Terça-feira, 9 de Março de 2010

Todos com o olho no PEC

 
Ainda conhecemos muito pouco do PEC (Plano de Estabilidade Crescimento).

Apenas sabemos que os funcionários públicos já estão a pagar a factura por aquilo que os senhores da Alta Finança fizeram. Os senhores da Alta Finança de cá, caso do BPP, até já ameaçam o BP e o MF. Interessante. Não o deixaram falir como deveriam ter feito e, por isso, nada melhor, levam processo. Não está mal!! Não estamos na Islândia, o que é pena. Negar-se a pagar a fraude.

O PEC é, porém, outra coisa. è um pouco o futuro do país que começa a estar em causa. Oiço várias entidades a dizer que as medidas têm de ser muito duras.

Já percebi que alguns dos que dizem não são nada afectados por essas medidas. Até alguns estão de fora, do lado daqueles que andam na invenção de esquemas para pagar menos impostos.
As expectativas ficam com aqueles que já sabem mais uma vez quanto nos vai sair do bolso.

Mas gostava de encontrar certas respostas. Ainda hoje Carvalho da Silva, líder da Intersindical, levanta uma questão interessante e premente, na sua entrevista ao DN:
como é possível que as receitas fiscais tenham caído 5 vezes mais que o consumo, ou então, porque é que muitos portugueses continuam a não pagar impostos ou a pagar pouco?

Na realidade, só quem não se esquiva aos impostos, porque não pode, são mesmo os trabalhadores por conta de outrém. De resto, até se faz "gala", em ostentar, que se foge aos impostos.
E muitos destes são tão bons cidadãos que até se apelidam de "revolucionários"!!!. Só falta mesmo. A bem da Nação.

MARCADORES: ,

Publicado por Xa2 às 00:06 | link do post | comentar

23 comentários:
De Defender o PÚBLICO e sua Melhoria. a 11 de Março de 2010 às 13:58
Anónimo disse...

Não é mesmo!
Isto até me envergonha como membro do PS, embora não tenha nunca votado (digo-o publicamente!) na direcção actual e recem-passada do partido.
Uma medida dessas é de total insensibilidade para com necessidades que fazem o quotidiano da chamada "província", é de total insensibilidade para com a coesão territorial/nacional.

Se a desculpa "manhosa" é de alguma directiva europeia que "liberaliza" tais serviços, pois que se combata e se elimine nas instãncias europeias.
Cláudio Teixeira Almada, 11/3/10


Miguel Serras Pereira disse...
Caro Jorge Bateira,
estou na luta contra a privatização dos correios.
O Pedro Viana publicou no Vias de Facto um texto que vai no mesmo sentido e sugere formas de acção que me parecem, na generalidade, razoáveis.
Ver o seu "Basta!" em http://viasfacto.blogspot.com/2010/03/basta.html

Só um reparo sem prejuízo da unidade na acção e da discussão posterior ao ritmo desta:
os socialistas não defendem apenas a coesão social, isso também o Papa faz e qualquer corporativista da "democracia orgânica".

Os socialistas defendem a igualdade.

E outro ainda, dado que o ataque é a melhor defesa, e só se consegue o mínimo avançando na direcção do máximo:
sermos "contra a privatização" aqui significa que defendemos o serviço público e o seu desenvolvimento através do controle dos cidadãos, mais do que a simples propriedade do Estado.

Mas vamos falando pelo caminho.
Saudações republicanas


João disse...
Mais um crime dos politicos Portugueses.

A existência de um serviço publico de correios comporta consideraveis externalidades positivas que assim se vão perder.
E tudo com o objectivo de arrecadar uns poucos milhões que não vão resolver nada.

11 de Março de 2010


De Não foram eleitos para isto ! a 11 de Março de 2010 às 14:24
BASTA!

por Pedro Viana, em 11.3.2010, Vias de Facto

Em política há momentos chave, simbólicos, que se forem correctamente aproveitados podem originar mudanças profundas. Acho que o governo pode ter criado, inadvertidamente, um desses momentos.

Através da sua proposta de privatização dos CTT, que entre as que se encontram no PEC, é aquela cuja impopularidade mais tranversalmente atravessará a sociedade portuguesa. Esta proposta é simbólica porque coloca em evidência dois problemas fundamentais do sistema político português:

a existência de um partido que se diz de Esquerda, mas cujas acções há muito desmentem tal etiqueta, e que propõe agora destruir um dos pilares que assegura um mínimo de coesão social e territorial em Portugal;

o desprezo que os partidos, que têm apoiado os sucessivos governos que temos tido, demonstram perante os eleitores, propondo, sem qualquer pudôr, medidas com um profundo impacto social que não faziam parte do seu programa eleitoral.
Aproveitemos então este momento propício para agir. Para mobilizar transversalmente a sociedade portuguesa contra as políticas sócio-económicas deste governo, para incitar os militantes (ocorre-me, em particular, Manuel Alegre) e simpatizantes do PS a se pronunciarem contra esta direcção do PS,
para clamar por uma democracia mais participativa que assegure que a vontade dos cidadãos não possa ser ignorada. Culminando numa grande manifestação contra o governo, contra o PEC, contra a privatização dos CTT, que cerque o Parlamento no dia da votação do PEC, e que tenha como oradores os deputados do BE e PCP. Que deixem os seus lugares vazios na altura da votação do PEC, e juntem-se à multidão que grita:

BASTA, não foram eleitos para isso!


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS