9 comentários:
De João Boavida a 8 de Novembro de 2009 às 11:17
Cristianismo? Religião? Mas o Natal não é a festa da celebração do consumismo desenfreado? As luzes têm algum outro significado para além de atrair consumidores às lojas? Até podia discutir se deveriamos ser todos nós a pagar as luzes... mas "as pessoas querem", "acham bonito", "dá vida à nossa cidade", ou qualquer outra razão tão gasta que já não cionvence ninguém. De facto as luzes aparecem porque valem votos, e enquanto isso acontecer vão continuar a aparecer, eu só preferia não ter de ser eu a pagá-las


De [FV] a 8 de Novembro de 2009 às 14:05
Amigo Boavida.
Só se for para si, o que não tem nada de mal... Isso do consumismo e de se sentir atraído pelas luzes para fazer mais compras...
Mas o Natal é uma época de evocação simbólica ao nascimento de Jesus, não não é esse o do Benfica (porque também é possível que haja quem pense que é esse), mas o Nazareno... o que cumpre o Antigo e dá forma ao Novo Testamento.
Porque as Cruzes (crucifixos) também há quem pense que serve para afastar vampiros e o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, não proibiu o uso do "alho" nas escolas públicas... porque também serve para o mesmo.
Não amigo isso é respostas da treta, independentemente de o consumo estar associado ao Natal, como está associado a tantas outras coisas como o "Dia das Bruxas", o "Dia dos namorados", o aniversário da "Tia", etc., etc....
Bem como isso das luzes atrair votos, pode ser verdade, mas também as luzes atraem muitas "melgas"...


De João Boavida a 8 de Novembro de 2009 às 20:02
Vampiros, bem lembrado, só gostava de me ter lembrado primeiro... Espero não ter insultado ninguém com o toque de ironia que deixei no meu comentário.
Relativamente às "melgas", há "melgas" e... "melgas".
Como disse, não tenho nada contra haver luzes de Natal, só gostava de não ter de ser eu a pagá-las.
E sem ironias, as luzes de natal que são afixadas nas ruas de Lisboa, nada têm de sacras ou de inspiração sacra, e acho que devem ser tão insultousas para os católicos como para qualquer outra pessoa.
Que voltem as luzes azuis da TMN, eram foleiras, mas pelo menos não me saiam do bolso.


De Liberdade e cidadania a 8 de Novembro de 2009 às 12:27
e os sinos nos campanários da igrejas quem lhes põe termo "meu deus", quem termina com aquela massificação e ensurdecedor barulheira de ave-marias e outras iguarias de fazer crentes tanto incrédulos , como agnósticos ou ateus?


De Zé das Esquinas o Lisboeta a 8 de Novembro de 2009 às 14:11
Se houver por aí algum ateu, agnóstico ou simplesmente o tal de "republicano e laico" que esteja incomodado com o "subsídio de Natal" que irritantemente recebe no final deste mês, é só dizer que eu mando-lhe de imediato o meu NIB, para que não tenham "pesos na consciência".
Ah e escusa de agradecer...


De laico ... às vezes a 9 de Novembro de 2009 às 19:20
alguns poderão receber o ''subsídio de Natal'', outros o ''13º mês'' outros o ''15º'', ... + os bónus e dividendos ou participação nos lucros, ...
o infeliz é aquele que pouco ou nada recebe ...


De Zé das Esquinas o Lisboeta a 9 de Novembro de 2009 às 20:14
Pois é, chamamos ao mesmo coisas diferentes. É como convém no momento.
E isso da comparticipação nos lucros cá por mim só devia existir se também comparticipassem nos prejuízos... Haveria por aí muitos que passariam a gerir com mais cuidado se tivessem que por do seu pela má gestão e pelos resultados negativos. Mas como no "público" é sempre o Zé que paga, é à fartazana a gastar e a meter ao bolso, mesmo legalmente, como essa do 15º mês e outras mordomias que a "lei" permite.


De LIBERDADE E AUTODETERMINAÇÃO a 8 de Novembro de 2009 às 18:37
Por aqui se vê o povo que somos, lamuria e má língua , tudo ò molho e fé no mafarrico que É o lado caras da mesma moeda.

O pessoal não é capaz de distinguir Direitos, Liberdades e Garantias, constitucionalmente consagradas, do comercio especulativo ou dos benefícios económicos (eles também inseridos dentro da mesma estratégia de consumo).

A decisão do Tribunal Europeu é "apenas" um sinal determinante de separação do que deve ser separado tendo em conta a liberdade de autodeterminação de cada pessoa .


De Zé das Esquinas o Lisboeta a 10 de Novembro de 2009 às 11:55
Gosto muito desses chavões: Liberdade, Direitos & Garantias. É uma sociedade anónima ou limitada?
Deve ser limitada no que toca ao "empochar", é só para alguns. E deve ser anónima quando é pagar, deve estar nos "offshores".
Amigo isso é só blá-blá.


Comentar post