Reformas milionárias?

 Mais grave que essas reformas acresce o facto destes senhores acumularem outros benefícios e mordomias.

 Mais 72 reformas milionárias. O campeão é...Segundo a "IOL/Agencia Financeira" a Caixa Geral de Aposentações atribuiu 72 reformas acima dos 5 mil euros brutos mensais desde Setembro do ano passado. Juízes e magistrados lideram o grupo de reformas milionárias, com o ex-ministro da Administração Interna de Santana Lopes à cabeça. Reformado da Procuradoria-Geral da República, depois de 40 anos e um mês de serviço, Daniel Sanches recebe 7.316,45 euros por mês.

As contas feitas pelo jornal «i» tiveram em conta as pensões de mais de 5.030,64 euros, valor limite decorrente da aplicação da nova lei da Segurança Social para a a fixação das reformas do sector privado.

O Governo garante que esse limite abrange também o sector público, mas este ano 51 pessoas passaram a auferir pensões acima desse patamar. Deste número, oito trabalhadores chegam a receber mais de 6 mil euros.

Estas 11 novas reformas milionárias em relação aos primeiros nove meses do ano passado correspondem a uma subida de 23%.


MARCADORES: , ,

Publicado por Zurc às 09:20 de 10.08.10 | link do post | comentar |

5 comentários:
De DD a 12 de Agosto de 2010 às 18:37
As reformas ditas milionárias da Função Pública resultam de se calcular a reforma a partir do último ordenado e não, como no privado, a partir da média de toda a vida contributiva ou dos melhores dez anos dos últimos quinze como foi até há pouco tempo quando me reformei.
Sucede que uma mudança na lei para igualizar todo o sistema iria provocar grande celeuma , dado que afectaria a totalidade dos funcionários públicos que, ao longo da sua carreira, vão subindo de posto ou categoria.
Devido à minha actividade jornalística na Revista de Marinha tenho muitas reuniões no Clube Militar Naval , muito frequentado por oficiais reformados, e reparei que o número de vice e contra almirantes é enorme. A maior parte foi promovida a meses de atingirem a reforma para saírem o mais cedo possível e dar o lugar a outros. Claro, com boas reformas.
Se a reforma deles contasse com a média de todos os prés recebidos, desde guarda-marinha a vice ou contra almirante, o nível das reformas que recebem desceria bem para metade.
Pázinhos, isso daria lugar a uma revolução armada. O pessoal militar, militarizado e policial saia todo para a rua acompanhado pelos professores e todos os funcionários públicos. Tomavam conta do poder mais rapidamente que no 25 de Abril ou no 28 de Maio e organizavam eleições "democráticas" para colocarem um professor como PM que reconduzisse tudo à legalidade da reforma calculada a partir do último ordenado.
O professor iria poupar umas massas, fazendo com que uma série de oficiais fossem para Governadores Civis e presidentes de C.Municipais.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 13 de Agosto de 2010 às 08:14
Então de que é que estamos à espera?
Não somos todos 'iguais' nos direitos?
É o tal medo, miáufa ou cagufa?
Então as revoluções já não são possíveis na UE como aqui escreveu à tempos?
Ou é, mais uma vez, dois pesos e duas medidas?
E se são promovidos para a reforma, o sistema alinha? Não anula?
E carreira por antiguidade? Não por vagas e qualidade?
Então como é?
O tal '25 de Abril' já aconteceu?
Que é que lhe parece?
Vamos à luta ou pomos a fralda descartável?


De DD a 13 de Agosto de 2010 às 22:06
O 25 de Abril até partiu de uma questão de antiguidades em postos militares entre os oriundos da Academia e os milicianos que depois de várias comissões de serviço foram completar os seus conhecimentos na Academia Militar.

Recordo bem como são os militares. Há décadas, durante a guerra colonial, o governo quis retirar aos militares um suplemento de risco ao pessoal que estava em Luanda por considerar que aí não havia riscos nem combates. Logo a seguir começaram a rebentar sacos de granadas nos mais diversos locais da cidade que acabaram logo que o suplemento de risco foi reposto.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 14 de Agosto de 2010 às 10:08
Mais uma vez tem razão no que escreve, mas não aborda o essensial da permissa.
O 25 de Abril é um golpe militar contra os tais descontentamentos militares acumulados a outros reais e justificados descontentamentos. De acordo.
Mas isso é o acto militar do dia 25 de Abril de 1974.
E então o depois? Quando por arrastamento os políticos e os partidos políticos tomam contam do golpe e o transformam numa mudança de regime ou, se quiser, fazem do golpe militar uma revolução?
Onde está esse '25 de Abril'?
O '25 de Abril' do pensamento político de mudança de uma ditatura para um regime de democracia e igualdade entre cidadãos?
Era a esse que eu me refria e não ao golpe militar do tal dia.
Mas por este seu comentário, parece-me que continuamos na 'mão' dos militares, com medo das granadas a rebentar se lhes vão aos 'direitos'...
Torno a perguntar, vamos à luta ou pomos a fralda descartável?


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 11 de Agosto de 2010 às 14:05
Se formos a ver só aqui no Luminária as vezes em que estas e idênticas escandaleiras foram denunciadas e referidas, perdemo-lhes o conto.
Resultados? Nenhuns!
Cada ano (ou semestre) que passa é sempre a aumentar o número de barões reformados e apsentados, com elevados pecúlios.
Mas também aqui temos o DD, defensor destes 'direitos adquiridos' que acha que os portugueses lhes devem alguma coisa e que é a justa compensação dos 'anos de trabalho'...
Porca miséria.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO