Estratificação social
A questão da ‘classe média’
 

A propósito de um post de Paulo Pedroso em Banco Corrido

“Numa sociedade em que cada um tenha algo a guardar e pouco a tomar, será difícil a ocorrência de revoluções violentas”, dizia Tocqueville. Nas sociedades democráticas, em comparação com as velhas aristocracias, os “pobres” seriam em pequeno número e, além disso, não estariam ligados por laços de uma miséria irremediável e hereditária, enquanto que os ricos, além de pouco numerosos, não permitem que os seus privilégios atraiam os olhares, como acontecia com a riqueza fundiária. Isto é, os ricos não constituiriam uma classe à parte que facilmente pudesse ser despojada pelos pobres.

Entre estes dois extremos, adianta o autor, “acha-se uma multidão inumerável de homens quase idênticos que, sem serem precisamente ricos ou pobres, possuem bens suficientes para desejar a ordem, mas não os têm em demasia para suscitar a inveja. (...) Sem dúvida que não vivem satisfeitos, mas mantêm com ardor inigualável o desejo de enriquecer, embora esse desejo tenda a permanecer dentro dos limites necessários, porque o facto de viverem numa situação de relativo conforto, que é tão afastada da opulência como da miséria, leva-os a atribuir aos seus bens um preço imenso (...).

Como estão ainda muito próximos da pobreza, vêem de perto os seus rigores, e temem-nos; entre ela e estes mais não há que um pequeno património sobre o qual fixam imediatamente os seus temores e as suas esperanças. A cada instante, interessam-se primeiro pelos cuidados constantes que ele lhes dá e ligam-se-lhes cada vez mais pelos esforços diários que fazem para o aumentar. A ideia de ceder a menor parte dele é-lhes insuportável e consideram a sua perda como a última das infelicidades” (Tocqueville, 1988: 272-273).

A temática da classe média reveste-se, hoje, de contornos bem diferentes daqueles que assumiu nesse tempo. Ao longo do século XX nas sociedades industrializadas do mundo ocidental, a importância (política, nomeadamente) da “nova classe média assalariada”, em especial a partir da II Guerra Mundial, deu azo a inúmeras polémicas no terreno sociológico, atravessando correntes teóricas diversas, nomeadamente marxistas, funcionalistas e weberianas. Desde então, a expressão “classe média” vulgarizou-se cada vez mais mas deslocou-se do velho sentido do século XIX, que a conotava com a pequena burguesia proprietária. Além disso, convém notar, o fenómeno da “mobilidade social” (e da classe média), nunca teve na Europa o mesmo significado que nos EUA, uma sociedade bem mais individualista.

Porém, manteve-se a mesma relação directa entre o crescimento da “classe média” e a questão da “luta de classes”. Como o progresso económico (e tecnológico) parecia infindável, pensava-se que o crescimento dos assalariados white collar o seriam igualmente. No sector privado ou à sombra do Estado social o imparável reforço da classe média era a garantia da coesão social e um seguro para prevenir qualquer conflito estrutural. Quanto maior a classe média (e a mobilidade social) menor a intensidade da luta de classes. Autores como Ralf Dahrendorf, Frank Parkin, John Goldthorpe ou Pierre Bourdieu (e até o próprio Giddens) ajudaram-nos a perceber que o papel da classe média caminhava de par com múltiplas tensões, poder reivindicativo e conflitos abertos entre categorias profissionais emergentes, consolidadas e em declínio. Mais do que as oportunidades de subida para os que tivessem sucesso, a mobilidade inseria-se nos processos de recomposição da estrutura social, gerando o chamado efeito escada rolante, e de certo modo funcionando como ideologia meritocrática (processo gerador de ilusões apaziguadoras). Quando certos grupos se movem dos degraus mais baixos ou intermédios da estratificação social para os degraus acima, perdem de vista o facto de as posições superiores entretanto também se terem movido no mesmo sentido. Além disso, também o grupo de referência, ao funcionar como padrão comparativo que mede a condição social dos próprios por referência a outros grupos em situação idêntica ou ainda mais humilde (os vizinhos ou os familiares, por exemplo), tende a ampliar o sentido de privação relativa e, desse modo, a iludir o grau de proximidade, ou de progressão, na escala estratificacional entre fracções distintas dentro da classe média (Parkin, 1979).

A classe média no seu conjunto apresenta contornos dúbios porque na verdade nunca foi um grupo homogéneo. E em Portugal é ainda muitíssimo frágil e instável. No nosso país ela (ou o seu segmento assalariado) cresceu e afirmou-se a partir dos anos sessenta e muito dependente do Estado. Como já antes escrevi, a classe média portuguesa, é-o mais na aparência do que na realidade, sobretudo se atendermos a que uma parte significativa dos funcionários e empregados do sector terciário se aproximam da categoria proletária. Por exemplo, num estudo que publiquei em 1997 com José Manuel Mendes (Classes e Desigualdades Sociais em Portugal, Afrontamento) mostrámos que, segundo vários critérios estruturais, inspirados no modelo de Erik Wright) como novel de qualificações, grau de autonomia e poder de influência e propriedade, os trabalhadores que então classificámos de “proletários” eram nessa altura de cerca de 46% da força de trabalho empregada. Nos últimos anos, no quadro das políticas liberais e da crise económica vigente, fenómenos como o endividamento das famílias, o peso do trabalho precário, o desemprego e a instabilidade do mercado de trabalho, com toda a panóplia de situações de abuso de poder e de medo, atingem hoje amplos sectores da força de trabalho, incluindo a classe média.

No entanto faz ainda sentido falar do conceito de: o efeito classe média. Ou seja, para lá da existência de uma classe média “real”, pode conceber-se a presença de uma classe média “virtual”, na medida em que essa vaga e imprecisa “mancha” sociológica situada algures entre as classes dominantes e as classes trabalhadoras manuais (apesar de hoje mais enfraquecida devido ao pessimismo induzido pelo contexto de crise) com um alcance significativo na modelação das representações sociais. E essas subjectividades adquirem efeitos concretos no terreno das atitudes e comportamentos socioculturais e políticos.

  - Publicada por Elísio Estanque, em Boa Sociedade, 11.1.2010



Publicado por Xa2 às 01:09 de 12.01.10 | link do post | comentar |

2 comentários:
De DD a 18 de Janeiro de 2010 às 00:06
Falta considerar o trabalho dos dois cônjuges como elemento fomentador do aparecimento mais generalizado das classe média em Portugal. Dois salários de adultos operários mais ou menos qualificados ou funcionários, empregados, intelectuais, profissionais liberais, etc. acabam por ter algum significado monetário.

O trabalho da mulher levou também à redução da natalidade e ao desaparecimento em Portugal da aldeia miserável que mandava os seus filhos para as cidades ou para o litoral fazerem trabalhos de serventia porque não estavam habilitados para qualquer profissão urbana. Nos anos sessenta, muitos jovens aldeões emigraram e a natalidade desceu em todo o lado, pelo que a disponibilidade de mão de obra só foi colmatada com a vinda de estrangeiros. Não é xenofobismo, é a verdade.



De António Viriato a 12 de Janeiro de 2010 às 10:35
Caro Elísio,
Agradou-me bastante o conteúdo deste artigo.

Desde logo, o fino raciocínio de Toqueville, com a sua arguta observação dos fenómenos sociais. E o restante é igualmente estimulante.

Hoje, o conceito de classe social perdeu rigor, daí que se fale sobretudo de classe média, em contraposição à alta e à baixa, mas sem a sua correspondente consciência de pertença, como forma de individualização política, mais que social.

O desinteresse da Política cresceu imenso, pela decepção sofrida com os Partidos do arco do Poder, socialista e social-democrático, principalmente.

Cabe, por ex., questionar :
- Em que se traduziu a passagem desses Partidos pelos Governos do País ?
- Diminuiu ou aumentou a precariedade dos vínculos laborais ?
- Que se passou nas áreas que definem o chamado bem-estar social : aumentou ou diminuiu o nível de conforto social dos trabalhadores e do povo em geral ?
- Que têm lucrado os trabalhadores da classe média, com a passagem alternada do PSD e do PS pelo Governo do País ?
- Que trabalho tem sido feito, na preparação científica, técnica e cultural da nossa juventude ?
- Que credibilidade tem o combate à corrupção, à fraude e à incompetência conduzido por estas famílias políticas que têm dominado o Poder nos últimos 20 anos, sobretudo ?
- Quando conseguirmos responder com seriedade e com convicção a estas e outras questões similares, talvez a indiferença política dos portugueses venha a desaparecer.

Até lá, vamos de ilusão em ilusão, mudando de Pôncio para Pilatos, que o mesmo é dizer de Barroso, para Santana ou para Sócrates, este talvez ainda pior, pela teia que propaga atrás de si, no Estado, nas Instituições e nas Empresas em que o Estado mantém influência.

Um abraço,
AV_11-01-2010


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO