrifício pode aplicar uma indulgência plenária a um defunto. Por altar privilegiado simplesmente sempre se entende o privilegiado em favor das almas.

O C. B. (ciborium, umbraculum, Braun) declara que o altar-mor das igrejas catedrais e paroquiais é altar privilegiado todos os dias e para sempre, contanto que não haja outro. Este altar tenha a inscrição: Altare privilegiatum quotidianum perpetuum. (Cân. 918, § 1; C. B. n. 250.)

Antigamente havia em cada igreja um só altar. Mas já Constantino erigiu, dizem, na igreja de Latrão, sete altares. Na idade média aumentou o número dos altares, de sorte que, na catedral de Magdeburgo, p. ex., se contavam 48 altares. Pio VI defendia a pluralidade dos altares na mesma igreja contra o sínodo de Pistóia (Denzinger, n° 1531), que desejava só um altar em cada casa de Deus, estigmatizando esta tentativa como “temerária e injuriosa” para a Igreja.

Assim sendo, é pelo menos, de colocar a hipótese de que isto das religiões, como tudo o mais, andou mais ao sabor da vontade dos homens do que da necessidade de um qualquer deus do universo, vá-se lá saber porquê!


MARCADORES: ,

Publicado por Zurc às 16:22 | link do post | comentar

2 comentários:
De '' semi-panteísta '' a 20 de Outubro de 2009 às 15:41
interessante o post e a abordagem agnóstica / ateísta de Saramago ...

porém, entre 'gente com muitas debilidades' e cautelosa (...) também são justificáveis princípios como :

«Yo no creio en las bruxas, pero que las hai, hai !»...

ou como fazem alguns orientais:
«se essa (imagem de) deusa / NªSrª (ou santo...) é assim tão importante e milagrosa, vamos lá acrescentá-la ao nosso altar caseiro de deuses e santos...» - o que importa é estar de bem com todos, para ver se obtemos o que precisamos/ pretendemos.



De Liberdade de expressão sem violência a 23 de Outubro de 2009 às 09:58

Com Voltaire
por mais que se discorde de uma ideia livremente expressa, um cidadão de bem estará disposto a dar a vida para defender a liberdade, para que essa opinião se exprima,

mas nunca uma ameaça proto-fascista/estalinista, do tipo desta que este deputado profere, que começa a fazer alguma carreira em Portugal, contra quem tem a coragem de dizer o que pensa, sem nunca produzir um incitamento à violência.

Será que o Sr. Deputado não quer renunciar à cidadania portuguesa?
João Pedro Bernardo, 2009-10-23

Creio que a tomada de posição do Sr. Deputado do PE Mário David é muito mais grave para imagem de Portugal do que a opinião de José Saramago sobre a Bíblia.

Afinal de contas, o Sr. Deputado faz parte de uma instituição fundamental da democracia e a democracia implica liberdade de opinião e da sua expressão, mesmo que essa opinião possa para alguns tocar a blasfémia, ou atacar a sua fé religiosa.

Não se pode condenar os ataques feitos aos autores das caricaturas de Maomé e o mesmo tempo, defender que um cidadão deve deixar de ser português porque tem uma opinião muito negativa sobre a Bíblia.

Creio que este Sr. Deputado talvez gostasse de suspender a democracia por uns 6 meses para tratar de pôr na ordem os desviados portugueses que não partilham das aparentes convicções religiosas dominantes.


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS