A privatização da República ?

A experiência internacional vem mostrando que o controlo público de sectores estratégicos da economia é mais eficiente e eficaz

As contas estão feitas:

as empresas que o governo quer privatizar geraram, no ano passado, resultados líquidos positivos de 350 milhões de euros, o que representa mais do dobro do montante que o governo quer poupar no PEC com o pagamento de juros da dívida pública. Os seis mil milhões de receitas previstas, quando nem um cêntimo estava inscrito no programa eleitoral do PS, contribuirão para uma redução insignificante, de pouco mais de 2%, do peso da dívida pública no PIB.

 

Será que isto justifica a destruição talvez irreversível de qualquer possibilidade de um Estado estratego capaz de garantir o interesse público em sectores sensíveis da economia, tal como Manuel Alegre bem denunciou, ou a violação do contrato eleitoral com os cidadãos, a base de uma democracia sã? Não creio.

 

Sabe-se que a redução sustentável da dívida só pode vir de um novo modelo de crescimento que prescinda de receitas neoliberais fracassadas.

A experiência internacional vem mostrando que o controlo público de sectores estratégicos da economia, nomeadamente no campo das infra-estruturas e dos serviços de rede - da rede eléctrica aos serviços postais -, indispensáveis para a coesão social e territorial de uma comunidade política digna desse nome, é mais eficiente e eficaz do que a mera e sempre ligeira regulação de actores privados.

 

Estes últimos estão mais interessados na captura de rendas, nem que para isso seja preciso sacrificar o interesse público, enganando reguladores e tendo muitos ex-ministros nas suas folhas de pagamentos.

 

O resto é conhecido de quem estudou o funcionamento da grande empresa no regime neoliberal que erodiu os contrapoderes públicos e sindicais: uma perversa cultura de salários milionários e de bónus atribuídos por gestores de empresas monopolistas ou oligopolistas a si mesmos, perante a habitual cumplicidade dos accionistas.

 

Uma cultura de enriquecimento que corrói a ética de serviço público, indispensável quando está em causa uma parte da base material da república.

É por isso que o apoio de Cavaco Silva às opções ruinosas deste PEC não pode ser esquecido.

Afinal de contas, estamos no estádio mais predador de um ciclo de privatizações iniciado precisamente pela economia política do cavaquismo.

Este gerou um conjunto de grupos económicos viciados na captura de sectores onde a concorrência não é possível ou desejável, viciados na expropriação financeira de cidadãos e de empresas.

Ao criticar a pertinência destas privatizações, no que é acompanhado por amplos sectores, da esquerda até a alguma direita, Manuel Alegre revelou uma percepção aguda do lugar dos bens comuns que também cabe a um Presidente preservar.

-por João Rodrigues, i on line, em 05 de Abril de 2010



Publicado por Xa2 às 00:07 de 15.04.10 | link do post | comentar |

3 comentários:
De [FV] a 15 de Abril de 2010 às 11:29
Independentemente de quem vai o PS vai ou não vai apoiar nas próximas presindenciais, espero desta vez, não 'ver' na barra lateral deste blogue, 'botões' a dizer que este blogue apoia Manuel Alegre.
Porque, independentemente dos mentores que levaram criação deste blogue, este passou a ser de um colectivo a que eu por convite aceitei pertencer, e onde desde já afirmo não apoiar este candidato.


De Xa2 a 15 de Abril de 2010 às 16:57
Caro FV,
O outro blog era outro...
De qualquer modo, a regra é a liberdade e responsabilidade individual, sendo que as decisões globais (técnicas e especialmente as 'adesões' ''ideológico-partidárias'') deverão ter o consenso dos bloggers participantes - sem tal consenso, cada postante apoia ou não apoia quem , como, quando, se ... do modo que melhor entender, mas na sua ''zona de expressão'', nos 'posts' que publica.
Cumprimentos


De [FV] a 15 de Abril de 2010 às 19:01
Plenamente de acordo!


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO