Sábado, 7 de Novembro de 2009

"O Tribunal Europeu dos Direitos do Homem condenou a existência de crucifixos nas escolas por serem uma ‘imposição’ sobre as crenças e descrenças de terceiros."

Em Portugal existe uma directiva desde 2005 para que não haja crucifixos nas escolas públicas pelos mesmos motivos.
Estou à espera que finalmente acabem com os festejos e iluminações alusivas ao Natal em todas as cidades, vilas, lugarejos e locais públicos do país, para não imporem a ateus, laicos e afins essas manifestações de crenças cristãs tão particulares a só alguns, pagas com o dinheiro de todos nós.

E já agora que acabem  também com o subsídio de Natal (no estado e empresas públicas) pois não é bonito andarem a incomodar as pessoas com estas coisas do cristianismo...



Publicado por [FV] às 14:22 | link do post | comentar

9 comentários:
De João Boavida a 8 de Novembro de 2009 às 11:17
Cristianismo? Religião? Mas o Natal não é a festa da celebração do consumismo desenfreado? As luzes têm algum outro significado para além de atrair consumidores às lojas? Até podia discutir se deveriamos ser todos nós a pagar as luzes... mas "as pessoas querem", "acham bonito", "dá vida à nossa cidade", ou qualquer outra razão tão gasta que já não cionvence ninguém. De facto as luzes aparecem porque valem votos, e enquanto isso acontecer vão continuar a aparecer, eu só preferia não ter de ser eu a pagá-las


De [FV] a 8 de Novembro de 2009 às 14:05
Amigo Boavida.
Só se for para si, o que não tem nada de mal... Isso do consumismo e de se sentir atraído pelas luzes para fazer mais compras...
Mas o Natal é uma época de evocação simbólica ao nascimento de Jesus, não não é esse o do Benfica (porque também é possível que haja quem pense que é esse), mas o Nazareno... o que cumpre o Antigo e dá forma ao Novo Testamento.
Porque as Cruzes (crucifixos) também há quem pense que serve para afastar vampiros e o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, não proibiu o uso do "alho" nas escolas públicas... porque também serve para o mesmo.
Não amigo isso é respostas da treta, independentemente de o consumo estar associado ao Natal, como está associado a tantas outras coisas como o "Dia das Bruxas", o "Dia dos namorados", o aniversário da "Tia", etc., etc....
Bem como isso das luzes atrair votos, pode ser verdade, mas também as luzes atraem muitas "melgas"...


De João Boavida a 8 de Novembro de 2009 às 20:02
Vampiros, bem lembrado, só gostava de me ter lembrado primeiro... Espero não ter insultado ninguém com o toque de ironia que deixei no meu comentário.
Relativamente às "melgas", há "melgas" e... "melgas".
Como disse, não tenho nada contra haver luzes de Natal, só gostava de não ter de ser eu a pagá-las.
E sem ironias, as luzes de natal que são afixadas nas ruas de Lisboa, nada têm de sacras ou de inspiração sacra, e acho que devem ser tão insultousas para os católicos como para qualquer outra pessoa.
Que voltem as luzes azuis da TMN, eram foleiras, mas pelo menos não me saiam do bolso.


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS