Der Spiegel - Portugal e a Alemanha

 

 

 

A edição online da revista alemã “Der Spiegel” faz uma descrição devastadora da economia portuguesa, comparando-a à Grécia e revela que estes dois países já terão feito cair o Euro para 1,40 dólares.

 

Só que a situação alemã está longe de ser melhor que a portuguesa com uma queda brutal de 5,3% do PIB em 2009 em resultado de decréscimos nas exportações da ordem dos 30% no sectores mais importantes como o das máquinas-ferramentos e equipamentos industriais. O défice das contas públicas alemãs atingiu o valor recorde de 77,2 mil milhões de euros e está prevista que o mesmo seja de 86 mil milhões em 2010, o que é quase dez vezes o défice português. Por isso, a influência negativa do défice alemão no valor do Euro é muito superior à que resulta do défice português.

 

Não foi pois, por causa dos défices português e grego que o Euro desceu para 1.40 dólares: foi sim o défice alemão a juntar aos gigantescos défices da França, Itália, Espanha, Irlanda, etc.

 

No último dia do ano passado, a Alemanha apresentava oficialmente 3,3 milhões de desempregados em resultado de um aumento de 7,8% relativamente ao ano anterior. Mas, trata-se aqui de um número aldrabado, pois quase todas as indústrias adoptaram o modelo de horário reduzido em que o trabalhador trabalha metade do seu horário normal, recebe 40% do fundo de desemprego e perde 10%. O número de trabalhadores nestas circunstâncias não pára de crescer e deverá estar em vias de corresponder quase ao número de desempregados a “tempo inteiro”, apesar de não terem sido dadas a conhecer estatísticas muito fiáveis. Em Setembro de 2009, já trabalhavam em horário reduzido cerca de 1,1 milhões de trabalhadores, isto de acordo com estatísticas oficiais publicadas pelo “Der Spiegel”.

 

Mas, as principais indústrias estão com os seus trabalhadores em horário reduzido. O presidente da VW, Martin Winterkorn, já declarou que a situação é dramática e que neste ano o número de trabalhadores com horário reduzido deverá subir para o dobro na sua empresa. O próprio director da Agência Federal para o Emprego, Frank-Jürgen Weise, já previu uma destruição radical de milhões de postos de trabalho e a passagem ao horário reduzido de quase todos os trabalhadores alemães, acrescentando que isso se deve à enorme dependência alemã das exportações e que estas estão a entrar em colapso total de dia para dia. Há indústrias que registaram quedas de 70% no registo de encomendas. Até a Airbus de Hamburgo está a começar a colocar os operários e engenheiros em horário reduzido, pois não os pode despedir dado serem especialistas que não existem no mercado.

 

Acrescente-se aqui que alguns técnicos da Airbus recentemente despedidos têm ido para a Embraer no Brasil, o terceiro maior construtor de aviões do Mundo e que paga salários inferiores a 10% do que paga a Airbus e a Boeing, excepto a alguns especialistas imprescindíveis, e parece ter conseguido acabar com o boicote a que estava sujeita pelos três fabricantes de motores de avião do Mundo que não forneciam motores a partir de uma certa potência por imposição da Airbus e da Boeing que querem para si o mercado mundial dos aviões com mais de 100 lugares.

 

Para evitar um aumento do défice das contas públicas, o governo alemão de direita está a aumentar as contribuições para a segurança social dos trabalhadores, os quais já só se podem reformar os 67 anos de idade e vai aumentar o IVA, devendo a Sra. Merkel ceder ao seu parceiro liberal uma descida das taxas mais elevadas dos impostos de rendimento pessoal dos mais ricos, caso contrário, será pouco provável que a actual coligação consiga completar o ano de 2010.

 

A Alemanha foi em 2008 o maior exportador mundial, mas 70% das suas exportações foram para a União Europeia e todo o continente asiático com China, Índia, Indonésia, etc. importou da Alemanha apenas 9% e continuam os alemães a apostar no mercado chinês que não lhes compra mais de 4,5% das suas exportações.

 

Muitos dos problemas dos países do sul da Europa com o Euro devem-se à embirração alemã em manter as fronteiras abertas aos mercados dos países esclavagistas como a China e a Índia que pagam salários da ordem dos 50 cêntimos horários. Saliente-se aqui que o actual nível de salários à hora desceu na Alemanha, segundo o “Der Spiegel”, para 3,25 Euros, ou seja, metade daquilo que se paga em Portugal. Isto pelo facto de os polacos virem trabalhar na Alemanha por qualquer preço.

 

Enfim, o peso da crise alemã é tremendo e não augura nada de bom para o conjunto dos países do Euro, pois os outros podem desvalorizar as suas moedas e continuarem a exportar qualquer coisa e protegerem-se internamente da concorrência estrangeira, mas, claro, só até a um certo ponto, porque a energia torna-se demasiado cara e, bem assim, os produtos importados de que carecem para as suas próprias indústrias.

 

Saliente-se que os Mercedes da Classe C, mais vendidos em Portugal, passaram agora ser fabricados na China, devendo os trabalhadores alemães que os fabricavam ir para o desemprego.



Publicado por DD às 20:10 de 23.01.10 | link do post | comentar |

3 comentários:
De Zé T. a 25 de Janeiro de 2010 às 09:09
Interessante informação, ajuda a perspectivar melhor o nosso problema. danke DD


De isolda a 24 de Janeiro de 2010 às 09:13
sehr gut!


De Isilda das 17H a 24 de Janeiro de 2010 às 17:32
Ist das korrekt? Ich bezweifle es.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO