A Ridícula Política da Sra. Merkel na Alemanha

Ouvi hoje pela Radio Deutsche Welle a Sra. Merkel a apresentar o seu plano de austeridade para a Alemanha. Se não soubesse que a senhora não fala uma palavra de português e que, provavelmente deve confundir Portugal com a Espanha como fez um tal comissário europeu para a economia, julgaria que o discurso dela teria sido escrito pelo Medina Carreira.

A tontinha da Merkel gritava bem alto, não sei se no Parlamento ou numa conferência de imprensa, que os alemães teria vivido nas últimas décadas acima das suas possibilidades e daí a necessidade de um pacote de poupança governamental da ordem dos 80 mil milhões de euros.

Fiquei espantado e incrédulo, a Alemanha registou em 2009 uma queda do seu PIB de 5,9%, o que é a maior deflação desde os anos vinte do século passado, o que recomendaria um crescimento do consumo interno. Simultaneamente a Alemanha exportou mais de 1,6 biliões (milhões de milhões) de euros e importou cerca de 1,2 biliões, registando um dos maiores saldos positivos de qualquer país do Mundo, o que significa que a economia viveu muito mais da exportação do que do consumo interno e no ano passado, a Alemanha investiu no exterior cerca um bilião de euros, sendo actualmente a nação que regista o maior volume de investimentos externos do Mundo, o que lhe proporciona um PNB ou RN (rendimento nacional) muito superior ao PIB que é duas vezes superior ao português.

Como exportador, a Alemanha ficou ligeiramente abaixo da China, mas por capita as suas exportações são quase 15 vezes superiores às dos chineses, sendo igualmente superiores às americanas, japonesas, etc. e continuam a subir, mas sem que os empresários queiram fazer algum esforço. Um cliente meu esperou seis meses por um Mercedes e outro que teve um acidente num VW Sharon da Auto-Europa quis comprar outra viatura igual e disseram que teria de esperar cinco meses, pelo que foi adquirir outra marca.

A dívida pública alemã atingiu um valor moderado de uns 63% do PIB e o seu défice público foi da ordem dos 5,5%, um número relativamente baixo.

Mesmo assim, a Sra. Merkel lançou um pacote que retira benefícios a todos os reformados e trabalhadores em geral e que pretende reduzir despesas em todos os sectores públicos, o que não se compreende porque o défice público resultou do apoio à banca que incluiu a compra do tal papel que nada valia e que não se deverá repetir este ano.

Os alemães estão na sua tradição de ser um povo exagerado em tudo, tanto na asneira como em aspectos mais positivos. No caso da Merkel, é na asneira, pois o seu pacote económico leva à redução do consumo interno.

Ao longo dos sessenta e dois anos de vida da República Federal da Alemanha, os governantes alemães viveram e continuam a viver com a obsessão da inflação. É certo que a Alemanha viveu uma terrível inflação há um pouco menos de noventa atrás, mas tanta coisa mudou desde então que é impossível a repetição daqueles anos em que o pão custava milhões de marcos e o senhor dos bigodes subiria ao poder. Qualquer político alemão deve saber o suficiente de história para nem pensar nos anos vinte do Século XX.

Devido a essa obsessão, os alemães defenderam e defendem a moeda forte sem pensar que a queda do euro em 15% desde Janeiro é favorável às exportações europeias e dificulta as importações oriundas da China e outros países para a zona euro. Para além disso, a Merkel não se preocupa com os seus parceiros europeus, quer um euro forte para que os seus trabalhadores utilizem bens de consumo baratos vindos da China e produzam bens muito caros e altamente especializados, esquecendo-se que 70% das exportações alemãs ficam na Europa.

Os alemães sob a batuta de uma senhora licenciada em física desconhecedora do verdadeiro significado das economias e suas relações globais querem impor a toda a Europa os seus pontos de vista, agravando a situação alemã e europeia em geral.

Aparentemente, a Sra. Merkel acredita nas mentiras que envia para o exterior quanto ao desemprego de 8,7%, pois mais de 4% dos seus trabalhadores trabalham a meio tempo com 40% do seu ordenado pago pelo Fundo de Desemprego. Na verdade, o verdadeiro desemprego alemão é da ordem dos 10,7%, o que é excessivo para um grande país exportador que possui imensas reservas monetárias.

O objectivo da Merkel é o típico das ligações entre a direita democrata cristã e os liberais, ou seja, reduzir custos do trabalho e sociais para tornar os ricos ainda mais ricos.

No seu pacote económico, a física Merkel incluiu algo de muito perigoso e um engano para a população. Assim, autorizou a continuação do funcionamento das velhas centrais nucleares a troco de um imposto especial sobre as respectivas empresas. Os contribuintes julgam que recebem mais, mas não podem contabilizar o perigo acrescido de acidentes em centrais com muitas décadas de existência.

Os desempregados a partir de um certo espaço de tempo deixam de receber do Estado um subsídio de reforma destinado a fazer com que o período de desemprego não prejudique a pensão futura que na Alemanha passa a ser recebida só a partir de 67 anos, excepto em algumas profissões muito desgastantes. Também o tradicional e muito antigo apoio ao pagamento de rendas de casa e aquecimento a pessoas com baixos rendimentos foi cortado tal como o apoio à natalidade e o abono de família e apenas reduzido para pessoas de baixos rendimentos.

Enfim, a pressão anti-social que se apoderou de toda a Europa e leva a Comissão em Bruxelas a forçar a nota e todos os governos europeus a serem mais injustos, pode conduzir a Europa a um desastre e nada fará para debelar a crise global que vivemos, antes pelo contrário, vai acentuá-la.

Os alemães e muitos europeus vão ter, sem dúvida, ocasião para se arrependerem num futuro próximo.


MARCADORES: ,

Publicado por DD às 23:21 de 08.06.10 | link do post | comentar |

3 comentários:
De Zé T. a 9 de Junho de 2010 às 17:23
Bom post de DD. Parabéns.

Só não gosto do ''ridícula'' do título
- é que a política económico-financeira da Alemanha, mais do que rídicula é muito grave para os trabalhadores alemães e
dramática/ trágica para os restantes trabalhadores Europeus, para o Euro e para o desenvolvimento e a coesão da Europa.


De DD a 10 de Junho de 2010 às 18:28
Na verdade é trágica para os alemães e para os europeus, apesar de que nos períodos de deflação, a moeda torna-se mais valiosa. O desemprego em massa obriga a reduzir consumos e preços, mas os desempregados nada ganham com isso.


De Zé das Esquinas o Lisboeta a 9 de Junho de 2010 às 08:29
Infelizmente para todos nós portugueses e europeus comunitários de 'segunda', o DD tem razão.
O que a Sr.ª Merkel quer fazer da UE é uma nova China no pior sentido, quer aproveitar a chamada 'crise' para baixar salários e direitos laborais aos ´Zé europeus' e criar maiores condições à exploração da mão-de-obra europeia.
É na realidade o anti-social que se apoderou dos mais fortes e ricos, para ficarem ainda mais fortes e mais ricos.
É em nome de algumas verdades fazerem uma reforma interesseira e injusta penalizando as classes ditas trabalhadoras, aos sublimes 'deuses' de hoje chamdados 'déficite', 'pib' ou outras tretas interesseiras do grande capital.
Como já aqui li, caminhamos hoje para uma nova forma de regime capitalista que tem, económica e socialmente, tudo que, de mau, tiveram os regimes o comunistas.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO