A Plataforma Socialista não concorre, mas continua

Vou transcrever de imediato, na íntegra, o texto ontem divulgado pela Plataforma Socialista na qual participo.

A Plataforma Socialista não concorre, mas continua.

Com o objectivo de contribuir para dar relevância política à disputa inerente às próximas eleições para a Comissão Política Concelhia de Coimbra do Partido Socialista foi constituída uma Plataforma Socialista que escolheu Luís Santarino, para encabeçar a sua participação nessas eleições.

Verificamos hoje que só muito limitadamente o conseguimos. A alergia dos outros dois candidatos a tomarem uma posição clara e a assumirem responsabilidades inequívocas, quanto às questões políticas cruciais que corroem o Partido Socialista em Coimbra, bem como quanto às que o atingem no plano nacional e às que trazem todo o país em sobressalto, fez com que estivesse para além das nossas forças a possibilidade de o conseguirmos por completo. Também por isso, chegado o momento de avaliarmos o sentido, a oportunidade e o significado político da nossa participação nesse acto eleitoral, tomámos três decisões que vimos tornar públicas.

1º Não concorremos às próximas eleições para a Comissão Política Concelhia de Coimbra do Partido Socialista;

2º A nossa Plataforma Socialista manter-se-á activa, como instância de intervenção política no concelho de Coimbra, sem que isso signifique alheamento, nem quanto à globalidade da vida interna do PS, nem quanto ao combate político em geral;

3º Nesta eleição abstemo-nos de votar em qualquer dos dois outros candidatos anunciados, o que significa que a nossa opção, muito provavelmente, coincidirá com a posição que irá ser tomada pela larga maioria dos membros do PS, filiados no Concelho de Coimbra.

De facto, apesar de algumas cerimónias públicas de análise de temas cívicos, postas em prática pelas outras duas listas, no essencial, a campanha que fizeram cuidou mais de elogiar as qualidades pessoais dos candidatos, do que tratar da conjuntura política e das dramáticas dificuldades vividas actualmente pelo Governo, pelo PS e pelo país. No essencial, foi como se a grande questão que aflige os cidadãos de Coimbra seja a de saberem se é Carlos Cidade ou Paulo Valério, quem merece ser investido na qualidade de guia do PS de Coimbra.

Mas se já foi negativo que a campanha dessas duas listas tivesse ignorado no essencial, quase por completo, a dramaticidade política do momento que atravessamos, pior foi a baixa qualidade democrática de todo o processo eleitoral. Na verdade, não podemos ignorar que esta campanha eleitoral interna, seguindo o modelo adoptado nos últimos anos, ficou muito longe do nível democrático necessário para que a contenda fosse limpa e equitativa, e eticamente irrepreensível, de modo a poder originar um poder que realmente todos os militantes do PS encarassem como legítimo, de um ponto de vista democrático.

Nomeadamente, uns por ostensiva escolha outros por consentimento tácito, inviabilizaram o caminho que teria feito da campanha uma sucessão de debates abertos e esclarecedores, entre todas as candidaturas, de modo a que nenhuma delas pudesse tirar vantagem do seu possível domínio do aparelho, ou de qualquer outro tipo de renda de situação, para, a seu favor, congelar fidelidades ou petrificar sindicatos de votos.

E para tornar o horizonte ainda mais enublado, se olharmos para alguns sinais políticos, dados por alguns episódios que têm envolvido a difusão da lista liderada por Carlos Cidade, nomeadamente, lendo com atenção, nome a nome, a sua enormíssima Comissão de Honra, constatamos com alarme que em aspectos nevrálgicos do bom nome e da credibilidade externa do PS de Coimbra, parece querer retroceder-se rumo à difícil posição para onde foi arrastado o PS de Coimbra há uns anos atrás.

Paralelamente, os seus opositores, embora alheados dessa deriva, parecem encarar o sentido da sua afirmação como alternativa, não como uma outra forma de se ser partido, mas como a substituição de um aparelho por outro, o que podendo, na melhor das hipóteses, suscitar algumas melhorias, ficará sempre longe da grande metamorfose por que o PS precisa de passar.

Por fim, não podemos deixar de constatar que ambas as candidaturas em liça revelaram, embora em graus diferentes, uma tal exuberância de meios que, ou estamos perante candidatos ricos, ou pairou nesta pugna eleitoral a sombra generosa de ignotos mecenas.Ora, de uma vez por todas, não pode continuar admitir-se que em eleições internas do PS os resultados dependam, mesmo que parcialmente, do dinheiro de que disponham ou que consigam angariar as diversas candidaturas.

Somos um colectivo de militantes que, com base numa plataforma política substancialmente diferenciada e identificável, quer contribuir para retirar o PS no concelho de Coimbra do cinzentismo para onde foi arrastado. Não quisemos ser um terceiro saco de apoiantes de um terceiro nome, fosse ele qual fosse. É claro, que um de nós foi escolhido para liderar a nossa lista, mas é de toda a plataforma política, de todos os participantes na Plataforma Socialista a responsabilidade por tudo o que nesse plano foi feito e decidido.

Compreende-se pois que, se nunca nos quisemos reduzir a uma simples soma de apoiantes fosse de quem fosse, não estejamos agora dispostos a deixarmo-nos meter dentro de qualquer dos dois grupos de apoiantes que disputam entre si uma competição pouco mais do que numérica.

Rui Namorado, O Grande Zoo



Publicado por Xa2 às 08:07 de 25.05.10 | link do post | comentar |

7 comentários:
De 'Partido Pró Poder SA' a 26 de Maio de 2010 às 11:16
Também já vi muito disso (...) também nas Secções (do PS, do PSD, ...).

O que me dá pena é que com todos estes procedimentos ... muitos cidadãos válidos e dispostos a dar o seu contributo político-partidário se afastam do partido e da política activa ...

deixando 'campo aberto' para os oportunistas, 'jotas-carreiristas', e familiares de 'barões' bem instalados (no partido, na sociedade, nos institutos e empresas públicas e participadas pelo Estado e Municípios)...

De facto, o partido cada vez parece mais uma «Empresa pró Poder SA» em que os militantes de base são micro-accionistas sem voz e que só servem para pagar as asneiras e regalias dos administradores.


De Zé T. a 26 de Maio de 2010 às 10:53
Concordo com Zé das Esquinas L.

E o post é ''desnecessário'' e ''porquê'' ?? !!!

O visitante talvez não perceba ou não saiba que o que se passa/passou em Coimbra, o que está por detrás, é semelhante ao que se passa/passou em Lisboa, Sintra, Porto ... e muitas outras concelhias e federações e até nos congressos...

E o que está em causa não é dizer mal do PS (em outros partidos existem problemas e procedimentos semelhantes ou piores) é pelo contrário, deixar de esconder a cabeça na areia, deixar de não querer ver-ouvir-falar, ... pois só depois de assumirmos os nossos erros e problemas é que os podemos combater e melhorar.

E não pensem que o Partido é um rebanho de méees pois, para além dos pastores e sub-pastores, também existem cabeças pensantes (e discordantes) que não são menos Socialistas e Democratas.


De Por quê? a 25 de Maio de 2010 às 12:10
Tem toda a razão o "Desnecessario", depois também se não cmpreende que, com dois links de dois blogs onde se pode ler o texto completo, o postante o reproduza na integra. Por quê e para quê?


De Ressaca a 25 de Maio de 2010 às 12:17
Esta preocupação, preocupa-me...
Rennie, talvez seja o indicado.


De Desnecessário a 25 de Maio de 2010 às 11:57
Este post, aqui e agora, era bem desnecessário. É preciso debater problemas mais profundos, com os dois anteriores, sobre a crise...

Dá a impressão que, no Luminária, os postantes se atropelam uns aos outros, o que não deixa de ser positivo, visto que indicia a falta de qualquer controlo ou sequer estratégia...


De Zé das Esquinas o Lisboeta a 25 de Maio de 2010 às 12:14
Então vocemecê não percebeu que para um militante socialista que ainda mantem os seus ideais e que ainda não foi corrompido pelo sistema, que ainda acredita que é possível mudar o PS, por dentro do próprio partido, que este post tem a ver com os da crise?
Que este postante acredita que algumas das bases do PS são a alternativa para a mudança para melhores políticas e uma melhor governação.
Ser militante é isso.
Então acreditar num melhor PS não tem a ver com a crise?
Então essa do alinhamento do Luminária deve ser para rir... então ainda não nas diferenças deste blog para outros porventura mais escritos mas, esses sim, alinhados?


De Zé das Esquinas o Lisboeta a 25 de Maio de 2010 às 11:54
Os 'poderes' instituídos não estão interessados em quem tem pensamento próprio.
Pensamento próprio é sempre visto como discórdia, uma chatice.
Os partidos políticos não são diferentes. O PS não é diferente.
O que interessa é militantes para colar cartzes, não é para terem opinião. Para pensarem..., então para isso estão lá 'eles' os lideres...
Voz, só se for para dizer - sim Senhor.
Um partido é um alinhamento.
Pensar pela própria cabeça e reflectir com os outros é rebelião, dissidência, facções... tentativas de assalto... ao poder.
Oh amigo, deixe disso... Para desilusões já bastam, às vezes, as 'nossas' mulheres e os filhos ou o clube!
Um abraço solidário.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO