Segunda-feira, 12 de Abril de 2010

O emprego de licenciados

Entrevista (de Elísio Estanque) ao jornal Público, 9-03-2010, por Andreia Marques Pereira

 

1 – Qual o valor actual de um diploma universitário?

Elísio Estanque - Claro que, hoje em dia, um diploma universitário de "licenciatura" não tem naturalmente o mesmo valor que possuiu no passado. Os títulos (sejam quais forem) valem tanto mais quanto sejam escassos e restritivos.

Hoje, com a expansão do ensino superior houve uma certa "vulgarização" desse grau e do correspondente – e tão invocado em Portugal – titulo de "Dr". Por outro lado, estamos actualmente em processo de rápido crescimento dos diplomas de pós-graduação (Mestrado e Doutoramento).

Se no caso das licenciaturas se pode até falar em "massificação", no caso destes últimos trata-se de um deslocamento ou subida para um patamar superior da credencial académica que hoje pode fazer a diferença. Em suma, se os diplomas universitários já não garantem, por si sós, um estatuto (e mesmo um emprego) de elevado prestígio, o certo é que eles continuam a fazer a diferença. São sobretudo importantes para quem não os possui. E quem tem algum, precisa de fazer cada vez mais "upgrades" para que o mesmo possa abrir portas e responder às expectativas criadas.

 

2 – Portugal é dos países com menos licenciados na EU e cada vez mais se ouve falar da necessidade de formar mais. No entanto, o desemprego entre estes tem aumentado. Como se explica essa situação?

EE - Explica-se pelo facto de termos uma economia pouco inovadora e pouco competitiva em termos de inovação tecnológica. Até recentemente a nossa escassa competitividade fundava-se nos baixos custos salariais. Nos últimos 20 anos a concorrência dos mercados globais (e o crescimento das economias asiáticas) tornaram esse modelo obsoleto.

Entretanto o mercado de trabalho tem vindo a reestruturar-se. Mas, embora haja sectores emergentes que já incorporam tecnologias de ponta e força de trabalho altamente qualificada, isso ainda não concorre em volume suficiente para absorver uma quantidade crescente de jovens que saem das universidades e politécnicos. Porque entretanto -- e muito por necessidade de mostrar bons indicadores aos nossos parceiros europeus -- a aposta no crescimento do ensino superior tem tido resultados muito mais rápidos do que a renovação do tecido empresarial. Nos últimos anos, a estagnação da economia e a intensificação da crise agravaram ainda mais os problemas que tais processos foram gerando, entre eles o ritmo de crescimento do desemprego (e dos empregos precários e mal pagos) entre as camadas jovens e mais qualificadas.

O desemprego de licenciados é resultado de tudo disso.

 

3 – Nesse contexto, o que podem esperar os recém-licenciados?

EE - Ou organizam-se e protestam, ou enveredam por caminhos arriscados (como a droga) ou emigram em busca de melhores oportunidades no estrangeiro. Talvez esteja a acontecer um pouco dessas três coisas.

 

4 – A expressão usada por responsáveis ingleses, “geração perdida”, é ajustada ao contexto português actual?

EE - Sim muitos analistas e activistas vêm usando essa expressão para definir as perplexidades com que hoje a juventude se confronta no plano do emprego. Se a juventude significa (ou significava) a geração do futuro, a justificar os fortes investimentos nas politicas de juventude e de educação, na actualidade a generalidade dos jovens não vê à sua frente grandes perspectivas que conseguirem um emprego qualificado e minimamente seguro e estável.

Esse horizonte parece ter colapsado: o que tem efeitos marcantes na vida dos jovens e suas famílias (no plano económico), mas também no campo das subjectividades, conduzindo a bloqueios, sentimentos de grande frustração, e crescente revolta. E essa revolta, começa por ser interior (do foro psicológico), mas pode rapidamente ser revertida em explosão e conflitualidade social, como acontece recorrentemente por esse mundo. O caso recente da Grécia aí está para sinalizar o que pode ocorrer em Portugal.

 

5 – O ensino superior – os cursos, as universidades e institutos – está ajustado ao mercado de trabalho? E as universidades poderiam fazer mais para garantir a empregabilidade dos seus alunos?

EE - As universidades poderiam ter feito mais para se renovarem a adaptarem às tendências não só do mercado de trabalho mas da sociedade em geral. A força crescente do mercado, incluindo as pressões internacionais, e também as pressões dos alunos e suas famílias, obrigou as universidades a orientarem-se mais numa lógica profissionalizante. Hoje os programas de pós-graduação (Mestrados) incluem, regra geral, uma via que prevê a realização de estágios profissionais, que pode constituir uma possível saída profissional. Mas as universidades não podem nem devem perder o seu tradicional sentido de missão nos planos científico e de prestação de serviços á sociedade. A componente científica é fundamental para o desenvolvimento social e económico das sociedades.

 

6 – É possível falar-se em universidades “de elite” em Portugal?

EE - Os rankings internacionais fazem por vezes referência a uma ou outra instituição portuguesa. Na escala nacional, as universidades públicas (e também a Católica, por exemplo) são ainda relativamente elitistas, no sentido em que não são facilmente acessíveis a todos os jovens. Mas na escala internacional ou global, as universidades portuguesas têm poucas condições de competir com as escolas verdadeiramente "de elite".

 

7 – Um fenómeno cada vez mais recorrente entre recém-licenciados sem emprego é o de voltar à escola – investir em mestrados, doutoramentos. Essa é uma boa opção? E o facto de as licenciaturas terem só três anos, que papel tem no mercado de trabalho?

EE - (Ver atrás, pergunta 1). A tendência é de facto para que a formação pós-graduada seja cada vez mais importante. Pode fazer a diferença.

E em certos segmentos profissionais o prestígio da Universidade onde o diploma foi obtido, também é importante. As licenciaturas só com 3 anos têm, obviamente, menos condições para fornecerem uma formação avançada e aprofundada. Tornaram-se mais generalistas, o que condiz com a actual designação de "1º ciclo" do ensino superior. Além disso, o modelo de Bolonha prometeu muito, no que toca a uma mais estreita e flexível ligação á sociedade e ao mercado de trabalho, mas não há sinais de que a realidade traduza essa conexão.

E isto, a meu ver, porque houve uma "agenda escondida" em todo esse processo, isto é: a questão do financiamento público das universidades, com a poupança que o Estado pode obter, obrigando as instituições usar as propinas (dos 3 ciclos) para responder às suas necessidades de gestão corrente e não tanto para reforçar a qualidade dos serviços. Por isso temos hoje professores e investigadores a ocuparem larga parte do seu tempo em trabalho administrativo e burocrático por falta de verba para contratação de funcionários qualificados. Nós produzimo-los, mas depois não os temos nem para o próprio funcionamento da Universidade.

 

8 – Na situação actual é necessário tomarem-se “precauções” extra na escolha de um curso? Por exemplo, justifica-se secundarizar a chamada “vocação” em benefício dos cursos supostamente com mais empregabilidade?

EE - Não. O acesso ao emprego está difícil em todas as áreas. Por isso, como eu costumo dizer aos meus estudantes, não compensam os investimentos "calculistas" dessa natureza. Se alguém tem de facto capacidades, deve potenciá-las. E isso faz-se apostando nos cursos e áreas de que se gosta. Se um jovem estiver motivado para um curso de "Artes", por exemplo, não adianta optar por um curso de "Gestão de empresas" ou de "Engenharia", nos quais não se sente realizado. Claro que as "vocações" não são congénitas, antes vão sendo moldadas ao longo do percurso escolar. No entanto, acho que vale a pena recorrer aos psicólogos escolares sempre que o jovem (ou a família) não sabe por que curso deve optar.

- por Elísio Estanque em  http://boasociedade.blogspot.com/ 2010.3.13



Publicado por Xa2 às 08:03 | link do post | comentar

2 comentários:
De marcadores a 13 de Abril de 2010 às 10:19
Quando maiores são as expectativa, maior é a desilusão.
Para que interessa ter metade de um País de licenciados, desempregados?
Que interessa ter a outra metade de um País de licenciados, a trabalhar fora da sua formação académica? E quase sempre em ocupação não qualificada.
De que valem estas políticas de massificação de qualificações académicas se depois não existem saídas profissionais?
Que País é este que tão mal trata as novas gerações?


De Zé da Burra o Alentejano a 14 de Junho de 2010 às 11:57
O que vai acontecer aos actuais BACHARÉIS? ainda não morreram todos e com o aumento da idade das reformas ainda têm muitos anos pela frente. Todos eles têm três anos de ensino superior e são fundamentalmente os engenheiros técnicos, habilitação obtida antigamente em Portugal nos institutos superiores de engenharia que eram estabelecimentos de ensino superior públicos.


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS