Um défice de responsabilidade

Sinceramente, desejo muito que a classe política - deputados, ministros, todos - esteja a dormir mal. Se assim for, será um bom sinal. Sinal de que ainda se afligem com o rumo que as coisas estão a levar.

O que se passou na sexta-feira no Parlamento é demasiado grave para ser verdade e não augura nada de bom para o nosso futuro. Um mês depois de o Governo ter tomado posse - mais bem dito: apenas um mês depois de o Governo ter tomado posse - a Oposição impediu em bloco a aprovação do Código Contributivo e aprovou uma série de outras medidas que têm um impacto pesadíssimo nas contas públicas.

O Governo fala - com razão - em ingovernabilidade, mas o que deve espantar o cidadão comum é a incapacidade de, em plena crise, os grupos parlamentares não se terem entendido e terem optado por um "tudo ou nada" que deu no que deu. De repente, o Governo fica com mais despesa e menos receitas, aparentemente em nome da humilhação a que a Oposição o quis sujeitar e de algum modo também em nome da recusa de negociação de que o partido de Governo vem dando mostra.

É preciso dizer que no caso em apreço se percebe pior a posição das diversas oposições, estranhamente unidas não por propósitos comuns mas apenas por um bota-abaixismo destinado a provar que no Parlamento a maioria não é já do Governo.

É certo que o Governo e o PS deram sinais de algum entendimento com a Oposição em matéria de Educação e Saúde - nestas áreas claramente. Mas esses sinais não foram extensíveis a outras áreas da governação, nomeadamente no que se refere às grandes obras - TGV, novo aeroporto e nova travessia do Tejo - onde é claro desde a campanha eleitoral que tem de haver negociações entre os partidos. A nomeação de alguns governadores civis mais parecendo prémios de consolação política também não foi, na semana que finda, um bom sinal da saúde política promovida pelo Governo.

Resulta de tudo isto um claro défice de responsabilidade. É evidente que se as relações entre partidos continuarem como estão e as votações no Parlamento impuserem ao Governo um programa e um rumo que não são os seus depressa desembocaremos em nova chamada às urnas. Independentemente de quem vier a ganhar as eleições - e até tudo pode ficar na mesma - a irresponsabilidade é a falta de entendimento. Os nossos políticos não só não são capazes de encontrar soluções para a crise como ainda a agravam. Até quando?

[Jornal de Notícias, José Leite Pereira]



Publicado por JL às 10:29 de 01.12.09 | link do post | comentar |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO