Sexta-feira, 30 de Julho de 2010

O movimento cívico Plataforma por Monsanto criticou ontem a falta de limpeza e o lixo acumulado na zona do Parque Florestal onde decorreu o festival de música Delta Tejo, temendo que os detritos possam funcionar como "combustível" em caso de incêndio.

Numa carta dirigida à Câmara de Lisboa, o movimento critica a "limpeza superficial e ineficiente" da zona onde decorreu o festival, explicando que "há duas semanas que não existe qualquer movimentação, foram retiradas todas as máquinas e tudo indica que os trabalhos de limpeza e reparação do local estão concluídos".

Porém, "o que se constata é que as terras e pisos foram colocados aleatoriamente e o lixo abunda". Segundo a plataforma, "nas últimas duas semanas o grande protagonista da limpeza do terreno tem sido o vento" que "tem transportado o lixo para o interior da mata, área classificada.

 

Público

 

O total desprezo pelos impostos e taxas pagas pelos cidadãos singulares é uma imagem de marca da gestão da CML e que se tem vindo a acentuar nos últimos mandatos. Perguntamos, apesar de sabermos de antemão que nunca iremos ter reposta, para quê  cerca de 12 000 funcionários ?



Publicado por Izanagi às 19:29 | link do post | comentar

5 comentários:
De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 31 de Julho de 2010 às 12:18
O chamado Festival Delta Tejo decorre dentro do espaço do Pólo Universitário do Alto da Ajuda em Lisboa, da UTL - Universidade Técnica de Lisboa.
E em limite com a mata de Monsanto.
Este não foi o primeiro ano que ali decorreu o Festival.
Sei que anteriormente houve algumas contrapartidas que a CML negociou com a organização do dito festival. Vou referir uma delas para entenderem como se passam estas coisas.
Uma das contrapartidas foi a organização plantar algumas árvores nas alamedas do Pólo Universitário.
Á partida poderia parecer interessante pois as ditas alamedas estavam nuas. Só que as árvores que no ano passado foram plantadas estão mortas ou a morrer pois ninguém previu a rega. E ninguém o faz.
Serve este (mau) exemplo apenas para mostrar como se gere o dinheiro e património do país, neste casa do município lisboeta. Infelizmente não será caso único.
Quero ainda referir que assisti ocasionalmente este ano às terraplanagens dentro do Pólo e adentro de parte da mata de Monsanto para implantação do palco para o espectáculo.
Nesse local era habitual ver perdizes e seus perdigotos em pleno à-vontade de vida campestre. Claro que isso para já acabou, pelo menos naquele local devido à destruição do habitat pelas terraplanagens.
Vale o que vale, mas é sempre triste e lamentável ver o desrespeito dos nossos políticos e dirigentes quando os interesses económicos são o primeiro dos seus mandamentos.


De Ana Almeida a 6 de Agosto de 2010 às 10:22
Estranho...sou residente na zona, e apenas vi essas árvores (e ainda eram basntante, não algumas como mencionou, e já eram adultas) serem plantadas este ano. Se não estão a ser regadas, isso não devia ser previsto pelosEspaços Verdes da Câmara?

Tb li que esse espaço iria passar a ser um parque de merendas, palavras do Vereador José Sá Fernandes. Isso não beneficia a zona? Por mim falo, que assim posso levar os meus filhos a passear numa zona que antes era um baldio de depósito de electrodomésticos e lixo.

Será assim tão mau que a Câmara peça contrapartidas à organização? Se a CML está falida, proque não aproveitar o dinheirodos privados para a construçãod e infra-estruturas públicas? não acredito que o impacto ambiental seja assim tão grande...


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 31 de Julho de 2010 às 12:28
Quero ainda relembrar os mais distraídos que quer netste ano como no ano passado a CML já era dirigida pelo socialista António Costa.
É que não estamos a 'falar' da CML de Carmona ou de Santana Lopes.
Bem diz o povo - "mudam as moscas..."


De DD a 1 de Agosto de 2010 às 15:16
Neste tipo de organizações festivaleiras há sempre a obrigação de os organizadores deixarem tudo limpo como estava anteriormente.
Pelos vistos, os organizadores do festival Delta-Tejo são os bandalhos porcos, sujos e maus que deixaram toda a porcaria no local sem contratarem algumas pessoas para limparem.
Devem pois pagar uma elevada multa a aplicar por parte da Universidade e da CML que viu o lixo conspurcar as matas adjacentes.
Não é uma questão política, mas de decência por quem organiza eventos desse tipo.
Conheço casos de eventos feitos em terrenos camarários em que os organizadores pagam horas extraordinárias a pessoal de limpeza camarário para logo a seguir ao evento proceder à limpeza do local. Isso não deve ter acontecido porque a Universidade não deve ter previsto tal eventualidade.
Nem sempre os grandes reitores e professores são bons gestores. Na maior parte dos casos até são péssimos.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 1 de Agosto de 2010 às 16:09
Quando o DD escreve espumando ódios só sai verborreia.
Antigamente dizia-se que para conhecer verdadeiramente as pessoas era preciso vê-las à mesa da refeição, à mesa do jogo ou alcoolizadas. Hoje eu acrescentaria - como escrevem nos blogues.


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS