De Honra a Alexandre Herculano a 31 de Março de 2010 às 17:00
Como foram as celebrações do primeiro centenário

A respeitabilidade do historiador após a sua morte fez que a comemoração dos cem anos do nascimento fosse digna.

A comemoração do centenário do nascimento de Alexandre Herculano foi impressionante.
No Diário de Notícias, tomou toda a primeira página desse dia [num formato que é o dobro do actual] e a terceira.
Na página interior, estavam impressos poemas de louvor a Herculano, fotografias de descendentes e da residência onde se exilara em Vale de Lobo. Até a espingarda de caça teve direito a figurar na reportagem.
No dia 29, as comemorações ocuparam ainda metade da primeira página do jornal e a editora que publicava os livros e estudos de Herculano anunciava numa coluna de alto a baixo todos os títulos à disposição. Nos dias seguintes, manteve- -se um noticiário constante.

Vinte e três anos após a morte do historiador, a sua presença ainda era muito marcante e a comissão executiva responsável pelo programa das comemorações fez realizar uma série de eventos a nível nacional.
No dia do centenário, os membros dessa comissão (na foto) visitaram o túmulo de Herculano nos Jerónimos e fizeram-se fotografar para a posteridade.
O rei presidiu e o príncipe D. Afonso assistiu à grandiosa homenagem na Academia Real das Ciências, festejou-se na Câmara de Lisboa e foi inaugurada uma exposição bibliográfica, para além de muitas outras iniciativas.

Sete anos antes de morrer, Alexandre Herculano escrevera ao historiador Oliveira Martins e fez uma análise dos tempos:
"V. S.ª reconhece que este país encerra um povo exhausto de seiva moral. Não perdeu a liberdade:
vinha perdido do papado, e acabam de o perder certas influencias francescas de diversas especies, que não sei se são democraticas […]
Houve tempos em que eu pensava nestas coisas: hoje só penso e devo pensar em questões de trigo vinho e azeite.
Os rapazes que cuidem da patria. O melhor serviço que nós os velhos liberaes podemos prestar a esta é sumirmo-nos por esses cantos para morrer.
Se fizemos, pouco e mal, as gerações novas que façam mais e melhor."


De Autoridade Moral e Intelectual a 31 de Março de 2010 às 17:05
"Se fosse apresentador de TV Herculano seria muito lido"
por JOÃO CÉU E SILVA

Para Rui Ramos, o esquecimento do historiador mostra o fracasso do sistema educativo.

Há 200 anos, Alexandre Herculano nascia em Lisboa no Pátio do Gil.
133 anos após a sua morte, não há memória dessa particularidade da sua biografia no referido pátio e o que se encontra ao visitar-se o local é um tapume que cobre a visão de destruição dessa Lisboa antiga.
A poucos metros do taipal amarelado fica a casa onde vivia a fadista Amália, mas, apesar da proximidade, ninguém ali sabe onde é o tal Pátio do Gil. Na taberna ao lado do pátio desaparecido a resposta revela o mesmo desconhecimento do ex-vizinho ali nascido.

Alexandre Herculano já não mora ali, nem "existiu" naquele sítio para esta geração de lisboetas que dele conhecem melhor as avenidas com o seu nome e, talvez, o facto de ter morrido distante, só e longe do poder que o venerava, na ribatejana Quinta de Vale de Lobo.

Esse ignorar da dimensão nacional da personalidade do historiador também se verifica com as autoridades da cultura oficial, situação remediada à última hora com o anúncio da realização avulsa de cerimónias para assinalar a data do bicentenário do nascimento de Alexandre Herculano.

Mas nem sempre foi assim, e à data do 1.º centenário as comemorações foram grandes e faustosas. À medida daquele português, que, segundo o historiador Rui Ramos, teve a data do seu nascimento assinalada como "um dos grandes acontecimentos do ano de 1910".
Nada que Alexandre Herculano estranhasse, pois, como escreve numa das suas Lendas e Narrativas, a memória é bastante dolorosa:
"Boa cousa é a história quando nos recordamos do nosso passado, e não achamos lá para colher um único espinho."

Para Rui Ramos, existem várias questões a colocar perante o apagamento de Alexandre Herculano. Considera que não é só ele que está esquecido, mas toda a sua obra publicada, que tem a maioria dos títulos praticamente esgotados e não se prevêem reimpressões. Excepção é a recente reedição, sob o formato de bolso, dos volumes I e II das Lendas e Narrativas pela LeYa esta semana.

O historiador considera que o modo como Portugal está a tratar Herculano difere do que aconteceria "num país civilizado, onde seria lembrado".
Quanto mais não seja porque "a nossa incultura e pobreza cultural exige que se aproveite o que de melhor temos". Como exemplo deste esbanjar, Rui Ramos dá o exemplo de nunca se ter feito uma edição completa dos Opúsculos de Alexandre Herculano.
E, num alerta, assume que esta situação decorre do "fracasso do nosso sistema de ensino", que "não prepara as pessoas para determinado tipo de leituras. Se fosse um apresentador de televisão, Alexandre Herculano seria muito lido".

Na data em que se comemoram os 200 anos do nascimento de Herculano, o autor e coordenador da mais recente História de Portugal faz questão de apontar três factores sobre aquele que considera ser o "pai da História em Portugal".

O primeiro é que é com Herculano que "começa a História moderna no nosso país e que o conhecimento do passado é realizado sob um ângulo científico". Realça o facto de ser pioneiro neste âmbito e de a sua obra "ter tido uma vida muito longa e ter causado uma boa impressão na Europa de então pelo valor científico".

Em seguida, Rui Ramos realça Herculano como um "grande construtor de cultura pública" por ter sido mais que um escritor e uma personalidade com grande intervenção no espaço público "com o objectivo de construir uma nova cultura para o país".
Por essa razão, acrescenta, Herculano trabalhou várias áreas - romance, poesia, história -, dirige a revista Panorama e torna-se directamente "responsável pela nossa cultura actual".

Por último, Rui Ramos refere a dimensão de Herculano enquanto ainda vivo:
"Teve uma influência sem paralelo em Portugal devido à sua autoridade moral e intelectual.

Ninguém teve poder público como ele, nem uma glorificação em vida como lhe sucedeu." Para o historiador, Alexandre Herculano "recebeu em vida a glória que Camões e Fernando Pessoa só tiveram após a morte".

In www.sapo.pt 28/3/10


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres