De Gastos com gestores sobem ... a 21 de Abril de 2010 às 11:09
Gastos com gestores da CP sobem mais de 50%

Os gastos com o pagamento de ordenados dos orgãos sociais da EMEF - Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário, detida pela CP, subiram 54% no ano passado. A denúncia parte da comissão de trabalhadores da empresa.
Com base no Relatório e Contas, em 2007 a empresa gastou 242 mil euros em remunerações, valor a que se somaram mais 130 mil euros no ano passado.
Armando Almeida, coordenador da comissão de trabalhadores, mostra-se surpreendido. E afirma que, com o aumento dos ordenados dos gestores, o buraco financeiro da EMEF duplicou dos 2,6 para os 5, 9 milhões de euros em 2008.
Para além do parecer negativo ao balanço social da EMEF, a comissão de trabalhadores vai ainda pedir a intervenção do Governo.
Rádio Clube Português

Publicado por: Xa2 às 00:01 de 30.04.09 em http://PSLumiar.blogs.sapo.pt


De ... a 21 de Abril de 2010 às 11:14
---De Izanagi a 30 de Abril de 2009 às 00:46
Portugal, que futuro?


---De Militante a 30 de Abril de 2009 às 12:19
Há qualquer coisa estranha no Relatório e Contas de 2008 da CP na medida em que na página 3 do referido documento constam como Órgãos Sociais o seguinte:

Mesa da Assembleia Geral
Presidente Instituto de Turismo de Portugal – ITP, representado por Nuno Moreira de Almeida Queiroz de Barros
Vice-Presidente NERCAB – Associação Empresarial da Região de Castelo Branco, A.E., representada por João Fernandes Antunes
Secretário Santander Totta, representado por José António Silva Barata

Conselho de Administração
Presidente José Fernando Ramos de Figueiredo
Vogais Luís Filipe Soares dos Santos
João Artur Ferreira da Costa Rosa
Renato Fernando Ribeiro da Silva
Anabela Pereira Dolores Frazão
Isabel Maria Lopes Vieira Neto
Vitor Manuel de Oliveira Ferreira
Carlos Gustavo Vieira Farrajota Cavaco
Rui Pedro Lopes Brogueira
Pedro Nuno de Matos Guimarães Neto
Octávio José da Conceição Cordeiro

Comissão Executiva
Presidente José Fernando Ramos de Figueiredo
Membros Renato Fernando Ribeiro da Silva
João Artur Ferreira da Costa Rosa
Anabela Pereira Dolores Frazão
Rui Pedro Lopes Brogueira

Fiscal Único
Efectivo Santos Carvalho & Associados, SROC, S.A., representada por Augusto dos
Santos Carvalho
Suplente Armando Luís Vieira de Magalhães

Apesar de tantos nomes não é aqui referenciada a existência de Conselho Fiscal.
Já na pagina 52 do relatório, que pode ser consultado na net, podemos constatar que na NOTA 35 - Remunerações atribuídas aos membros dos órgãos sociais, a existência de remunerações ao Conselho Fiscal. Qual será o lapso?
O aumento significativo verifica-se em dois dos órgãos, Conselho de Administração e Comissão Executiva.
Remunerações dos Órgão Sociais
2008 2007
Conselho de Administração32.056,00 14.324,00
Conselho Fiscal 9.674,06 8.191,72
Assembleia Geral 1.200,00 300,00
Comissão Executiva 52.452,00 36.700,00
Total 95.382,06 59.515,72

Estas contas só podem estar desajustadas. Quem for consultar as contas do relatório de 2007 verificará que a composição dos órgãos é diferentes e os valores também são diferentes.

Não será por acaso que, entretanto, o Conselho de Ministros aprovou proposta de novos estatutos para a CP- Comboios de Portugal, EPE a serem levados à Assembleia da Republica para passarem a diploma legal.

Muitas “noticias” não são mais que demagogia barata em tempo eleitor

---De outro militante a 30 de Abril de 2009 às 15:15
Boa observação.
Realmente os cidadãos têm de começar a interessar-se (e analisar criticamente e divulgar) por este tipo de documentos/ relatórios doas entidades públicas ou empresas participadas com capitais públicos.
E aqui cabe um papel importante aos próprios trabalhadores e suas comissões de trabalhadores e sindicatos.



De ... a 21 de Abril de 2010 às 11:16
---De anónimo a 30 de Abril de 2009 às 12:33

PARA QUE A PLEBE SAIBA:
(ex-governantes, mas há muitos outros …)

Fernando Nogueira:
Antes -Ministro da Presidência, Justiça e Defesa
Agora - Presidente do BCP Angola

José de Oliveira e Costa:
Antes -Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais
Agora -Presidente do Banco Português de Negócios (BPN)

Dias Loureiro:
Antes – advogado
Durante – Secretário de Estado, Ministro …
Depois – Administrador do BPN

Rui Machete:
Antes - Ministro dos Assuntos Sociais
Agora - Presidente do Conselho Superior do BPN; Presidente do Conselho Executivo da FLAD

Armando Vara:
Antes - Ministro adjunto do Primeiro Ministro ;
Agora - Vice-Presidente do BPN (ex- Administrador da CGD)

Carlos Coelho:
Antes – sec. Governo de Macau
Durante – Ministro PS …
Depois – Administrador da Mota-Engil (contrutora, Liscont, …)

Paulo Teixeira Pinto:
Antes - Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros
Agora - Presidente do BCP (Ex. - Depois de 3 anos de 'trabalho',
Saiu com 10 milhões de indemnização!!! e mais 35.000€ x 15 meses por ano até morrer...)

António Vitorino:
Antes -Ministro da Presidência e da Defesa
Agora -Vice-Presidente da PT Internacional; Presidente da Assembleia Geral do Santander Totta - (e ainda umas 'patacas' como comentador RTP)

Celeste Cardona:
Antes - Ministra da Justiça
Agora - Vogal do CA da CGD

José Silveira Godinho:
Antes - Secretário de Estado das Finanças
Agora - Administrador do BES

João de Deus Pinheiro:
Antes - Ministro da Educação e Negócios Estrangeiros
Agora - Vogal do CA do Banco Privado Português.

Elias da Costa:
Antes - Secretário de Estado da Construção e Habitação
Agora - Vogal do CA do BES

Ferreira do Amaral:
Antes - Ministro das Obras Públicas (que entregou todas as pontes a jusante de Vila F.de Xira à Lusoponte)
Agora - Presidente da Lusoponte, com quem se tem de renegociar o contrato.

Etc...etc...etc...
O que é isto? Não, não é a América Latina, nem Angola.
É Portugal no seu esplendor .
Corrupção ! Cunhas ! Gamanço ! Tráfico de influências ! Nepotismo !
...e depois este ESTADO até quer que se declarem as prendas de casamento e o seu valor.

Já é tempo de parar! Não te cales, DENUNCIA!

Passa este e-mail, fá-lo circular.
J. L.. , via e-mail nov.2008

---De Dêem exemplo a partir de cima a 30 de Abril de 2009 às 15:59

Frente-a-frente: Salários devem ou não baixar?

Para Portugal ganhar competitividade é preciso reduzir as remunerações?
José Silva Lopes acha que sim, para combater o desemprego.
Jorge Santos diz que não, sob pena de não haver estímulos para ganhar produtividade.
Sónia M. Lourenço
11:15 Terça-feira, 28 de Abr de 2009 , clix expresso.pt
comentários:

Não entendo
--PANTE44, 3 pontos (Interessante), 13:13 | Terça-feira, 28

Como se consegue equilibrar a economia baixando salários?
Como fica a produtividade?
Como fica o mercado?
Com baixos salários o poder de compra também não baixa?
Baixando os salários, não baixam também os impostos e por consequência as receitas do estado?
Como pode alguém, que ganha 450€, paga de renda 300€, ver o seu salário mutilado?
Ou a proposta passa por baixar o preço de tudo ou pelo menos dos bens essenciais, leite, pão, renda da casa, dividas aos bancos, etc?
A proposta devia de passar pela recuperação de capitais públicos, que foram utilizados de forma inapropriada por privados!
Por recuperação de bens que são devidos ao estado (impostos, caso furacão, dividas que prescrevem, etc)!
Pela criação de um tecto salarial, com a criação de um salário máximo admissivel!
Pela atenção do estado a gestões danosas!
Pelo apoio do estado a empresas em dificuldades, que demonstrem capacidade de reabilitação, ficando salvaguardado no futuro esse apoio com a responsabilização de administração e empresários!
Porque será que em tempo de crise, os iluminados acham sempre que podem e devem tirar a quem já pouco tem?
Á muita gente que acredita que existe o reino dos céu, o que não acredita é que só lá pode ser feliz.
A época do pobre mas honrado, ...


De ... a 21 de Abril de 2010 às 11:19
...
A época do pobre mas honrado, já teve o seu tempo, querer voltar a ela, é fazer acreditar que se gastou dinheiro a formar um quadro técnicamente e se esqueceram de o formar moralmente!
A idade da reforma também devia de chegar para alguns analistas!

Re: O mal está feito... Ver comentário
---Ivens, 1 ponto , 19:41 | Terça-feira, 28

Um lamina de dois gumes...

Para um bom e puro economista como o Prof. Silva Lopes a ideia poderá ser recomendável e até necessária. Mas nem só de boas ideias sobre economia se faz boa política...
Parece-me que é uma ideia que deverá ser tratada com ponderação e alguma inteligência. Por exemplo, com reduções graduais e progressivas a partir de um teto mínimo de, digamos, 2.000 Euros, sobre a totalidade do remanescente. Por exemplo, numa percentagem de 2% por cada 1000 Euros. Quer dizer, para um honorário líquido de 5.000 Euros, a redução seria de 3x2 %, isto é de 6%. Para 8.000 Euros, de 6x2 % (12%). Estas percentagens são a título de exemplo e seriam devidamente estudadas e alteradas para mais ou para menos. O que saliento é a "filosofia" do processo, isto é, reduções a partir de um patamar mínimo não inferior a 2.000 Euros aplicadas com progressividade.
Será contabilisticamente difícil? Com ajuda de meios informáticos nem por isso. Mas creio que seria muito mais justo e politicamente aceitável.E certamente um bom contributo para a recuperação da competitividade das nossas nossas exportações.
Nuno Costa


Exacto. Baixar os ordenados? Sim, os deles.


---De Corja de vendidos a 30 de Abril de 2009 às 16:01

Faz como eu Digo não faças como eu faço...!

---ratajana, 2 pontos (Interessante), 13:17 | Terça-feira, 28

Este Silva Lopes ou está senil ou está de má-fé!
É que este sr. recebeu o ano passado 400.000€ de salários por 4 meses de trabalho no Montepio Geral de onde saiu por "motivos de idade" para passado um mês tomar posse na administração da EDP renováveis...

Está tudo dito!
Então querem congelar salários de 500€ e continuar a mamar milhares...
É vergonhoso.
Corja de hipócritas ...


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres