A santa aliança

Como explicar que os mesmos partidos que são incapazes e nem sequer aceitam a possibilidade de se reunirem em torno dos problemas nacionais fizeram-no agora na Assembleia da República, protagonizando um verdadeiro bacanal parlamentar?

Não está em causa a existência de uma maioria parlamentar formada por partidos que perderam as eleições, o PSD sofreu mesmo uma derrota humilhante, mas que querem governar com base num programa que será o denominador comum do programa de quatro partidos que nunca estiveram de acordo. Aquilo a que o país assistiu foi a um verdadeiro negócio de votações em que o único lucro em vista era criar dificuldades financeiras ao Estado na esperança de mais tarde estas dificuldades servirem para conseguir mais uns votos.

Vimos o Paulo Portas que assume a defesa dos patrões juntar-se ao Louçã que se diz preocupado com o trabalho precário unirem-se contra o Código Contributivo. O Portas pode ir dizer aos patrões que lhes poupou aos custos da segurança social, o trabalho precário não será penalizado e deverão ser os contribuintes a assumir os custos da segurança social. Louçã perdoou aos patrões a penalização decorrente do abuso do trabalho precário em troca de uns segundos de comunicação social em que se exibiu com um sorriso cínico enquanto desempenhava o papel de líder da oposição alugado.

Enquanto Louçã se entretém no parlamento Jerónimo de Sousa opta por outras vias e aposta tudo na justiça onde os seus sindicalistas se empenham na face oculta dos segredos de justiça e das manobras judiciais. Longe vão os tempos em que os golpes de Estado eram feitos com tanques ou da Revolução de Outubro ou do couraçado de Potemkin, agora os soldados golpistas usam toga e os adversários políticos deixaram de ser executados junto a uma parede, agora são abatidos politicamente a tiros de uma meritíssima caneta.

Esta santa aliança entre a direita mais conservadora e a esquerda conservadora não é novidade, quer uns, quer os outros consideram que o governo natural é o da direita, os primeiros porque se julgam mais competentes, os outros porque se sentem mais confortavelmente fazendo oposição aos “inimigos de classe”. Não é assim tão estranha a aliança entre a direita e os que tanto se bateram contra as políticas de direita, se for necessário até aprova as medidas exigidas pelos patrões, nem que para isso seja necessário invocar a defesa das micro empresas. [O Jumento]



Publicado por JL às 00:02 de 30.11.09 | link do post | comentar |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO