4 comentários:
De DD a 19 de Fevereiro de 2010 às 11:24
A sociedade portuguesa não deu origem a uma economia livre de mercado, mas antes a uma economia de interesses e serviços. Os interesses visam sempre a monopolização por parte de poucos do maior número de actividades, daí a Ordem dos Médicos não querer Faculdades de Medicina e a Ordem dos Advogados estar a limitar o acesso de jovens à advocacia para serem menos e manterem os seus preços muito elevados.
O objectivo é que a maioria da população constituída por mal remediados não tenham acesso à justiça, a não ser a troco de elevadas verbas que os endividam por muitos e muitos anos.


De marcadores a 19 de Fevereiro de 2010 às 12:17
É isso mesmo.
Mais e melhores médicos, mais e melhores advogados, ou quaisquer outros profissionais pode fazer toda a diferença para melhor e mais barato serviço ao cidadão.
Agora quem vai para algumas profissões para ter um estatuto económico ou socialmente relevante, não gosta da concorrência que mais e bons profissionais podem fazer.
Esses profissionais que se habituem às regras de um mercado que já é concorrencial vai para muito tempo em outras actividades.
Acabemos com essas classes de actividade que se julgam mais importantes do que todas as outras!


Comentar post