3 comentários:
De DD a 20 de Fevereiro de 2010 às 19:04
É verdade, mas as relações entre nações são sempre recíprocas e se num dado momento uma nação julga-se superior e que não necesita de mais ninguém, aparece de repente algo que altera tudo. O mesmo se passa nas relações entre regiões e até entre famílias e pessoas de qualquer lugar do nosso pequeno Planeta.



De Bombas? a 20 de Fevereiro de 2010 às 15:58
Pensávamos nós , cidadãos comuns, que as hostilidades entre os dois países ibéricos tinham sido , definitivamente, enterradas com o tratado de Tordesilhas e afinal, resquícios mal resolvidos da revolta do filho da mãe contra a dita continuam acesos.

Continuamos a lançar, de um lado para o outro, bombas mortíferas que são uns verdadeiros terramotos a impedir que terminem tão elevados conflitos de estado.

Onde iremos parar se continuarem a rebentar tão sangrentas e sinistras bombas?

Só nos resta esperar que do outro lado da fronteira os estragos sejam bastante menos expressivos que "nós por cá", por este andar, não tardará a ficarmos sem governo e como já não temos oposição com um pingo de credibilidade a esperança que restava a muita gente era passarmos, outra vez, a ser governados pelos espanhóis , se eles próprios também precisarem de governo há que virar as atenções para Bruxelas .


De Zé das Esquinas o Lisboeta a 21 de Fevereiro de 2010 às 12:21
Pois é, se invadirmos Espanha, ao fim de 15 dias, ficamos todos a falar Espanhol....


Comentar post