De Liberdade e condicionam. dos Cidadãos a 23 de Fevereiro de 2010 às 15:20
Agenda política por Paulo Alexandre Amaral, RTP 23 Fev. '10

Barreto aponta estratégia governamental de condicionamento da opinião pública

O investigador considera que o aumento dos meios de controlo de controlo da opinião tem aumentado desde os últimos 15 anos
José Sena Goulão, Lusa

O sociólogo António Barreto aponta ao Executivo "fortíssimas" tentativas de controlo da opinião pública através de uma agenda política organizada "à volta do Governo", sustentando que esta é uma realidade da última década e meia. A análise surge numa entrevista à Agência Lusa, a propósito da apresentação da Pordata, base de dados da Fundação Francisco Manuel dos Santos.
Barreto aponta estratégia governamental de condicionamento da opinião pública

Quando está marcado o lançamento da Pordata, a maior base de dados estatísticos relativos aos últimos 50 anos de Portugal, que a Fundação Francisco Manuel dos Santos disponibiliza de forma gratuita e universal, o presidente da instituição concedeu uma entrevista à Agência Lusa na qual aborda algumas das questões que dominam o actual momento da vida política portuguesa.
O investigador social, cronista e presidente da Fundação Francisco Manuel dos Santos diz que "vivemos num país onde há fortíssimas tentativas de condicionamento da opinião pública, e onde os grandes grupos económicos, e o Estado, têm vindo desde os últimos 15 anos, pelo menos, a tentar aumentar os meios de controlo de controlo da opinião - e têm aumentado sempre".

Agenda política gira à volta do Governo

António Barreto, que chegou a ser ministro da Agricultura e Pescas do I Governo Constitucional de Mário Soares, aponta uma estratégia em torno do Governo que será assegurada por milhares de pessoas a quem está atribuída a função de organizar a informação e fazer a agenda política.

Nas palavras do investigador social, "hoje em dia haverá 2500 a três mil pessoas cuja função, no aparelho de Estado, é organizar a informação e fazer a agenda política. Na televisão, nos jornais, na rádio, há uma verdadeira agenda política feita à volta do Governo, pelas agências e gabinetes de comunicação".

Para António Barreto, "isto chama-se condicionar a opinião pública".

António Barreto sublinha por outro lado que, apesar destas estratégias de controlo da informação, a liberdade de expressão não está em causa em Portugal. O investigador não tem dúvidas em afirmar que "vivemos num país em que reina a liberdade de expressão".

"Se eu quiser falar, escrever e dizer publicamente o que quero, consigo. Eu sou capaz de dizer publicamente que o Governo está a tentar condicionar a opinião pública, e portanto tenho liberdade de expressão", exemplifica.

Concentração e dimensão do mercado explicam maior controlo

O antigo ministro socialista admitiu que as tentativas de exercer controlo da opinião pública acabam por ser maiores em Portugal, quando o país é comparado com os parceiros europeus. António Barreto sublinha que a justificação pode estar na dimensão do país, onde o escasso número de grupos de comunicação a operar no mercado acaba por resultar numa menor pluralidade.

"Tudo se concentrou, e hoje existem dois ou três grupos importantes na comunicação social, que estão relacionados com grupos económicos ou com o Estado, ou que devem ao Estado, ou que estão ligados aos bancos que estão ligados ao Estado", explica António Barreto.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres