JUSTA CAUSA E RAZÃO ATENDIVEL

 

A lei fundamental da republica portuguesa aprovada em 1976 e cuja ultima revisão foi em 1997 (a lei espanhola aprovada em 1978 está agora em debate para a sua primeira alteração enquanto a nossa já conta com 6) consagra no seu Artigo 53º -Segurança no emprego- que “É garantida aos trabalhadores a segurança no emprego, sendo proibidos os despedimentos sem justa causa ou por motivos políticos ou ideológicos”.

Esta garantia, integrante dos Direitos Liberdades e Garantias gerais dos Trabalhadores, enquanto cidadãos e no contexto da dimensão económica e laboral, visa observar o consagrado, muito especialmente, nos artigos 23º a 25º da Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) e da Carta das Nações, para já não falar das disposições emanadas pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Sendo a cultura portuguesa de raiz, eminentemente, judaico-cristã ela acaba por ser mesclada por influências de outras raízes culturais adquirindo, por via disso, uma diversidade e dispersão muito maior e mais rica, aumentando, consequentemente, de dimensões/responsabilidades.

É, pois, natural que a Constituição da Republica Portuguesa seja sujeita e resultado das pressões dessas diversas dimensões sociológicas, filosóficas, religiosas, politicas, económicas...

No dizer do Prof. Gomes Canutilho e de muitos outros constitucionalistas a nossa (portuguesa) constituição, muito naturalmente, consagra uma dimensão antropológica conformando uma integração das demais dimensões.

Ora se a antropologia significa a relação do homem, enquanto pessoa, com a humanidade, enquanto sociedade, (anthropos – homem; logos – razão/pensamento) uma razão atendível, em qualquer das dimensões de responsabilidade, deveria ter sempre em consideração a realidade humana acima dos interesses económicos.

À partida, de facto, não se vislumbra qualquer diferença entre causa justa e razão atendível, não fora as permanentes práticas (acções/omissões) inconstitucionais e as constantes subversões das várias dimensões plasmadas no texto constitucional, sobretudo a dimensão antropológica.



Publicado por Zé Pessoa às 00:09 de 28.07.10 | link do post | comentar |

7 comentários:
De Ze povinho a 30 de Julho de 2010 às 23:15
Portugueses deixam de se certificar se desligaram o fogão antes de irem de férias porque já lhes cortaram o gás há meses por falta de pagamento.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 30 de Julho de 2010 às 07:42
Para já era importante distinguir que - justa causa e causa justa, não é a mesma coisa.
É que anda para aí muito comentador que ora escreve de justa causa como escreve causa justa.
Basta lembrar que uma MULHER BOA (Ex.: Monica Bellucci),
não é o mesmo que uma BOA MULHER (Ex.: Madre Teresa)...
Perceberam?


De Crise é a razão atendivel ? a 28 de Julho de 2010 às 15:20
Estranho, ou talvez não, é o facto de num país que se diz católico e invade santuários, aceite de bom grado ou mesmo aplauda o deus dinheiros que jorra nas catedrais de consumo.

A santa madre igreja bem poderá clamar contra uma tal desleal concorrência. São os custos de cair em descrédito, pelas mentiras e contradições.

Como diria o outro “é a vida...”

Os bancos, geridos por "bons" catolicos, não estão em crise a pagam, a jovens licenciados, ordenados de vergonha e sem horário de trabalho defenido. Quem se importa com isso?



De Debate e esclarecimento a 28 de Julho de 2010 às 10:09
Embora haja essa correcção, sobre a revisão de 2005 que os próprios constitucionalistas esquecem muito frequentemente, está de parabéns Zé Pessoa ao levantar estas questões que possibilitaram o debate e o esclarecimento.
Para um e outro aqui vai mais uma achega.
A 1ª revisão constitucional foi logo em 1982 com objectivos de diminuir a carga ideológica da Constituição, flexibilizar o sistema económico e redefinir as estruturas do exercício do poder político, sendo extinto o Conselho da Revolução e criado o Tribunal Constitucional.
Em 1989 teve lugar a 2ª Revisão Constitucional que deu maior abertura ao sistema económico, nomeadamente pondo termo ao princípio da irreversibilidade das nacionalizações directamente efectuadas após o 25 de Abril de 1974.
As revisões de 1992 e 1997, foram feitas por imperativo de adaptar o texto constitucional aos princípios dos Tratados da União Europeia, Maastricht e Amesterdão, consagrando ainda outras alterações referentes, designadamente, à capacidade eleitoral de cidadãos estrangeiros, à possibilidade de criação de círculos uninominais, ao direito de iniciativa legislativa aos cidadãos, reforçando também os poderes legislativos exclusivos da Assembleia da República.
Em 2001 a Constituição foi, de novo, revista, a fim de permitir a ratificação, por Portugal, da Convenção que cria o Tribunal Penal Internacional, alterando as regras de extradição.
em 2004 foi feita 6ª Revisão Constitucional, que aprofundou a autonomia político-administrativa das regiões autónomas dos Açores e da Madeira, designadamente aumentando os poderes das respectivas Assembleias Legislativas e eliminando o cargo de “Ministro da República”, criando o de “Representante da República”.
Nesta revisão foram também alteradas e clarificadas normas referentes às relações internacionais e ao direito internacional, como, por exemplo, a relativa à vigência na ordem jurídica interna dos tratados e normas da União Europeia bem como o aprofundamento do princípio da limitação dos mandatos, designadamente dos titulares de cargos políticos executivos, bem como reforçado o princípio da não discriminação, nomeadamente em função da orientação sexual.
Em 2005 foi aprovada a 7ª Revisão Constitucional que através do aditamento de um novo artigo (295º), permitiu a realização de referendo sobre a aprovação de tratado que vise a construção e o aprofundamento da União Europeia.


De DD a 28 de Julho de 2010 às 10:04
A diferença entre justa causa e razão atendível é enorme. Por razão atendível pode considerar-se a necessidade de reduzir o pessoal por questões de despesas e para praticar preços mais baixos e muitas outras coisas como idade do empregado e possibilidade de empregar pessoas mais jovens e mais competentes, etc.


De Izanagi a 30 de Julho de 2010 às 18:42
Razão atendível pode ser a troca do carro do administrador, ainda que não seja uma justa causa, mas uma causa justa.


De Cláudio Carvalho a 28 de Julho de 2010 às 03:29
Boa Noite,

A última revisão foi em 2005...


http://claudio-carvalho.com/ficheiros/crp.pdf

Cumprimentos e bons posts.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO