Terra só há uma

Dia mundial da Mãe Terra

No dia mundial da Mãe Terra convém lembrar duas tendências teóricas da ecoética:

a)- Visão antropológica: coloca o Homem no centro do cosmos. Considera-se que a geoesfera, a bioesfera e a atmosfera só ganham sentido em função do homem. O valor ético só pertence aos humanos e não ao mundo das coisas.

b)- Visão biocêntrica: surge com a consciência da importância das questões ambientais, e defende que o homem não é o centro da vida deste planeta, mas todas as formas de vida, desempenhando cada uma delas uma função de interdependência no mundo natural.
O biocentrismo é, por exemplo, defendido pelos membros da GREENPEACE.
Segundo esta perspectiva, há três ‘leis ecológicas:

1ª-Lei da interdependência: estabelece que todas as formas de vida são interdependentes. A presa depende tanto do predador para controlar a sua população, como o predador da presa para sobreviver.

2ª- Lei da estabilidade: a estabilidade (unidade, segurança e harmonia) dos ecossistemas depende da sua diversidade. Por exemplo, um ecossistema que contenha 100 espécies distintas será mais estável que aquele que contém apenas três.

3ª- Lei da limitação: todas as matérias-primas são limitadas (alimento, água, ar, minerais, energias) e existem limites no crescimento de todos os sistemas vivos. Estes limites são determinados pelo tamanho da Terra e pela limitada quantidade de energia que nos chega do Sol.

Desprezando estas leis ecológicas, somos culpados dos crimes contra a Terra. A sua destruição conduzirá inevitavelmente à nossa própria destruição.

 

# por Primo de Amarante, em http://margemesquerdatribunalivre.blogspot.com/ 22.4.2010

 

............

Veja em  http://www.readmetro.com/show/en/Lisbon/20100422/16/1/ interessantes artigos sobre o ambiente:

O predadador mais mortífero dos oceanos;  Há, mas são verdes!; A cidade agrícola...; Sabe como se produz numa quinta vertical?; Mande pastar a vaca; Quintais de boa comida (e movimento Slow Food); ...

 


MARCADORES: ,

Publicado por Xa2 às 20:00 de 22.04.10 | link do post | comentar |

3 comentários:
De Anti-Nuclear e anti-Ladrões... a 26 de Abril de 2010 às 09:30
Bruxas e papões


Ontem, no mesmo dia em que se celebrava o Dia da Terra e que se encerrava na Bolívia a Conferência Mundial dos Povos sobre as Alterações Climáticas e os Direitos da Mãe-Terra, os apóstolos do nuclear voltaram a manifestar-se contra a expansão da produção de energias limpas em Portugal, argumentando, como já vem sendo hábito, com a questão dos custos.

Simbolicamente, não poderiam ter escolhido melhor dia. Após a desastrada prestação do engº Henrique Neto face aos sólidos argumentos do engº Carlos Pimenta, na passada segunda-feira, o lóbi do engº Mira Amaral deu-se agora ao cuidado de pagar uma página inteirinha do Diário Económico de ontem (pág 17) para apresentar um estudo de caso produzido por um organismo independente (imagino que seja tão independente como a ciência do engº Pinto de Sá…) cujo objectivo é apenas mostrar que a energia eólica é cara, não gera emprego e não dá saúde ao PIB.
É claro que o bom exemplo referido no texto é o das centrais nucleares, cujos reactores duram mais do que as turbinas das eólicas.
Se o desmantelamento após o fecho se prolongar por 100 anos, devido à contaminação, haverá, certamente, algum benemérito investidor (como, por exemplo, o empresário Patrick Monteiro de Barros) que pague a factura, e com juros à cabeça, claro.
E engenheiros não nos faltarão também - todos capacitados para produzirem bons projectos com chorudos overheads para as instituições e analisarem os cadernos de encargos a apresentar ao Estado e aos contribuintes.

Um dos patronos do manifesto (o tal manifesto onde o lóbi nuclear se encontra com o PSD numa sala emprestada do Instituto Superior Técnico e arregimenta alguns anti-Sócrates que passam à porta...) contra a actual política energética portuguesa – o engº Mira Amaral – escreve também ontem no Jornal de Negócios que «o poderoso lóbi eólico e alguns jornalistas vieram logo usar o papão do nuclear para tentarem condicionar a discussão sobre os excessos eólico e fotovoltaico…».
Papão do nuclear? Ó senhor engº, olhe que já ninguém acredita no papão!
E a razão é simples. Nem é preciso mostrar-lhe fotografias dos "reféns do preconceito" e do "tabu" de Chernobyl.
Apenas dois exemplos e uma sugestão:

- Em Fevereiro de 2009, 7000 litros de água radioactiva potencialmente carcinogénica foram despejados no rio Ottawa, o mais importante do Canadá e fonte de abastecimento de água para milhões de canadianos. A população só foi informada quatro dias depois do acidente.

- Em Novembro de 2007, outra fuga radioactiva na cental nuclear de Ascó I, na Catalunha. O “incidente” só foi noticiado um ano depois, tendo a negligência e a irresponsabilidade chegado ao ponto de, logo após a fuga, terem ocorrido visitas escolares a esta unidade. A Endesa e a Iberdrola (ó engenheiros, já tendes bons contactos no sector, hein?...) foram responsabilizadas pela ocultação e pagaram 22 milhões de euros de multa.

- Para mais, ninguém nos garante que os nossos políticos, sempre tão amigos dos empresários e dos agentes financeiros, não venham a aprovar uma lei como a que foi aprovada no passado mês de Março na Eslováquia, segundo a qual "as pessoas não terão a possibilidade de saber se um centro de armazenamento de detritos ou uma central estão em conformidade com as regras de segurança”.

Impossível, pois, acreditar no papão - e muito menos em bruxas, como pretendia o engº Henrique Neto, entre as repetidas invocações do bom exemplo do "Doutor Salazar" em matéria de política energética (o L.N.E.C. e a hídrica). E para mais agora, que estamos a criar bons postos de trabalho na Europa Central e que está a chegar a estação dos saldos do urânio…

Publicada por Francisco Oneto em 23.4.10 Ladrões de Bicicletas


De . a 23 de Abril de 2010 às 17:37
E qual é o predador mais mortífero de Portugal?
(Aceitam-se nomeações.)

Eu estou na dúvida:
- serão os lic. em direito (especialmente lic.dir. -deputados, lic.dir.- gestores/administradores e grandes sociedades de advogados)?
ou
- as empresas financeiras (bancos, seguradoras, SGPS, ... 'offshores', agências de 'rating', especuladores) ?


De Zé das Esquinas o Lisboeta a 23 de Abril de 2010 às 17:18
Quem tem terra?
Quem é?
Quem nos (en)terra, sei eu!


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO