Quarta-feira, 23 de Junho de 2010

A ser verdade será uma boa noticia tendo em conta o continuado deficit das contas, a recorrente falta de cobrança das rendas, os vícios criados entre os funcionários e os moradores dos bairros, a não responsabilização dos moradores pela boa conservação das casas e prédios onde habitam, etc, etc...

 Conforme hoje divulgado em vários órgãos de comunicação social A Câmara de Lisboa admite extinguir a Gebalis, mas qualquer decisão sobre o futuro da empresa que gere os bairros municipais só será tomada daqui a um mês, depois de concluído o estudo financeiro entretanto encomendado.

À Lusa a vereadora da Habitação, Helena Roseta terá afirmado «Pedi ao presidente da Câmara que retirasse da agenda de hoje o Plano de Actividades da Gebalis, bem como as contas, porque pedi ao presidente da Gebalis que encomendasse um estudo rápido, por uma entidade externa, que analisasse os cenários futuros para a empresa, incluindo o cenário de extinção».

De resto esta empresa, que gere os bairros municipais, contrariamente ao previsto no Plano de Actividades e Orçamento para 2009”, apresentou, mais uma vez, resultados negativos, desta feita em 2,2 milhões de euros, sendo o sexto ano consecutivo a faze-lo.



Publicado por Zé Pessoa às 17:18 | link do post | comentar

4 comentários:
De CORRUPTOS a 24 de Junho de 2010 às 17:05
POR CAUSA DE POLITIQUICES PAGAM OS TRABALHADORES QUE SE ESFORÇAM NO DIA A DIA PARA ELEVAR O NOME DESTA EMPRESA.

É MUITO COMPLICADO TRABALHAR EM BAIRROS SOCIAIS, SE ACABAM COM A GEBALIS, FICA TUDO ENTREGUE À BICHARADA (Máfia da droga, ciganagem com rendas de 5 euros que não pagam e depois têm bmw´s à porta, etc, etc,etc)

EM PRIMEIRO LUGAR A GEBALIS É UMA EMPRESA QUE FOI CRIADA PARA AJUDA A BAIRROS SOCIAIS E NÂO PARA TER LUCRO

EM SEGUNDO LUGAR, PODEM AGRADECER A UM SR ADMINISTRADOR QUE LIMPOU OS COFRES À UNS ANOS E SAIU IMPUNE.

VERGONHA MEUS SENHORES

TENHAM VERGONHA


De Zé T. a 25 de Junho de 2010 às 10:40
Análise Custo-Benefício de 1 empresa municipal (pública):

Realmente importa considerar (para além de eventuais erros e apuramento de responsabilidades do passado):
- se a empresa municipal dá prejuízo ano após ano, e as dívidas (e seus juros) vão crescendo...;
- se a cobrança de rendas e serviços não é eficaz e se as receitas próprias são muito abaixo dos custos de manutenção ...;
- se existe possibilidade de poupar nos custos (mantendo os serviços básicos), de modo a poder chegar a um equilibrio financeiro dentro de alguns anos...;
- se é possível integrar os serviços básicos num serviço municipal (directo) com redução de custos ...;
- se a possibilidade abandono dos serviços básicos (a sua missão) implica custos sociais e económicos mais gravosos para o município...;
- se a venda (a custos moderados... no limite até a doação das casas aos próprios inquilinos ou a associações de moradores/condóminos) será uma forma de 'estancar a sangria' financeira e deixar aos privados/proprietários a resolução dos seus problemas habitacionais...
- ... importa decidir racionalmente ...
mas importa também retirar da equação os eventuais apoios/penalizações eleitorais, os lugares/tachos dos amigos e boys e a adjudicação de serviços e obras a gabinetes e empresas ''amigas'' (de familiares, sócios, ... ou 'prendados').


De . a 25 de Junho de 2010 às 11:08
como dá a entender o 1º comentador, a Gebalis tem/ teve vários tipos de problemas (uns internos, outros externos):

1- Má administração (incompetentes?, corruptos?, demasiado caros?, ...), má gestão, má organização, desvios da sua missão (actividades secundárias, subsídiação a outras actividades ou entidades, ... desvios de recursos e competências).

2- Actuação num contexto social degradado, de incumprimento (de alguns? muitos ?) dos inquilinos/residentes dos seus deveres para com o Município / empresa municipal e para com outros vizinhos e cidadãos - incluindo falsas declarações, burlas, abusos de confiança, roubos, ameaças, agressões, ...uso/actuação danosa e criminosa.

Será que este tipo de problemas se resolvem per si ? Se internamente parece dificil, a actuação/ capacidade de influenciar/resolver os factores externos parece impossível !

Aliás, relembre-se, a missão da Gebalis (gestão dos bairros/ habitacionais 'sociais' do município de Lisboa) é/ deveria ser essencialmente de Gestão (arrendamento, vendas, obras de manutenção, ...) e não de cobrança de dívidas, ou de Acção Social (individual, familiar e comunitária) ou de Polícia !


De anónimo a 25 de Junho de 2010 às 11:39
O Município devia extinguir a Gebalis (e outras empresas deficitárias e com missão e actividades questionáveis...), livrando-se deste património problemático .

Como ?
vendendo-o aos inquilinos, preferencialmente, por um preço justo ou ... nem que fosse apenas simbólico, (pelo preço de 100x valor da renda mensal) !! - mas sem o direito de chão/terreno e tal como está, sem mais gastos de obras.

No caso de os inquilinos não quiserem ou não puderem comprar, vende-os a uma associação de condóminos, por prédio/entrada, - por preço simbólico - e eles depois que se entendendam, fazendo as obras necessárias para manter alguma qualidade ambiental, arrendando ou revendendo o direito de uso/superfície e impondo a disciplina entre si ... ou chamando a polícia.

Se o prédio arder ou cair ... a CML retoma posse do terrreno, limpo.


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS