Encruzilhada do sindicalismo europeu (iv)

Podemos hoje dizer que o sindicalismo europeu está demasiado integrado no sistema. Faz parte do mesmo e acaba por ter tiques de conservação! Tem pavor da desordem de rua e tem palavras mansas para a desordem do novo capitalismo.


Este tem características tais que pode perfeitamente dispensar os sindicatos a médio prazo. Aliás, alguns gestores modernaços já o dizem abertamente. Para alguns gestores o sindicalismo está ultrapassado, pertence a uma fase industrial que já não existe!

O capitalismo financeiro globalizado tem características tais que está a fazer uma viragem civilizacional. Uma das suas características é transformar a empresa uma entidade com todos os direitos e os trabalhadores sem direitos. O trabalhador deve submeter a sua vida aos interesses da empresa. Deve trabalhar ou parar quando é necessário, estar disponível e ligado à empresa, aumentar os ritmos até à exaustão para satisfazer os clientes. Em troca recebe o salário e, quando é um quadro importante, mais algumas regalias (carro, cartão, férias nas caraíbas...)!
A empresa, por sua vez está a mudar. Muito centralizada no topo, no comando, e dispersa na base. A subcontratação expande-se e as empresas fortes submetem as mais pequenas a contratos de vida ou de morte. Muitas empresas estão dispersas pelo planeta num autêntico polvo! Algumas são virtuais!

 

A organização flexível é a nova matriz do trabalho. A máxima polivalência e os vínculos precários. O ideal é destruir o direito do trabalho e utilizar o direito comercial. Contratos entre trabalhador e empresa como estivessem em pé de igualdade. É o que alguns autores chamam de fascismo legal ! A imposição do mais forte!
Os altos quadros obedecem a uma lei de rotatividade tremenda. Não sabem se amanhã ainda estarão na mesma cidade ou no mesmo país! Nunca sabem se não serão ainda hoje dispensados. Os ritmos de trabalho e o assédio levam a doenças graves do foro psicológico e físico.
Todas estas mudanças estão a criar uma nova cultura laboral nos novos trabalhadores. A ameaça do desemprego a precariedade e a manipulação criam o medo e a insegurança na sociedade. A resistência é difícil, mesmo dentro da legalidade e da ordem estabelecida!

Neste quadro o sindicalismo europeu tem que procurar novos caminhos de luta e de diálogo firme! Entender a nova situação e os caminhos complexos que se colocam aos trabalhadores e a cada trabalhador.

Neste quadro o sindicalismo europeu deveria potenciar a enorme força que ainda tem e não sabe por quanto tempo terá. São milhões de trabalhadores sindicalizados e são milhões os desempregados.
É necessário, no entanto, uma outra dinâmica internacional e nacional. Acabar com os nacionalismos bacocos e responder de forma global aos desafios do novo capitalismo. Coordenar as lutas e definir reivindicações europeias que mobilizem os milhões de assalariados e desempregados. Dar como inaceitável este capitalismo de novos escravos, destruidor da pessoa humana e de povos inteiros.
Enfrentar o poder das multinacionais, fazer novas alianças com os movimentos sociais que por todo o mundo contestam o sistema, enfim, saltar do pedestal a que se tem remetido o sindicalismo!

 

Sabemos que o contexto mundial é desfavorável. A China e outros países emergentes lideram a competitividade e esmagam os concorrentes. Mas estes países não estão imunes ás mudanças sociais e políticas. O comportamento do sindicalismo europeu terá reflexos na América e na Ásia! Continuar de compromisso em compromisso à espera que volte o diálogo do tempo de Delors poderá ser um erro trágico !  Esta é a grande encruzilhada!

 



Publicado por Xa2 às 00:04 de 13.01.10 | link do post | comentar |

7 comentários:
De Ataque à Adm.Púb. continua ... a 4 de Fevereiro de 2010 às 14:58

O ATAQUE À ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:

 NOS SALÁRIOS
 NOS DESCONTOS
 NAS PENSÕES
 O PORQUÊ DO ATAQUE
 O QUE FAZER?

1. NOS SALÁRIOS

O Governo não esteve com meias medidas: No dia em que anunciou o congelamento dos salários enviou uma carta às organizações sindicais convidando-as… para a negociação dos salários!

Isto diz bem, sem mais palavras, da qualidade da nossa democracia.

E como o mesmo já se passou em anos anteriores, a conclusão parece óbvia – somos todos culpados e, ao que parece, não temos emenda.

2. NAS PENSÕES

Aqui o Governo consegue ultrapassar tudo quanto podíamos imaginar.
Para além de ter decidido (Decreto-Lei n.º 323/2009, de 24 de Dezembro) o aumento de:

 1,25% para as pensões de valor igual ou inferior a uma vez e meia o valor do IAS e de:

 1% para as pensões de valor compreendido entre uma vez e meia o valor do IAS e € 1500,00, com o congelamento das restantes, vem agora, no OE para 2010, à margem de qualquer negociação:
• Reduzir o valor das pensões dos trabalhadores da Administração Pública: para estes o P1 passa a reportar-se a Dezembro de 2005, ao contrário do que acontece com todos os outros trabalhadores;

• Aumenta a penalização das pensões antecipadas, de 4,5% para 6% ao ano, rasgando o que antes havia sido negociado e que previa que isso só ocorreria em 2015;

• No que respeita à bonificação concedida aquando da antecipação, no caso de trabalhadores com carreiras contributivas longas (redução de um ano por cada período de três para determinação da taxa global a considerar) o Governo fixa agora uma idade e tempo de serviço a considerar – 55 anos de idade e 30 de serviço - a redução será de “12 meses por cada período de 3 anos que exceda os 30 (de serviço) no momento em que o subscritor alcance os 55 anos de idade. “

3. NOS DESCONTOS

Os descontos para a ADSE possam a incidir também sobre os suplementos remuneratórios.

4. PORQUÊ ESTE ATAQUE?

O Governo tem instrumentalizado alguma comunicação social em termos nunca vistos.
A degradação de alguns programas, ocupados por assessores e consultores da Banca e outros interesses financeiros, todos eles com ligações aos Partidos ditos do arco do poder, que se esquecem das suas pensões ou avenças para atacarem as remunerações e pensões da Administração Pública, é vergonhosa.

São autênticas lavagens ao cérebro para incautos, aqui sim sem qualquer contraditório.

É a nova verdade dos iluminados.

Que o Relatório do OE para 2010 torna clara na pág. 31: a introdução das alterações nas pensões significa uma “redução na despesa em pensões de 28 milhões de euros, em 2010, e de 300 milhões de euros, em termos acumulados, até 2013 devendo ainda ter consequências importantes a médio e longo prazo”.

5. O QUE VAI O STE FAZER?

De imediato, vamos:
• Questionar os diversos Grupos Parlamentares, solicitando uma audiência a cada um;
• Estudar a constitucionalidade de algumas das normas, nomeadamente a que altera a formula de cálculo da pensão remetendo o P1 para a remuneração de Dezembro de 2005;
• Reunir com as outras Organizações Sindicais para preparar acções comuns.

Mas o STE fará aquilo que os associados, maioritariamente, entenderem como adequado.

Diga-nos de que modo devemos mostrar a nossa indignação, o nosso descontentamento.

Envie-nos a sua opinião/sugestão.

NÃO PODEMOS FICAR QUIETOS.


Lisboa, 2010-02-03
A Direcção do STE


De conciliar trabalho e família a 21 de Janeiro de 2010 às 10:29
Sindicatos europeus apresentam hoje a Zapatero propostas para a presidência
por Agência Lusa, em 21.01.2010

Definir a organização do tempo de trabalho com as necessidades familiares dos trabalhadores e procurar conciliar trabalho e família são duas das propostas que os sindicatos europeus apresentam hoje à presidência espanhola da UE.

O documento com as propostas será entregue ao primeiro-ministro espanhol José Luis Rodríguez Zapatero pelo secretário-geral da Confederação Europeia de Sindicatos, John Monks, num encontro em que participam também os líderes das centrais sindicais espanholas.

Segundo dados divulgados pelos sindicatos espanhóis, o encontro servirá para alertar para "propostas legislativas novas e pendentes" que consideram devem ser tratadas pela presidência da UE.


De STE a 18 de Janeiro de 2010 às 15:01
NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:
GOVERNO DIZ NÃO A AUMENTOS E…
“ALGUMA” OPOSIÇÃO APOIA !

1. Em primeiro lugar a “forma”:
- O Governo recebe os Sindicatos e diz-lhes que, quanto às negociações salariais, ainda está a recolher elementos.
- O mesmo Governo, no mesmo dia, diz à comunicação social que na Administração Pública não poderá haver aumentos reais.
É assim que para o Governo funciona a democracia e o diálogo social.

2. Aumentos sim ou aumentos não?
2.1. Nos últimos 10 anos os trabalhadores da Administração Pública, que viram congelados os salários em 2003/2004, perderam 7 pp em termos reais;

2.2. O aumento de 2,9% em 2009 teve um peso quase nulo no aumento da despesa do Estado: 0,2%;

2.3. O peso dos salários na despesa diminuiu para 17,5% até Novembro de 2009 (19,2% em 2006);

2.4. O peso da despesa com salários no PIB tem vindo a ser reduzido: 4,7% em Novembro de 2009 (5,3% em 2006)

2.5. Já a despesa com aquisição de serviços atingiu 784 milhões de euros em Novembro de 2009 (+ 3,9%).

3. A contenção salarial – um remake de 2003 e 2004 – não resolve o problema da situação das finanças públicas.
E, muito menos, o problema da situação económica.
Nada se diz quanto:
- Ao défice de grande número de empresas públicas;
- À má gestão de muitas delas e o seu endividamento crescente;
- As parcerias público-privadas que constituem um autêntico desastre financeiro e de serviço público;
- Ao recurso crescente ao outsourcing para contratação encapotada de pessoal.

4. E os trabalhadores da Administração Pública não podem deixar de se surpreender:
• Com o facto de serem repetidamente “eleitos” para o sacrifício;
• Com um panorama político-partidário em que “alguma oposição” se alia ao Governo na falta de ideias para um futuro melhor e no apoio à dita medida de penalização do “do costume”.

Os trabalhadores da Administração Pública não podem nem devem esquecer.
Lisboa, 2010-01-15,
Direcção do STE - Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado


De AP a 14 de Janeiro de 2010 às 09:37

Abaixo o Siadap !

Pelo vínculo e carreira na Função Pública.

Abaixo os dirigentes 'para-quedistas' e sua má gestão.

Abaixo o nepotismo e a discricionariedade !

Por uma Administração Pública isenta e transparente.


De sistema avaliação ou prepotência ?!! a 21 de Janeiro de 2010 às 11:49
Função Pública

Frente Comum quer negociar um novo sistema de avaliação sem quotas

A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública considerou hoje que a ponderação curricular não resolve os problemas relacionados com a aplicação do sistema de avaliação e reivindicou um novo regime sem quotas de progressão



De Si Adape ?! Avaliação de m... a 22 de Janeiro de 2010 às 13:30
GOVERNO QUER APROVAR DESPACHO QUE VISA DAR A
TODOS OS TRABALHADORES NÃO AVALIADOS NOTA NEGATIVA !
SALVAM-SE OS DIRIGENTES, OS MEMBROS DOS GABINETES E OS SERVIÇOS QUE NÃO APLICARAM O SIADAP !

Os trabalhadores da Administração Pública estão literalmente em pé de guerra com a avaliação do desempenho.

Em primeiro lugar é o que não se faz, a começar pela definição tempestiva dos objectivos e sem acompanhamento.

Em segundo lugar é a ignorância de alguns dirigentes que confundem objectivos dos serviços: cobrança de X Euros, por ex., com objectivos individuais. Pretendem também que os objectivos dos trabalhadores sejam a cobrança de X Euros, quando isso não depende deles.

Em terceiro lugar são as quotas que levam a que em determinados serviços o ambiente seja de cortar à faca face às injustiças que isso acarreta.

Em quarto lugar temos as fórmulas para a ponderação curricular dos trabalhadores que não puderam ser avaliados por motivos que não lhes são imputáveis:

Aqui também as fórmulas são as mais diversas: a cada serviço a sua fórmula.

Esperava-se que o projecto de despacho normativo viesse resolver essa anomalia, tal como a lei prevê, o que não acontece.

Afinal o Governo quer publicar um despacho com alguns critérios mas deixando o essencial para os serviços.

Isto é, vamos continuar a ter ponderações curriculares para todos os gostos e cores.

Do que discordamos.

Mas, para além disso, há que ter em conta que os critérios, quando definidos, se devem traduzir numa grelha que permita perceber o resultado a que vamos chegar.

Também aqui o Governo não avançou com uma grelha deixando uma clara indefinição.
… 201.2010, Direcção do STE – Sind. Quadros Técnicos do Estado www.ste.pt


De Sind.Quadros Téc. Estado: www.ste.pt a 13 de Janeiro de 2010 às 14:26
Na Administração Pública:

NÃO SÃO OS SALÁRIOS OS RESPONSÁVEIS PELO AUMENTO DA DESPESA!
SÓ “OS DO COSTUME” É QUE NÃO VÊEM !

1. A despesa com a aquisição de bens e serviços correntes na Administração Central aumentou 8%!

Até Novembro de 2009, a despesa da AC em aquisição de bens e serviços correntes já atingiu mais de 8 mil milhões de euros, correspondendo a um aumento de 8% face ao período homólogo (+1% registado no ano de 2008), 87% dos quais correspondente aos FSA devido sobretudo à empresarialização dos Hospitais.
No Estado, a despesa com a aquisição de bens e serviços correntes aumentou para mais de mil milhões de euros (+5,5%). Entre os Ministérios que mais contribuíram para este aumento figuram os Ministérios das Administração Interna, Finanças e Justiça

Igualmente, a despesa do Estado em “aquisição de serviços”, onde figuram as componentes “Outros Trabalhos Especializados”; Outros Serviços”; “Estudos, pareceres e projectos de consultadoria”, entre outros, atingiu o Total de 784 milhões de euros até Novembro de 2009, equivalente a um aumento de 3,9% (+29 milhões de euros), sendo os Ministérios da Administração Interna, Justiça e Saúde os que mais contribuíram para este aumento.

Apesar do aumento da tabela salarial da função pública ter ficado em 2,9% em 2009, a despesa com as remunerações certas e permanentes permaneceu muito abaixo deste valor. Esta situação tem-se verificado desde 2006, devido ao elevado número de funcionários que se aposentam e que não é totalmente substituído por novas entradas; à existência de remunerações mais baixas para os trabalhadores que iniciam carreira na função pública face aos que saem para a aposentação e à colocação na mobilidade especial de milhares de trabalhadores.
Até Novembro de 2009, os encargos com as remunerações certas e permanentes do Estado apresentaram um crescimento quase nulo em termos homólogos (+0,2%), representando um acréscimo de 14,5 milhões de euros. No Total da despesa do Estado, o peso dos salários diminuiu para 17,5% até Novembro de 2009 (19,2% em 2006) demonstrando as dificuldades por que muitos trabalhadores têm vindo a passar. Igualmente, o peso da despesa com salários no PIB tem vindo a regredir, evoluindo de 5,3% em 2006 para cerca de 4,7% em Novembro de 2009.

2. Como é possível o Governo assistir impávido à corrida à aposentação, mesmo com forte penalização?

Até Novembro de 2009 o número de novos aposentados da função pública foi de 21 448 (23 415 em 2008), com destaque para o número crescente de funcionários que tem recorrido à reforma antecipada, ultrapassando os 10 mil, o valor mais elevado dos últimos 7 anos.
Como é que é possível que o Governo, responsável pelo funcionamento da Administração Pública, não se aperceba das implicações e do significado dessa crescente frustração da generalidade dos trabalhadores?

Na Administração Pública, é urgente:

NEGOCIAÇÕES SALARIAIS ANTES DA APRESENTAÇÃO DO OE À ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA!


1 - O STE, em representação da Frente Sindical que em 2009-11-17 apresentou ao Governo um conjunto de propostas para 2010, questionou hoje o Governo sobre o inicio do processo negocial que deve ocorrer antes da apresentação do Orçamento à Assembleia da República.

2 – È que, já começa a ser escandaloso o concerto de vozes de uns tantos bem instalados que, inquiridos sobre a situação económica do nosso País e de como ultrapassá-la, apontam como saídas:
- poupar nos salários dos trabalhadores da Administração Pública,
- privatizar o que pode ir aumentar os lucros de uns tantos grupos, e
- investir nas ditas parcerias público-privadas em que os privados engordam e todos nós emagrecemos.

3 – É caso para nos perguntarmos: afinal temos um Governo para quê?

4 – A solução para atenuar os efeitos da crise económica e financeira (ambas produzidas pelo sector privado) não pode ser castigar, mais uma vez, os trabalhadores da Administração Pública.

Se em 2009 a situação financeira das famílias ainda foi “salva” pelos trabalhadores que não perderam o emprego, proporcionando-lhes um aumento do seu rendimento disponível face à descida da inflação e das taxas de juro, já em 2010 as perspectivas apontam para a possibilidade do rendimento destas famílias também vir a sofrer alguma deterioração ...


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO