Causas reais do desemprego e a conversa neoliberal do costume

 

O anúncio de que a taxa de desemprego em Portugal subiu para 10,2%, em Outubro de 2009, reflecte o atraso no ciclo com que a UE está a seguir o padrão de retoma dos EUA. Não deverá faltar muito para a habitual ladaínha dos economistas de serviço: alegar a necessidade de flexibilizar o mercado de trabalho, argumentando que o desemprego só descerá quando se congelarem salários, Vítor Bento falará mesmo em descida de salários, e quando se flexibilizarem turnos e despedimentos.

A conversa será deste teor: os custos unitários do trabalho são muito elevados em Portugal, a produtividade cresce menos que os salários e blá blá. Vai uma aposta? Estão contudo, totalmente errados. O gráfico acima, extraído do Relatório do Banco de Portugal de 2008 é prova cabal disso.

As barras a azul representam o salário real do sector privado, e as barras a cinzento uma medida da produtividade do trabalho. A linha a preto corresponde à diferença entre salários e produtividade. Como se torna evidente da leitura do gráfico, desde o final dos anos noventa até 2007, tem-se verificado continuamente uma situação em que a produtividade está sempre acima do crescimento salarial quando este existiu (sector privado). O que significa uma diminuição progressiva dos custos unitários do trabalho em termos reais. Se atendermos, adicionalmente, aos pontos a castanho, representando a taxa de desemprego, verificamos que a sua evolução não tem um padrão aparente de relacionamento com os custos unitários do trabalho. Neste milénio, por exemplo, o desemprego subiu quase continuamente e, com uma ligeira excepção, os salários cresceram sempre abaixo da produtividade!

A competitividade é de facto fundamental, mas só os economistas-problema podem achar que a dificuldade está nos salários. O verdadeiro factor aqui subjacente é a incapacidade de modernização produtiva do nosso tecido empresarial, que obviamente não pode competir, nas fileiras tradicionais com países de extremo oriente que praticam dumpringa social. Curiosamente também, há períodos no gráfico em que os salários cresceram acima da produtividade e o desemprego diminuiu. A chave da solução estrutural do desemprego em Portugal é o progresso tecnológico e a inovação, não a contenção salarial.

Poder-se-á dizer que o que releva é a comparação da evolução da produtividade e dos salários entre Portugal e a UE. É um péssimo argumento. Se a produtividade portuguesa é baixa, mais baixos são os salários quando comparados com a média da UE. Em 2005, por exemplo, a produtividade do trabalho em Portugal era 65,5% da média da UE25, enquanto os custos da mão-de-obra eram 49,6%. Em relação à Alemanha, a produtividade portuguesa era 64,6%, enquanto o custo da mão-de-obra era 41,6%. Para o nível dos salários portugueses, a produtividade em Portugal é proporcionalmente superior à média comunitária (INE). Só o pensamento único de cariz neoliberal pode advogar que os custos do trabalho explicam o desemprego em Portugal. Em termos estruturais, o que nos faz falta é modernização, modernização e modernização do tecido produtivo. O Plano Tecnológico foi um avanço nesse sentido. A qualificação da mão-de-obra via reintrodução da formação profissional, também. Mas o problema estrutural só será debelado com uma adequada utilização do QREN.

A questão do investimento modernizador é crucial e explica porque serão sempre injustas, apesar de nos serem favoráveis, como se viu acima, comparações com a Alemanha. Em especial face a crises da procura mundial: a quebra do PIB Alemão é superior à que se registou em Portugal e das maiores da UE. Porque não subiu mais o desemprego? Porque o padrão de especialização da Alemanha assenta em indústrias de máquinas e equipamentos, que usam proporcionalmente menos mão-de-obra que as indústrias tradicionais em Portugal.

Em termos cíclicos, o que leva então a que o desemprego tenha aumentado em Outubro? O factor trabalho é mais facilmente ajustável que o capital, e os empresários reagem por expectativas. Essas expectativas são muitas vezes baseadas nas suas carteiras de encomendas, que não são necessariamente o melhor indicador das encomendas futuras, mas são o que de mais próximo têm. Com uma quebra da procura mundial como a que a crise do crédito gerou, o crescimento do PIB a partir do trimestre de 2009, correspondendo (é uma identidade contabilística) a uma subida da despesa interna, foi primeiramente solucionado com a desacumulação dos stocks que não se tinham escoado no pico da crise. Ao aumento continuado da procura, os empresários respondem com um ajustamento do volume de trabalho: não em número de trabalhadores mas em horas e ritmo de trabalho. Grande parte do que sucedeu no Verão, em que a taxa de ocupação hoteleira Algarvia foi superior ao esperado, sem o habitual efeito sazonal de diminuição do desemprego, corrobora a tese de que o aumento da procura foi inesperado, não sendo já possível recorrer maciçamente à mão-de-obra sazonal. O resultado foi um aumento do esforço dos trabalhadores já existentes.

A natureza variável do factor trabalho levou a que no pico da crise houvesse uma onda maciça de destruição de postos de trabalho e despedimentos colectivos, e na fase seguinte, em que se responde ao acréscimo de procura com os stocks acumulados, não há necessidade de readmitir trabalhadores. Leva este efeito a que se observe em todo por toda a parte, um facto estilizado a todas as crises: a criação de emprego responde com desfasamento face ao crescimento do produto. Como tenho dito várias vezes, em Portugal, os dados do Relatório Anual do BP em 2008, estimam que a criação de emprego se gere apenas com um crescimento do PIB à volta de 1%. É esse o crescimento previsto por vários organismos internacionais para 2010 (estimativa pontuais de 0 , 8% ou 0,7%, traduzidas em intervalos de previsão que abrangem o crescimento de 1%).

Estamos apenas ainda com informação referente a dois trimestres consecutivos de crescimento positivo, o que, se confirma a retoma, não é ainda suficiente para uma dinâmica em que os empresários reconhecem dever começar a contratar maciçamente. O efeito sobre a procura de trabalho necessita de um estímulo de encomendas mais capaz.

Conjugando estes factos com a crise na construção de que ainda ontem se dava conta, percebe-se que fundamental para criar emprego é dinamizar activamente o programa de obras públicas, fortemente mão-de-obra intensivo. Só na fase de construção, estima-se que, o TGV, por exemplo, gere um acréscimo de emprego de 100.000 postos de trabalho. Se o emprego privado só reage quando os estímulos da procura forem suficientes, há que alimentar o combate ao desemprego pela via do investimento público. Os tais estágios profissionais que aqui são minorados, são uma peça dessa lógica de combate cíclica à crise. É falso que as obras públicas só ajudem as grandes empresas: nenhuma grande construtora deixa de ter um sem número de competências e áreas subcontratadas a PME. Nesse sentido, o investimento público é disseminado pela rede de PME, permitindo criar emprego, tanto aí como nas grandes construtoras.

Uma nota final: o verdadeiro défice em Portugal é social. O que significa que mais que a preocupação do défice, o Governo tem mantido a prioridade nos esquemas de apoio social aos desempregados. Subsídio de desemprego, subsídio social de desemprego, taxa de substituição dos subsídio face ao último salário, rendimento social de inserção, etc., são medidas a manter. Pensar em cortar despesa por aqui é surreal e só cabe na mente de quem conduz sempre na faixa direita. A UE falha se não entender que o desemprego é um mal generalizado a combater. Merkel ainda admitia anteontem que o desemprego na Alemanha ia subir e o défice também. O PEC não pode ser prioritário neste contexto.

As medidas impostas pela oposição como o fim do pagamento especial por conta, aumentam a facilidade de tesouraria de uma empresa, mas não criam um posto de trabalho. Porque numa crise de procura, é preciso fomentar o consumo, o investimento público e promover as exportações. Isto gera encomendas. A tesouraria não vale de nada se a empresa não tiver encomendas.

[A Regra do Jogo, Carlos Santos]



Publicado por Xa2 às 00:01 de 05.12.09 | link do post | comentar |

1 comentário:
De ferreira a 30 de Junho de 2010 às 10:27
O problema é a falsidade de quem governa porque no caso do despedimento colectivo e selvagem de 112 familias do casino estoril uma empresa com lucros em que a ministra do trabalho na assembleia da republica disse estar em dialgo com todas as partes é pura mentira nunca se interressou pelo caso tambem a parte de fiscalização que detectou irregularidades nada fez . Agora nas providencias cautelares o mesmo juiz contra-diz o que disse da 1ª provid.estava adiantada da 2ª estava atrasada isto mostra que desde governo á justiça todos favorecem o desemprego e não se vê da parte de todos os partidos a investigar este caso como muitos que devem existir e que substacialmente baixava o desemprego.ESTAMOS NUM PAÍS PODRE DE GENTE PODRE


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO