2 comentários:
De Espectro eleitoral direitista a 26 de Abril de 2010 às 16:24

Espectro da Hungria ameaça governo grego (socialista)

Luís Rego em Bruxelas
26/04/10 07:15

Apesar das sucessivas medidas draconianas e a contestação social em alta, a popularidade do primeiro-ministro grego, George Papandreou continua a fazer corar muitos líderes europeus.
Mas há um receio crescente entre os líderes do Pasok, partido socialista grego.
A Hungria, que foi sujeita a um tratamento de choque do FMI nos últimos anos, acaba de ver o partido da oposição destronar os socialistas no poder e castigá-los pelo esforço exigido ao país durante o ajustamento. O jornal grego Eleftherotypia chama-lhe "o espectro da Hungria".

Com isso em mente, os analistas estão atentos a potenciais viragens na opinião pública.
Numa sondagem revelada este sábado, cerca de dois terços dos gregos entendem que o governo socialista, eleito em Outubro de 2009, foi demasiado lento a reagir ou geriu mal a economia à medida que a crise orçamental se adensou.

Será a paga por medidas tão impopulares como o aumento de impostos, a redução efectiva de salários na função pública e o congelamento de pensões.

Mas curiosamente, nota o presidente do instituto de sondagens Marc, Thomas Gerakis, "para 60% dos gregos as medidas são necessários, porque admitem que o país está à beira do precipício e será destruído se as reformas não avançarem já".

Papandreou foi muito eficaz a responsabilizar o executivo anterior pela actual crise, nomeadamente pela perda de credibilidade da autoridade estatística e pelas fraudes contabilísticas. Na mais recente carta para as autoridades europeias sobre a ajuda, o ministro de Finanças George Papaconstantinou, insiste que o actual governo teve de herdar a situação actual. "Nas reuniões internacionais a placa que está à minha frente não diz ‘novo governo grego'", explicou recentemente em Bruxelas. Gerakis sublinha justamente que o Pasok beneficia da rejeição popular ao governo de Costas Caramanlis, que é apontado por 70% dos gregos como grande responsável da actual crise.


De Humor_ Será? a 26 de Abril de 2010 às 09:09
Milhares de famílias portuguesas confirmam previsão de Stiglitz: o euro já desapareceu lá de casa
O Nobel da Economia, Joseph Stiglitz, disse esta semana que o euro corre o risco de desaparecer. Não podiam ser mais acertadas as palavras do economista americano já que, segundo apurou o INIMIGO PÚBLICO, o euro já desapareceu mesmo da casa de milhares de famílias portuguesas. "Olhe, a última vez que o vi foi no Natal quando fui ao supermercado catar o lixo e havia uma moeda esquecida dentro de um carrinho de compras", conta um homem que nos últimos cinco anos tem trabalhado em um dos 150 mil empregos criados por Sócrates. AP


Comentar post