6 comentários:
De DD a 25 de Agosto de 2010 às 22:36
Vamos ver que votos vai ter o centrão representado por Cavaco e Manuel Alegre. Provavelmente mais de 80% na primeira volta.
O centrão existe por vontade popular, tal como existiu o rotativismo Regeneradores/Histórico-Progressistas na terceira fase do liberalismo entre 1851 e 1910. Com Fontes Pereira de Melo, Emídio Navarro, Andrade Corvo e muitos outros esse centrão fez um Portugal relativamente moderno que não foi acompanhado por iniciativas privadas. O Estado impulsionou os caminhos-de-ferro em parceiras com privados, instalou dezenas de hospitais e os estudos técnico-científicos, eescolas e institutos industriais e comerciais, etc., mas não apareceram em Portugal os inventores da electricidade e das dezenas de aparelhos a ela ligados, nem dos motores de combustão interna, automóveis, aviões, etc.
Todavia, na segunda metade do Século XIX, Portugal construiu Angola e Moçambiqjue, não ficando atrás de outras potências nesse aspecto.
Saliente-se que no centrão do referido rotativismo, um nobre como o Duque d´Avila era filho de um sapateiro açoreano e foi sendo enobrecido conforme ia subindo na política até chegar a presidente do ministério do Reino.onde fez uma obra notável.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 26 de Agosto de 2010 às 11:21
80% dos votos expressos, talvez seja assim, sim senhor, mas seria relevante se essas percentagens fossem referentes ao número de eleitores e não ao número de votantes. E mais, que mesmo no número de votantes os votos em branco e inutilizados, tivessem reflexo nas percentagens de eleitos.
Imagine que os votos em branco e nulos contassem para o número de vagas na AR? Ficavam cadeiras vazias. E se as percentagens para a eleição do PR fossem em função do número de eleitores inscritos?
E se o vosto fosse obrigatório?
Ou se quem votasse podia abater uma determinada verba em sede de IRS? Não reduziria a taxa de abstenção?
E se tudo isto fosse aplicado em simultâneo?
Que representatividade pode ter um PR em que mais de metade da população não votou nele?
Representa quem? Quais portugueses?


De DD a 27 de Agosto de 2010 às 18:44
Não votar é na prática votar em todos na proporção dos votos expressos e politicamente pode corresponder a um voto em ninguém, significando falta de confiança, ausência de alternativas ou o contrário; contentamento com a situação e achar que são todos gajos porreiros.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 29 de Agosto de 2010 às 17:19
Se não votar é votar em todos, poderemos dizer que votar, é votar em ninguém?
Se calhar é, olhando para os Zés Ninguéns que são estes abrunhos eleitos...


De Zé T. a 25 de Agosto de 2010 às 11:31
É verdade que a vitória da 'esquerda' parece mais difícil... pela divisão de candidaturas e pela associação da crise/ dificuldades ... ao governo PS...

Mas também é verdade, que é salutar em Democracia que hajam várias candidaturas ... (e ainda espero para ouvir o tempo de antena de Garcia Pereira...),
além de que o povo está farto de apelos ao ''voto útil '' ... e a não dar oportunidade a outras candidaturas/ partidos de ganhar mais votos e poder fazer alguma coisa de diferente do ''centrão PS-PSD que nos desgoverna''...

E também é verdade que Cavaco só ganha à 1ªvolta se tiver mais de 50%... pelo que há que respeitar a total liberdade dos eleitores e candidatos... e se, tal se proporcionar, há a hipótese de união ou concentração de votos de esquerda na 2ªvolta.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 25 de Agosto de 2010 às 18:17
Esquerda? Qual esquerda?
Não me diga que esta governação actual é de esquerda...
Estar menos à direita que o PSD é estar à esquerda?
E segundas voltas? Para quê?
Para o voto útil?
Que utilidade acha que possa ter um candidato que não sendo seu é apenas hipoteticamente, menos mau que o candidato Cavaco?
Inutilidades do lar...
Já que não ganhas vamos fazer que o outro perca...
Grande política, grandes opções, grande critério.


Comentar post