3 comentários:
De Zé T. a 18 de Agosto de 2010 às 12:48
É importante divulgar e pressionar os Partidos e Governo (e Autarquias, Empresas e institutos públicos) para que Portugal também seja mais TRANSPARENTE,


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 13 de Agosto de 2010 às 12:02
«De DD a 12 de Agosto de 2010 às 18:37
As reformas ditas milionárias da Função Pública resultam de se calcular a reforma a partir do último ordenado e não, como no privado, a partir da média de toda a vida contributiva ou dos melhores dez anos dos últimos quinze como foi até há pouco …
… Se …contasse com a média de todos os (vencimentos) … o nível das reformas… estas desceriam bem para metade.»

Afinal o DD sabe como é.
Usa é mal as palavras... neste caso - devolução.
O que estado paga aos aposentados não é uma devolução... Porque paga pelo o último salário e não recebeu assim.
Devolver é entregar o que antes se recebeu.
E se não recebeu e entrega o que não recebeu, não se chama devolução.
Mas isto são os 'erros' de construção de uma economia feitas pelo 'venha agora o que é nosso' e 'quem vier atrás que feche a porta'.
É uma 'óptimo' para quem agora está a receber e o quando futuro dos que neste momento estão no activo estiver hipotecado e falido, que se lixe, que já cá não estamos...
A vida é para viver e a morte é certa.


De DD a 6 de Agosto de 2010 às 15:15
O Estado português devolve diariamente à sociedade sob a forma de pensões 51 milhões de euros.
Repito, diariamente.


Comentar post