Sexta-feira, 19 de Março de 2010

Entre nós e a Grécia as diferenças não são assim tão grandes.

É com demasiada frequência que ouvimos e lemos discursos de índole anti-partidária que, no fundo apenas servem para aprofundar, ainda mais, as contradições teleológicas da vivencia em sociedade.

Há um grave equívoco, absolutamente, necessário de ser desfeito e discursos a serem desmistificados, tendo como finalidade o rigor das coisas a serem, minimamente, recolocadas no seu lugar.

Os partidos políticos, enquanto formas organizadas, para que os cidadãos possam exercer a sua cidadania e como modo de expressão democrática de ascensão ao poder governativo são, absolutamente, necessários, nos actuais regimes políticos.

Outra coisa, bastante e bem diferente, e que com frequência se confunde com os partidos, é o uso que abusivamente é feito deles em proveito próprio por parte de alguns (em demasiado número, diga-se) nepotistas que os controlam, enxovalhando-os com suas atitudes e comportamentos.

Não menos grave é o facto da esmagadora maioria dos inscritos (militantes?) admitirem, de forma mais ou menos passiva, tais enxovalhos.

O Primeiro-ministro grego, acabado de chegar ao poder, o socialista George Papandreu, referiu que o mal maior do seu país é a corrupção.

Papandreu, disse ainda sem rodeios que “o serviço público tem no meu país o papel de um serviço de emprego. Isto produz nepotismo.”

Também no meu país assim é, acrescento aqui e agora ”as empresas públicas são usadas como tráfico de influências para pagamento de favores político-partidários.

Afinal, ainda que muita gente o não queira admitir, há bastantes situações parecidas entre nós e a Grécia. Povos idênticos com vícios iguais. Até quando?



Publicado por Zé Pessoa às 00:07 | link do post | comentar

2 comentários:
De Grego critica UE e abutres... a 19 de Março de 2010 às 09:43
A pistola carregada sobre a mesa...
[Publicado por AG, em Causa Nossa, 19.03.2010]

Hoje comecei o dia a ouvir o Primeiro Ministro George Papandreou no PE. Gosto do homem, embora sempre me tenha intrigado a calma olimpica do camarada. Hoje gostei dela e assim ainda gostei mais do homem e do camarada.
Que explicou com grande simplicidade que era a falta de Europa que estava a enterrar a Grécia - e no fundo a mandar a Europa pelo cano de esgoto abaixo...

Porque se a Grécia tiver de recorrer ao FMI, não é só a Zona Euro que se esboroa. E o FMI está a oferecer crédito à Grécia a 2%, muito convidativo face aos 7% do mercado dos abutres que inflaccionam os CDSs e, num ápice, premindo um botão num computador algures no mundo, podem anular os esforços dramaticos de contenção que os gregos já estão convencidos que têm de fazer nos proximos anos.

George Papandreou explicou placidamente, olimpicamente, como a Grécia estava a pagar as favas por estar no EURO:
tinha os constrangimentos (não poder desvalorizar a moeda, como a Hungria há dias), sem ter qualquer ajuda quando mais dela precisa.
Esclareceu não estar a pedir dinheiro à UE, aos parceiros do EUROGRUPO.
Bastava-lhe a garantia, para não ter que ir pedir emprestimos aos preços indecorosos dos mercados, nem sucumbir ao FMI. No fundo, bastava-lhe ter a pistola europeia carregada sobre a mesa ... para dissuadir os abutres de imporem juros absurdos ao seu país.

Ah, o camarada George também explicou calmamente que tudo começara quando os grandes - a França e a Alemanha - se marimbaram para o PEC, porque haviam sido incapazes de cumprir os seus critérios.
E de como aí avisara o Mister Barroso que era melhor não falar em "flexibilidade" quanto ao cumprimento dos critérios de Maastricht (pró PEC dos grandes, claro....):
isso daria pano para mangas para todos os abusos. O Mister marimbou-se e foi o que se vê...

E no seu país (Grécia), o governo de direita no poder, apanhara-lhe o gosto, ao descontrolo.
Não, não eram apenas os serviços públicos grotescamente inflaccionados (de 5 níveis de governação agora cortavam para 3 - central, regional e municipal).
Pior era a corrupção desenfreada que florescera no mesmo passo e que gravemente comia os recursos do Estado e desiquilibrava as contas públicas.
Enfim, um diagnóstico que dá que pensar.
Porque não é preciso inflaccionar o funcionalismo público para que alastre a corrupção que esbulha o Estado - Portugal prova-o.

George, não queres dar um pulinho a Lisboa, para dar umas dicas olimpicas aos lusos camaradas, a ver se reformam pela esquerda o PEC local,
começam finalmente a dar combate à corrupção e se se afoitam a dar umas murraças secas em Bruxelas, impactantes qb em Berlim and else, para ver se evitamos ter de vir a recorrer à tua pistola carregada?


De inside trading' económico-partidário-jud a 19 de Março de 2010 às 09:54
Judite investiga Judite
[Publicado por AG]

Oiço na TV.
Pois investigue, investigue! E já agora, apresente resultados e leve rapidamente quem tiver de ser à barra do tribunal, à vista de todos os portugueses.

É que eu, já desde a Casa Pia que pergunto porque não se desenterrou o caso da mala ministerial entregue nos idos de 80 ao ascendente secretário de estado....
E porque não se investigaram extorsões protectoras à conta do "inside trading", florescentes vinte anos depois.
E em que sinecura se safará hoje aquele mediocre adelino alcandorado a director da Judite pelo governo do ascendido secretario de estado, para salvar não sei quem (mas suspeito)
e, na mesma cajadada, enterrar o Ferro - o parolo do salvado que na grosseira manobra acabou afundando o que restava da credibilidade da Judite?


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS