De Bessa ou B... a soldo? a 13 de Novembro de 2009 às 11:05
OS GRANDES VOTOS

«Sem preocupações de grande rigor, poderia começar por afirmar que, de modo geral, queremos todos mais ou menos o mesmo: paz, amor, felicidade, viver bem (conforto, segurança). [- os ''grandes votos'']
...
O problema é que os "grandes votos" fazem parte do aspiracional, para não dizer do ilusório, ou, noutra linguagem, do metafísico e do transcendental. São bonitos mas servem para pouco, se se trata de responder a uma outra questão: que fazer?
...
A análise concreta da situação concreta revela que, infelizmente [ !! ], os portugueses vivem bem demais [ !! ]- vivem, pelo menos, muito acima das suas possibilidades. Produzem um pouco menos de 90 por cento dos bens que absorvem seja para consumo (em família, ou através do Estado) seja para investimento (em casa, nas empresas ou, de novo, através do Estado).
Porque esta situação se prolonga desde há muitos anos, encontram-se muito perto dos limites do endividamento, diariamente confrontados com restrições ao crédito (degradação de ratings, aumento de spreads, aqui e ali, as primeiras restrições quantitativas).

A análise concreta da situação concreta aponta para um único caminho:
produzir mais (e não gastar mais), dar toda a prioridade à produção (e não à distribuição).
Com a escala global que o problema atingiu (o défice e as dívidas são de todos nós), [- calma aí: eu não devo nada ao banco, nem ao fisco, nem à segurança social, nem a fornecedores...]
e num mundo tão aberto e tão globalizado como aquele em que viemos a viver (os credores são externos) não há outra forma de seguir o caminho preconizado que não seja: exportar, exportar, exportar...

Exportar, investir para exportar, criar emprego em actividades (indústrias e serviços) exportadoras, consumir internamente (começando pelos rendimentos gerados nas actividades exportadoras), aumentar a cobrança de impostos por parte do Estado (começando pelo rendimento gerado nas actividades exportadoras, sem aumento das taxas dos impostos [-aos bancos e ... deveria ser cobrados impostos de % igual que as restantes empresas e singulares pagam e não apenas 15% !! ] )
é a única via que se oferece à sociedade portuguesa para começar a vencer os desequilíbrios económicos que a sufocam e, a mais longo prazo, começar a caminhar num sentido mais consentâneo com as suas grandes aspirações.

Que estas exportações tenham de ter um conteúdo tecnológico crescente, incorporando também cada vez mais inovação, em geral, faz já parte do procedimental (ditado por preocupações idênticas de "análise concreta da situação concreta"), não sendo para aqui chamado, neste momento.

O pior cenário é o de podermos partir para a realização dos mesmos "grandes votos" convencidos de que o caminho terá de ser o do aumento da procura interna - caminho já experimentado, com êxito, e porventura ainda experimentável, com o mesmo êxito expectável, em situações concretas muito diferentes das nossas: em grandes economias, muito mais fechadas (com baixo conteúdo de importação), de preferência menos endividadas.

A curto prazo, ...-->


De Grandes Votos a 13 de Novembro de 2009 às 11:34
...
A curto prazo, mesmo em Portugal, tudo correrá melhor. Haverá mais despesa, mais animação nos mercados, mais emprego.
Os fornecedores estrangeiros exultarão (sendo muito provável que os seus governos não lhes estraguem a festa, deixando-os vender, primeiro, para nos virem recordar, depois, que gastamos demais, e que temos de "apertar o cinto").
O mesmo sucederá com alguns fornecedores nacionais (refiro-me ao "exultarão"). O sistema financeiro internacional (leia-se, europeu, a começar pelo mais institucional) poderá esperar mais um pouco, não restringindo tanto, já, o crédito ao nosso país.

Repetir-se-ia, a ser assim, o erro que comandou a política económica portuguesa ao longo de toda a década de noventa do século passado.
E, um belo dia, alguém teria de fugir de um "novo pântano", desta vez pior, porque sobretudo económico (e não apenas ou predominantemente político). Ter-se-ia perdido, uma vez mais, a oportunidade de "regenerar" a economia portuguesa.»
- por Daniel Bessa, economista, no Público, via Jumento.
......................

[ Com a integração de Portugal na União Europeia e no sistema Euro, num mundo tão aberto, globalizado, capitalista (o que interessa é o dinheiro, o lucro),... termos/ conceitos como:
''nós'', ''país'', ''nacional'', ''empresas estrangeiras'', ''exportações'' ''importações'', ''PIB'', etc são grandes tretas completamente ultrapassadas...

o que ainda resta, ''de concreto'', de ''Portugal'' (e não de 'portugueses' ou de 'nacional'), são 'bens' pertença de pessoas concretas (que até podem ser estrangeiras ou ter dupla nacionalidade ou estarem emigradas) ou de uma determinada comunidade:
os campos, as estradas, as fábricas, os carros, os empregos, o dinheiro que recebem no final do mês ... ou não.
As ''fronteiras nacionais'' são cada vez mais um resquício anacrónico de que nos temos de libertar para assumirmos cada vez mais a nossa ''cidadania europeia'' e ''cidadania da Terra''.

Bem hajam os projectos transfronteiriços, os programas Erasmos, ... a Liberdade de circulação e trabalho na UE, e a Emigração - a que os nossos governantes de hoje e do passado nos OBRIGARAM, por não terem sabido... governar decentemente este país !!.
(e que qualquer dia espero ver sentados no banco dos réus do Tribunal Europeu !!)


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres