Colocar o dedo na ferida dói, dói e muito

Escutas aos magistrados?

Como habitualmente se afirma o provérbio popular, revelador da, ancestral, sabedoria do povo que diz “não há fumo sem fogo” é revelador de que alguma coisa ardeu para justificar as afirmações da Procuradora-geral Adjunta, Cândida Almeida.

Aquela, experiente, magistrada do Ministério Publico, defendeu, publicamente, que, certamente (digo eu), tendo em consideração a recente evolução, negativa, de “destruição” do segredo de justiça, enquanto decorrem os inquéritos processuais, a, eventual, necessidade de fazer, também, escutas a certos magistrados detentores dos processos.

Uma sociedade que cai numa tal desgraça, em que já se reconheça a necessidade de fiscalizar os fiscais, em policiar os policias, é uma sociedade em convulsão, em processo de transe.

Para onde transitará ela? 

 

 

 



Publicado por Zurc às 17:25 de 24.02.10 | link do post | comentar |

2 comentários:
De DD a 25 de Fevereiro de 2010 às 00:19
Nos tempos da República, os militares achavam-se impunes e revoltavam-se para deitar abaixo governos e voltar a colocar governos, etc., acabando sempre por regressarem aos seus quartéis e continuarem a ser promovidos.
Hoje, os militares são disciplinados, são pouco numerosos e estamos na Nato e na UE e os recursos são demasiado escassos para que haja destruições em combates. Em compensação, surgiu uma nova classe de impunes que podem fazer o que querem sem serem responsabilizados e aproveitam para entrarem no combate políticos. São os magistrados que, quando querem, fazem um grande processo a partir de uma carta anónima, mesmo que depois reconhecida como sendo da autoria de um inimigo do PM , caso Freeport . Para atingir objectivos políticos ou pecuniários vão largando ou vendendo aquilo que muita gente chama segredo de justiça, obtidos através das escutas telefónicas. O PS sempre foi a favor desse tipo de intromissão do Estado de uma forma arbitrária nos contactos entre cidadãos. Por isso colhe agora as tempestades que semeou e o descuido em falar ao telemóvel com uma ampla liberdade de linguagem na convicção que estão num país livre. Não, enquanto existirem escutas, ninguém vive em Portugal num país livre e verdadeiramente democrático. Alguém pode escrever um papel anónimo e um magistrado pode decretar escutas em série de todo o tipo de pessoas, nomeadamente de um partido inteiro.
A escuta aos próprios magistrados seria o delírio completo. Quem escuta quem? Quem escuta o escutador?
Claro que as escutas morreram, ninguém vai falar mais ao telefone sobre algo sensível, principalmente se for traficante de drogas, proxeneta, ladrão associado a outros, contrabandista, corrupto, etc.

Alguns magistrados estão em rebelião


De marcadores a 24 de Fevereiro de 2010 às 17:49
"A Justiça funda-se na negação da vingança"
[José Gil, Filósofo]


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO