Sexta-feira, 1 de Maio de 2009

Blogs há muitos e muitos mais podem ser criados. Esta nova forma de comunicar constitui uma das recentes inovações mais importantes que a sociedade e o mundo obtiveram, por isso devemos usá-la da melhor forma e com objectivos o mais honesto e democráticos possíveis.

Riscos de mau uso são tantos como os de boa utilização. Aliás, o conceito de bom e de mau é bastante diverso e variável, dependendo de cada circunstância, de cada pessoa ou mesmo de cada momento.
Por mim, este blog servirá para escrever sobre a sociedade portuguesa e mundial, o conturbado período que agora atravessamos, para tecer considerações a propósito das alterações económicas, mudanças políticas, ajustamentos e conflitos sociais, preconizar a defesa do ambiente e a busca de novos paradigmas. Sobre todos estes e outros temas que a cada momento seja pertinente, escreverei com a assiduidade que a liberdade de pensamento me for permitindo.
Não podemos continuar a pensar e a agir de igual modo e dentro de idêntico raciocínio que originaram as presentes situações de desequilíbrios sociais, descrenças e rupturas de confiança nas capacidades de mudança. A actual crise económico-financeira, bem como as clivagens sociais e o, quase, desaparecimento de valores éticos, só poderão cambiar se tais temas forem equacionados com outros pensares e com novos instrumentos de regulação e controlo.
Urge que apareçam diferentes conteúdos de pensamento, é necessário que se dê lugar a novos paradigmas, que se actue com outras ferramentas e meios mais universalmente democráticos.
Com o aparecimento do presente blog, pretender-se-á, certamente, manter uma porta aberta por onde passem pensamentos de socialismo e de liberdade que permitam uma onda de palavras abertas e possibilitem, também, debater a natureza de todas as coisas que reportam a mulheres e homens universalmente Livres praticando, simultaneamente, uma cidadania activa, para que se transforme o quotidiano de quem o queira transformar.
Pretende-se, naturalmente, com este espaço de participação e debate, ‘descascar’ ideias que serão “verdades” na medida em que conseguirem obter o senso comum da aceitação colectiva, numa permanente prática de democracia directa.
Humanizar uma res-pública onde a ‘partidarite’ quase absorve e anula a capacidade de pensar um “mundo que pula e avança como bola colorida nas mãos de uma criança” torna-se uma exigência absoluta, se não mesmo da sobrevivência, da respectiva renovação da democracia bem como dos próprios partidos, enquanto instrumentos dela.
Pretende-se, assim, também, abrir mais esta janela de arejamento “iluminista” sobre as expectativas criadas em torno da construção de um mundo renovado, onde os equilíbrios entre os Homens e entre estes e a natureza planetária que habitamos, sejam mais justos, seguros e sustentadamente constantes.

MARCADORES:

Publicado por Zé Pessoa às 22:53 | link do post | comentar

1 comentário:
De Eletrochave a 26 de Julho de 2010 às 22:18
Seção Quebra-Galho: Aprenda já e de graça a consertar fechaduras e instalação elétrica em www.eletrochave.com.br


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS