Euro Forte ou Fraco? Realidade ou Fantasia?

Na Europa central, nomeadamente na Alemanha, reina uma grande preocupação quanto ao futuro do euro. Angela Merkel disse hoje “se o euro falhar, falha a Europa”.

            Trata-se evidentemente de uma visão de direita ou dita democracta-cristã, pois o problema básico reside entre duas variáveis: euro forte igual a mais desemprego e euro fraco a menos desemprego. Quanto à questão de o euro ser ou não uma moeda de refúgio é completamente irrelevante para os trabalhadores europeus. Deixai os americanos serem os campeões mundiais dos défices externos, o que interessa é os europeus terem trabalho.

            Um euro forte em resultado de medidas de austeridade e redução de consumo a ponto de criar uma recessão torna os produtos europeus mais caros e os que vem da China, EUA, etc. mais barato. A exportação europeia diminui, fecham mais fábricas, aumenta o desemprego. Por outro lado, o aumento das despesas do Estado com subsídios de desemprego obriga os Estados a gastarem menos, logo a consumirem menos, mesmo com os próprios subsídios de desemprego, o que conduz ainda a mais fábricas fechadas. As próprias exportações americanas e chinesas não subirão muito porque o consumo reduz-se e haverá menos dinheiro para comprar produtos cada vez mais baratos. Das exportações alemãs, 70% vão para os países da União Europeia e apenas 5% para a China. Da produção portuguesa quase nada vai para a China. Nessas circunstâncias, o Euro não será moeda de refúgio. Os países árabes a venderem menos petróleo e os chineses não vão comprar euros, a não ser para adquirirem a preços de saldo a alta tecnologia europeia como aconteceu recentemente com a aquisição por parte de chineses da Volvo sueca por 1,5 mil milhões de euros quando há uns anos atrás a GM comprou-a por 4,5 mil milhões. Os chineses apoderaram-se de milhares de patentes e de uma experiência tecnológica quase secular por tuta-e-meia sem que o governo sueco se preocupasse com o facto. As autoridades suecas desistiram já de uma indústria automóvel nacional.

            Com um euro fraco, os produtos europeus tornam-se mais baratos e os chineses e extra-zona euro mais caros. Portugal e os países do euro tornar-se-ão mais competitivos relativamente aos parceiros europeus de fora da zona euro como a República Checa, Roménia, etc. e relativamente à China, Brasil, etc., o desemprego será menor por haver mais fábricas a trabalhar, tanto para o mercado europeu como para fora. Portugal que se tornou um grande exportador para Angola verá a sua posição reforçada relativamente ao concorrente chinês. E, curiosamente, com o crescimento dos países da zona euro, os Estados vão gastar menos com subsídios de desemprego, as suas receitas serão maiores por via da actividade económica e não há dúvida que o euro terá uma maior tendência para ser moeda de refúgio.

            Assim, podemos dizer que a política do euro forte é capaz de produzir mais rapidamente um euro fraco e a política do euro fraco a um euro mais forte.

            Tirem os economistas da economia. Esta nada tem a ver com os economistas, mas com os engenheiros, agricultores, trabalhadores, empresários, exportadores, enfim: PRODUTORES. O resto são estatísticas à posteriori que nada dizem quanto ao futuro.

 

            Claro, Portugal está numa situação particular de os seus bancos não se poderem financiar a juros razoáveis no estrangeiro e não quererem pagar juros mais altos pela poupança nacional e pelo regresso dos enormes stocks de moeda de portugueses aplicados no estrangeiro.

            A poupança nacional não se forma à custa de bens essenciais, mas sim de bens mais supérfluos, incluindo viagens ao estrangeiro, automóveis, etc. Com juros mais altos esses sectores que são de exportação de euros para fora sofrerão, mas em compensação a balança de pagamentos portuguesa terá uma maior tendência para se equilibrar ou vir a ser positiva para Portugal.

 

            A CGD, como banco do Estado, deve dar o exemplo e oferecer depósitos a prazo a juros mais altos no primeiro ano e não apenas no quarto ou quinto ano do depósito. As famílias portuguesas não são suficientemente ricas para terem depósitos a longo prazo, pelo que os juros devem aumentar nos depósitos a um ano.



Publicado por DD às 17:02 de 15.05.10 | link do post | comentar |

2 comentários:
De Aeme a 15 de Maio de 2010 às 17:36
E a corja de energumenos que foi recebida pelo senhor silva (tudo economistas de primeira cepa) alem de não terem feito nada de positivo por este País vêm agora de forma insultuosa dar-nos dicas do que se poderia/deveria ser feito.
Agora que estão de fora a gozar os bons rendimentos e mordomias que todos nós lhes pagamos, têm soluções para tudo e tentam insultar a nossa inteligencia.
Ou seja eles estão correctos e nós abjectamente estamos errado.
Porra para isto.


De DD a 15 de Maio de 2010 às 17:59
É isso mesmo.Os gajos são tão econimistas que até são contra as energias renováveis. Queriam centrais nucleares em Portugal. O Sr. Patrick Monteiro de Barros que representa um grupo interessado no nuclear anda a comprar esses economistas e até o general Eanes para criar um grande grupo favorável ao nuclear.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO