''Mãos limpas'' à portuguesa ?

"Normalmente, quando se fala de política italiana fora de Itália, pensa-se geralmente em Berlusconi, primeiro, na instabilidade política e na operação “mãos limpas”, depois. Dificilmente um observador estrangeiro irá aprofundar se entre os três fenómenos há, ou não, ligações mais ou menos profundas. Corrupção e instabilidade são considerados como pertencentes à própria natureza da política italiana e nem vale a pena deter-se nos pormenores.

Em Março de 1992, quando as investigações dos juízes contra a classe política italiana começaram a ter um impacto mediático relevante, colocou-se a questão de uma profunda reforma do sistema político italiano.
Os partidos da oposição, em particular o Partido Democrático della Sinistra (PDS – herdeiro do PCI) e o Movimento Sociale Italiano (movimento neo-fascista) logo tentaram de aproveitar-se do novo clima e, encorajados pelos discursos anti-sistema e populistas da imprensa, começam a atacar duramente os partidos da coligação governamental (em particular a Democrazia Cristiana/DC e o Partito Socialista/PSI).
Em volta da corrupção e da crise nas contas públicas, em Itália abriram-se duas frentes de discussão: sobre a reforma do sistema político e do Estado Social.

Isto porque, ao lado das investigações dos juízes, chegou também o ataque contra a moeda italiana que saiu do Sistema Monetário Europeu e foi desvalorizada em cerca de 20%.


Em 1993, foi proposto aos italianos o referendo para mudar a lei eleitoral, então muito proporcional, num sentido maioritário. Os media logo apoiaram a viragem maioritária, justificada com a necessidade de “mandar para casa os políticos corruptos”. O PDS, o único partido que parecia sobreviver do terramoto que estava a atingir Itália, também se juntou aos defensores do sistema maioritário. Cerca de 90% dos italianos votaram pela mudança, pouco sabendo de sistemas eleitorais, mas com a ideia de mudar e mandar para casa todos os “políticos corruptos”.

Se a crise política teve como solução a reforma eleitoral, a solução da crise económica foi encontrada numa drástica e dolorosa redução das despesas do Estado e na privatização da grande maioria das empresas públicas.
Por paradoxal que possa aparecer, quem mais aproveitou deste clima de renovação ética foi o próprio Berlusconi o qual, na primavera de 1994, conseguiu ganhar as eleições legislativas. O PDS não tinha percebido que, do clima populista de anti-politica e anti-parlamentarismo, só uma formação conservadora podia tirar vantagens, tal como tinha acontecido na véspera da subida ao poder de Benito Mussolini.

Hoje, em Portugal, parece estar a soprar o mesmo vento de tempestade que atingiu a Itália em 1992, embora os protagonistas e o contexto sejam diferentes. Tentemos de arrumar as ideias: são meses em que o PS está a ser alvo de ataques por parte da magistratura: caso TVI, a questão dos graus académicos de José Sócrates e muitos outros exemplos de pequena e grande corrupção, ou tráfico de influências, que estão a ter grande relevância na imprensa de há meses a esta parte.

Internamente, o governo minoritário do PS está sujeito aos vários desafios das oposições muitas vezes coligadas de forma contra-natura; externamente, são os especuladores financeiros que tentam de ganhar terreno (e muito dinheiro) com a instabilidade política (e financeira) portuguesa.

Se, por um lado, é compreensível que o PSD e o CDS tentem aproveitar dos ataques contra o governo Sócrates, já que têm tudo a ganhar com a sua fragilização, é mais difícil perceber a posição do BE, do PCP e do próprio PS, os quais têm tudo a perder com a exacerbação deste clima.

Se o maior concorrente para o governo do PS é o PSD, é evidente que este segundo partido dificilmente poderá ser um aliado de confiança e seria talvez melhor, para o PS, um acordo com a ala esquerda do espectro ideológico. Por outro lado, o BE e o PCP têm tudo a ganhar de um acordo com o PS, já que se o PS não parece muito generoso em termos de políticas de welfare, de certeza que uma aliança entre PSD e CDS não levaria num sentido de politicas sociais mais expansionistas, muito pelo contrário.

É óbvio que um acordo deve ir no sentido de satisfazer todas as partes que o assinam. É também evidente que, por um lado, em termos de “rendimento” eleitoral, o BE e o PCP poderiam vir a perder alguns votos abrandando a atitude “virtuosista”, mas, por outro lado, poderiam alcançar uma maior atenção por parte do Governo para as camadas menos favorecidas da sociedade. O PS, da viragem à esquerda, poderia, por seu lado, ter a considerável vantagem de ter aliados que não concorrem pelo governo e portanto de maior confiança.

A pergunta subjacente é:

se o governo Sócrates não conseguir ir para a frente por causa dos ataques nas três frentes (apoio parlamentar, crise económica e corrupção), o cenário que se abriria em Portugal poderá vir a ser semelhante ao italiano de 1992-1994?

Temos a certeza de que os três partidos da esquerda portuguesa teriam alguma coisa a ganhar com uma crise política desse género?
Se o Governo Sócrates caísse, é muito provável que os dois assuntos que viriam a ser mais discutidos em Portugal seriam:

a governabilidade do pais e a necessidade de reformas económicas que reduzam o défice do Estado. A solução ao primeiro assunto poderá levar a uma lei eleitoral que privilegie os grandes partidos, e a solução ao segundo a uma redução profunda nas despesas sociais do Estado.
Num cenário deste tipo, não se vê como PS, BE e PCP possam ter alguma vantagem. Claro, nada disto pode vir a acontecer e o “caso Italiano” continuar a ser, pura e simplesmente, um conjunto de acontecimentos circunscritos ao período de 1992 e 1994. Mas e se assim não for?"

Bicicleta de André Freire emprestada a Goffredo Adinolfi (ga@goffredoadinolfi.net)
Estudante italiano de pós-doutoramento (sob supervisão de André Freire), a residir em Portugal, investigador sénior do CIES-ISCTE.

 


Publicado por Xa2 às 00:05 de 25.02.10 | link do post | comentar |

3 comentários:
De DD a 26 de Fevereiro de 2010 às 22:29
O Berlusconi é um "democrata", adora as quotas femininas. Agora fez entrar no seu partido e propôs para um alto cargo uma higienista oral que o tratou quando foi agredido em Milão. A senhora é muito bela por cima e por baixo, dizem, e chama-se Mineti.


De LB a 26 de Fevereiro de 2010 às 09:27

F. Penim Redondo disse...
Quem é responsável pelo facto de 90% dos italianos terem apoiado a alteração da lei eleitoral ?
Quem os levou a tal atitude ?

Em suma, a culpa é dos juizes que atacaram a classe política ou da classe política que fez os possíveis para merecer tal ataque ?

Com que argumento se pede ao povo para aceitar todos os desmandos ?
Será sério argumentar que os desmandos da esquerda são melhores do que os desmandos da direita ?

A impunidade dos dirigentes é a maior ameaça à confiança popular nas instituições.
Não será preferível prevenir e punir os desmandos, seja de quem for, enquanto resta alguma credibilidade, preservando assim a respeitabilidade das instituições democráticas ?


nuno castro disse...
Não nos preocupemos, porque está a chegar uma aliança democrátrica renovada, onde o populismo à Berlusconi vai conhecer um fôlego atlântico.


F. Penim Redondo disse...
Será que estamos condenados a a tolerar um Berlusconi de esquerda para evitar um Berlusconi de direita ?


D., H disse...
Dou a minha opinião (em abstracto) de cidadão que quer viver numa sociedade onde a democracia cresça sempre, mais e mais. Entendo que a democracia sem uma justiça tendente para a celeridade e a cegueira, não se cumpre. Só a partir deste pressuposto fará sentido falar-se em políticas, em modelos de sociedade, em esquerdas, direitas ou centros, em adversários políticos e por aí fora. Não se concordando com os adversários políticos e respectivas ideias, esses serão respeitados em primeiríssimo lugar, pelos seus princípios. Mesmo perdendo, e tendo que sujeitar-se a políticas que não se subscreve…Ou a ter entendimentos ou alianças, a haver intersecção de ideias.
É facto, no entanto, que esta terra não é um mosteiro de franciscanos. E ninguém pensará certamente que, da esquerda à direita, qualquer partido ou organização estará ao abrigo de ter nas suas fileiras alguém que não cumpra os tais “requisitos mínimos”. Isso acontece (tem acontecido de uma ponta a outra); o que espanta, nessas circunstâncias, é o silêncio ou a cumplicidade.

A democracia não se faz, nem com caimões, nem com papões!


Nuno Castro disse...
Fernando, a minha convicção é que os berlusconis de direita são SEMPRE piores que os de esquerda, ou suposta esquerda.



De DD a 25 de Fevereiro de 2010 às 00:45
O texto está muito bom e é notavelmente elucidativo.

Os berlusconianos consideram-se como vivendo já num regime pós-democrata.
Faltou acrescentar que quase tudo se deveu aos processos de magistrados com base em fantasias cinematográficos como a pertença do democrata-cristão Andreoti à Máfia.
Com isso, os magistrados italianos lograram colocar no poder um verdadeiro mafioso, o Berlusconi,
Os mesmo magistrados chegaram à conclusão jurídica ao fim de muitos anos de processo que Andreoti nunca pertenceu à Máfia e que esta nem existe. Por Máfia entendem-se várias formas regionalizadas de crime organizado para tráficos diversos e até para imposição sob chantagem de uma espécie de imposto a certas populações, o chamado "pizzo". As pessoas recebem uma carta com a quantia que devem depositar num dado local. Se não o fixzerem podem ver o carro ou a casa incendiados.
Os partidos democráticos continuam a não se entenderem verdadeiramente e Berlusconi domina completamente as televisões e elabora leis para branquear os muitos crimes fiscais e financeiros que praticou ao longo da vida.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO