Presidênciais, candidatos e candidaturas

Com o anunciado candidato do PCP são quatro à esquerda. Os ingredientes pré-anunciam uma reeleição, de Cavaco, muito facilitada pelos adversários e respectiva dispersão de votos.

É facto, e a Constituição assim o prevê, que seja elegível qualquer cidadão eleitor, português de origem que tenha mais de 35 anos, nos termos do artigo 122º da nossa lei fundamental.

Em tais circunstâncias a legitimidade de se propor a eleições é igual para todo e qualquer cidadão ou cidadã (porque não uma mulher a presidente?) no pleno uso dos seus legítimos direitos e deveres democráticos de cidadania que o fará, mais ou menos (nem sempre como é o caso do PCP que é o comité central a decidir) livremente e por iniciativa própria.

Contudo, entre a igualdade ou a universalidade e a racionalidade, as escolhas nem sempre são fáceis de fazer, veja-se a presente situação de corrida a Belém entre a dispersão de candidatos à esquerda que já conta com quatro candidaturas (Alegre, Nobre, Moura e Lopes) e a aflição da direita que por um lado se não encontra satisfeita com o desempenho de Cava Silva e por outro contínua colada ao tabu da sua mais que putativa recandidatura. Neste caso as “lebres” só favorecem o adversário.

Uma vez perdido o jogo das presidenciais sempre se poderão entreter na sueca...

Se a esquerda leva vantagem, tanto no número de candidatos como na antecipação da presença no terreno, acarreta a mortífera pulverização de votos.

Certamente que com uma tal dispersão, de cruzinhas no quadradinho, associada à eventual abstenção no centro-esquerda os ideólogos da recandidatura de Cavaco, muito naturalmente, o aconselham a retardar, o mais possível, o anuncio da sua decisão, com duas vantagens incontestáveis: primeira é manter os, evidentes, benefícios de actuar como Presidente, a segunda é o efeito psicológico de uma vitória antecipada.

A vitória, assim, até pode ser menos digna, mas, quem se importará com isso a avaliar pela democracia que, actualmente, vamos vivendo?



Publicado por Zé Pessoa às 09:40 de 25.08.10 | link do post | comentar |

6 comentários:
De DD a 25 de Agosto de 2010 às 22:36
Vamos ver que votos vai ter o centrão representado por Cavaco e Manuel Alegre. Provavelmente mais de 80% na primeira volta.
O centrão existe por vontade popular, tal como existiu o rotativismo Regeneradores/Histórico-Progressistas na terceira fase do liberalismo entre 1851 e 1910. Com Fontes Pereira de Melo, Emídio Navarro, Andrade Corvo e muitos outros esse centrão fez um Portugal relativamente moderno que não foi acompanhado por iniciativas privadas. O Estado impulsionou os caminhos-de-ferro em parceiras com privados, instalou dezenas de hospitais e os estudos técnico-científicos, eescolas e institutos industriais e comerciais, etc., mas não apareceram em Portugal os inventores da electricidade e das dezenas de aparelhos a ela ligados, nem dos motores de combustão interna, automóveis, aviões, etc.
Todavia, na segunda metade do Século XIX, Portugal construiu Angola e Moçambiqjue, não ficando atrás de outras potências nesse aspecto.
Saliente-se que no centrão do referido rotativismo, um nobre como o Duque d´Avila era filho de um sapateiro açoreano e foi sendo enobrecido conforme ia subindo na política até chegar a presidente do ministério do Reino.onde fez uma obra notável.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 26 de Agosto de 2010 às 11:21
80% dos votos expressos, talvez seja assim, sim senhor, mas seria relevante se essas percentagens fossem referentes ao número de eleitores e não ao número de votantes. E mais, que mesmo no número de votantes os votos em branco e inutilizados, tivessem reflexo nas percentagens de eleitos.
Imagine que os votos em branco e nulos contassem para o número de vagas na AR? Ficavam cadeiras vazias. E se as percentagens para a eleição do PR fossem em função do número de eleitores inscritos?
E se o vosto fosse obrigatório?
Ou se quem votasse podia abater uma determinada verba em sede de IRS? Não reduziria a taxa de abstenção?
E se tudo isto fosse aplicado em simultâneo?
Que representatividade pode ter um PR em que mais de metade da população não votou nele?
Representa quem? Quais portugueses?


De DD a 27 de Agosto de 2010 às 18:44
Não votar é na prática votar em todos na proporção dos votos expressos e politicamente pode corresponder a um voto em ninguém, significando falta de confiança, ausência de alternativas ou o contrário; contentamento com a situação e achar que são todos gajos porreiros.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 29 de Agosto de 2010 às 17:19
Se não votar é votar em todos, poderemos dizer que votar, é votar em ninguém?
Se calhar é, olhando para os Zés Ninguéns que são estes abrunhos eleitos...


De Zé T. a 25 de Agosto de 2010 às 11:31
É verdade que a vitória da 'esquerda' parece mais difícil... pela divisão de candidaturas e pela associação da crise/ dificuldades ... ao governo PS...

Mas também é verdade, que é salutar em Democracia que hajam várias candidaturas ... (e ainda espero para ouvir o tempo de antena de Garcia Pereira...),
além de que o povo está farto de apelos ao ''voto útil '' ... e a não dar oportunidade a outras candidaturas/ partidos de ganhar mais votos e poder fazer alguma coisa de diferente do ''centrão PS-PSD que nos desgoverna''...

E também é verdade que Cavaco só ganha à 1ªvolta se tiver mais de 50%... pelo que há que respeitar a total liberdade dos eleitores e candidatos... e se, tal se proporcionar, há a hipótese de união ou concentração de votos de esquerda na 2ªvolta.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 25 de Agosto de 2010 às 18:17
Esquerda? Qual esquerda?
Não me diga que esta governação actual é de esquerda...
Estar menos à direita que o PSD é estar à esquerda?
E segundas voltas? Para quê?
Para o voto útil?
Que utilidade acha que possa ter um candidato que não sendo seu é apenas hipoteticamente, menos mau que o candidato Cavaco?
Inutilidades do lar...
Já que não ganhas vamos fazer que o outro perca...
Grande política, grandes opções, grande critério.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO