11 comentários:
De Burlões ... e os que ficam à porta... a 12 de Março de 2010 às 14:22
A BURLA DO BPN ... Ler para crer!

A burla cometida no BPN não tem precedentes na história de Portugal !!!

O montante do desvio atribuído a Oliveira e Costa, Luís Caprichoso, Francisco Sanches e Vaz Mascarenhas é algo de tão elevado, que só a sua comparação com coisas palpáveis nos pode dar uma ideia da sua grandeza.
Com 9.710.539.940,09 € (NOVE MIL SETECENTOS E DEZ MILHÕES DE EUROS.....) poderíamos:
Comprar 48 aviões Airbus A380 (o maior avião comercial do mundo).
Comprar 16 plantéis de futebol iguais ao do Real Madrid.
Construir 7 TGV de Lisboa a Gaia.
Construir 5 pontes para travessia do Tejo.
Construir 3 aeroportos como o de Alcochete.
Para transportar os 9,7 MIL MILHÕES DE EUROS seriam necessárias 4850 carrinhas de transporte de valores!

Assim, talvez já se perceba melhor o que está em causa.

Distribuído pelos 10 milhões de portugueses,
caberia a cada um cerca de 971 € !!!

E que tamanho deveria ter a prisão para albergar esta gente?!

QUEM É O MAIOR RESPONSÁVEL, PELA PASSIVIDADE, PELO CONSENTIMENTO, PELA INCOMPETÊNCIA ???
(V.C. e companhia)
E ESTE ... VAI TER O SALÁRIO AUMENTADO
EM CERCA DE 4.000 € EM 2010.

AH POIS É !!! E DEPOIS CORTAM NA RAÇÃO DO POBRE


De deputices... a 12 de Março de 2010 às 14:35
E eu, funcionária pública, pergunto:
quando vou trabalhar, o meu chefe quer saber se eu moro junto ao serviço ou a 400km de distância, e se com isso tenho despesas acrescidas?

Então e aqueles professores que têm de fazer todos os dias centenas de quilómetros, porque o Ministério não quis saber se moravam perto ou longe da escola, e gastam o pouco que ganham na gasolina e nas portagens, e que andam claramente a ganhar para trabalhar, apenas para não perderem a vez na fila ilusória da manutenção do emprego?

E quando a maior parte das autarquias se recusam a pagar ajudas de custo aos desgraçados dos operários (que ganham uma fortuna!) que têm de realizar trabalhos longe do local oficial de trabalho (como os asfaltadores, cantoneiros, etc), já que não têm hipótese de almoçarem num local minimamente adequado, ou mesmo debaixo de telha?

Como é que esta representante deste povo, se justifica perante os que a elegeram?
Só lá está porque quer !!!!
(E quem a vê, acabada de chegar, e já parece dona do Parlamento! Tem a escola toda do mestre!).

Inês de Medeiros quer passear à minha custa

Inês de Medeiros, moradora na rua de Santa Catarina, em Lisboa, foi eleita deputada à Assembleia da República pelo círculo de Lisboa.
Agora, diz que mora em Paris e quer que eu (e tu, amigo leitor) lhe pague uma viagem semanal de ida e volta para Paris. (- já conseguiu: na AR fizeram uma interpretação 'especial' de legislação e concederam-lhe o pagamento das viagens !!)
Em Classe Executiva, claro está, que a classe económica não faz jus à sua categoria (se fosse ela a pagar, até em «low-cost» viajava; como sou eu a pagar, tem de ir em Executiva).
Diz que os filhos estão lá a viver. E que tenho eu com isso?

O PS, como seria de esperar, está a usar todas as artimanhas para ver se passa.
Equipará-la a deputada eleita pelo círculo da Europa foi a proposta do inefável José Lello.
E no final, claro que eu e tu, amigo leitor, e tu vou pagar as viagens a mais uma que anda a parasitar o Erário público.
Diz que é para ver os filhos que moram em Paris. E se morassem nas Seychelles, eu também tinha de pagar?
Ricardo Santos Pinto


De mérito ou Nepotismo ? a 12 de Março de 2010 às 14:00
AFINAL HOUVE Mérito nas NOMEAÇÕES:


O Sr Administrador da PT, Dr. Rui Pedro Soares, entre muitos outros predicados tem o extraordinário mérito de ser sobrinho de Mário Soares !!!!...

E viva o grande pai da democracia, que tais familiares de alto valor tem !!!
É mais seguro o sobrinho estar na Fundação ESTADO (paralelo), do que na Fundação Mário Soares, a quem o Estado DOA, anualmente, 5 milhões de €uros.
É que 5 milhões chega para UM, mas não chega para filhos, sobrinhos, netos, Amigo e camaradas…

PODE LEVAR TEMPO, MAS ACABA-SE POR SABER TODOS OS PODRES.


De Reino do NEPOTISMO directo e cruzado!! a 12 de Março de 2010 às 14:09
Será?

com filhos, sobrinhos, netos!! consortes !! amantes (aahhh!!) e afins ... dos CABOS das QUADRILHAs,
o POLVO estende-se e o MEXILHÃO é que as PAGA !!!!


De coincidências e méritos ?! raios os part a 12 de Março de 2010 às 14:40
Afinal ...

Bem me parecia !
Já cá andava, há uns dias, a magicar se tudo isto seria uma daquelas "puras coincidências", para as quais os nomes por vezes nos alertam ...

Realmente, há muitos Silvas neste País, "há muitas Marias na Terra", "chapéus há muitos", etc, etc...

Mas, agora, o mesmo indivíduo ser portador destes dois apelidos - Barroso + Soares - e estar aos 32 aninhos como super-vogal duma EP com um salario$$$$inho de 10.000,00 (dez mil, isso mesmo, não é da geração dos 500 euritos ..., é doutra geração certamente) + despesas de representação + etc e tal, SÓ PODIA SER UMA MISTURA DO PIOR QUE AQUELES NOMES NOS DERAM À POLÍTICA PORTUGUESA ...

Afinal, e mais uma vez, não foi coincidência...
Foi a conjuntura...

Povo ! Acorda ! Manda as ratazanas borda fora !!!


De incompatibilidades de deputados-advogado a 11 de Março de 2010 às 09:58
Em nome de quem?

A edição desta semana do Programa Parlamento, transmitido ontem pela RTP2, juntou deputados do PS, PSD, PP e Bloco para discutirem o combate à corrupção, um tema rapidamente aproveitado por Nuno Melo (PP) e Helena Terra (PS) para efectuarem um comício contra o bastonário da Ordem dos Advogados. É justo que estes dois partidos não se revejam nas declarações de Marinho Pinto. Questão diferente, e totalmente inaceitável do ponto de vista da representação política, é que enviem deputados a um programa para falarem enquanto advogados. Com várias matizes, o argumento central foi sempre o mesmo: "Eu, como advogado, não me revejo no actual bastonário da Ordem". Só que ninguém os convidou como advogados, mas como deputados. Como o próprio nome indica, quem participa no programa Parlamento representa um grupo parlamentar, não é suposto estar lá em nome dos seus interesses particulares. O que se passou ontem contribui para o descrédito do Parlamento e torna pertinentes todas as dúvidas sobre a representatividade dos deputados. Respondem perante os eleitores ou perante os escritórios onde exercem?

Depois do episódio sucedido com Jorge Neto, advogado que participou activamente na OPA sobre a PT, e que aproveitou uma audição parlamentar ao presidente da CMVM para levantar várias questões sobre a OPA entretanto falhada, várias vozes se levantaram exigindo um regime de incompatibilidades mais rígido. Totalmente de acordo, mas antes de aí chegar talvez fosse mellhor começar pelo mais simples: resolver a confusão que vai na cabeça de alguns deputados, que parecem não entender onde acaba a sua profissão e começa o seu cargo político. É nessa sobreposição de interesses, muitas vezes conflituantes, que começa toda a promiscuidade entre os negócios e a política.

Posted by Pedro Sales às 12:02 ,em 10.2.2008, http://zerodeconduta.blogspot.com/

Nuno disse...

O regime de incompatibilidades, que deveria entre outros proibir o exercicio de advovacia enquanto se é deputado, as declarações do BA sobre a corrupção e tráfico de influências poem muita gente à beira de um ataque de nervos! Este "lento não funcionamento" da justiça dá muito a ganhar aos advogados(deputados) e aos menos escrupulosos (veja-se Guilherme Silva deputado da república e advogado de AJ Jardim!)

Como é possivel nada acontecer ao P Portas dps de ter digitalizado docs do min da defesa de interesse nacional? E ao Telmo Correia q foi esclarecido telefonicamente por Abel Pinheiro q um "tomei conhecimento" era suficiente para lesar os contribuintes e beneficiar a Estoril Sol? Claro que não se reveêm nas posições do BA! Q podridão que para qui vai! Q nojo!
Claro q dps o povo mete todos os políticos no mm saco!

11 de Fevereiro de 2008


De Zé das Esquinas o Lisboeta a 11 de Março de 2010 às 11:03
Os políticos não são todos 'iguais', lá isso é verdade.
Mas lá que estão todos no mesmo saco, lá isso estão.


De Zé T. a 11 de Março de 2010 às 08:57
E a queda de viaduto em construção sobre a A4 mata mais um inocente.
- Onde está/estava o engenheiro que devia controlar a obra? e os capatazes devidamente formados ?
- e o cumprimento das regras de segurança, por parte da empresa (administração, concessão, planeamento, subempreiteiros, chefiias de equipas, ...)?
- e os seguros existem e vaão assumir o rápido e simplificado pagamento aos acidentados ?
- e quanto a indemnização material à família da vítima?
- e quem 'embolsou' o diferencial entre o realizado sem segurança e o 'bonitinho' projecto/orçamento apresentado e que ganhou a obra (em concurso ''público e limpo'' ?
- ...

Aposto que o processo se vai arrastar, não se vão encontrar culpados ( a não ser ''o tempo'', ''o azar'', a natureza'', ... ou o próprio acidentado por erro humano na condução e por confiar demasiado numa auto-estrada para a qual paga portagem e impostos).!!


De Zé das Esquinas o Lisboeta a 11 de Março de 2010 às 09:47
Qual é a moral que tem o PR de ir a Andorra pedir rapidez à indemnização às vítimas do acidente quando da construção dum viaduto e que ocorreu, salvo erro, à 14 meses? 14 meses e o PR pede celeridade? Em que país é que vive este nosso PR ?
Somos muito bons a falar da casa dos outros. Pena é que não tenhamos olhos para a nossa própria casa.


De Zé das Esquinas o Lisboeta a 10 de Março de 2010 às 17:40
Eu sempre acreditei que a humidade era uma coisa boa.
É sempre bom estar húmida em algumas ocasiões.
Deve ser por isso que há quem diga que "a humidade faz a força".


De Não sejam envejosos, hen! a 10 de Março de 2010 às 15:08
Não me digam que queriam responsabilizar o construtor?
O coitado, do dono da empresa, iria ter menos lucros para enviar para uma qualquer offshor !
Se os pobres aumentam porque não hão-de aumentar os lucros de certos empresários sem escrúpulos ? Acresce que , eventualmente, o dito até contribuíu para uma qualquer campanha eleitoral.


Comentar post