4 comentários:
De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 27 de Agosto de 2010 às 12:32
Ó Zé Pessoa o que nos convinha mesmo era conseguir que esta actual geração de políticos nacionais imigrassem todos, mas mesmo todos.
Não só se tornavam relevantes na diáspora nacional como davam a hipótese de surgirem algumas alternativas credíveis cá dentro.
O amigo acha que os consegue convencer e pô-los a andar daqui para fora?


De Varinha mágica a 27 de Agosto de 2010 às 15:20
Mesmo na duvida de que os que viessem a seguir não seriam melhores (as jotas não auguram nada de melhor a avaliar pelos mais recentes sinais) cá o "Zé Pessoa" não se importava nada de fazer o que o amigo bem sugere , sempre se mudava de visual politico partidário o que já não era mau. estes já fazer doer os ouvidos e perturbam a retina...

Lamentávelmente não tenho uma varinha mágica!


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 27 de Agosto de 2010 às 16:12
Salvo erro a seguir aos "jotas" ^vêm os "kapas" no novo alfabeto português moderno...
Eu cá como sou dos antigos, e "kapas" para mim vem do verbo "kapar", se calhar os que vinham a seguir eram os kapados. Pelo menos havia menos hipóteses de nos f.. ,(lixarem) não acha?


De Casamento gay? a 30 de Agosto de 2010 às 12:07
De acordo.
Há um outro amigo comentador algures neste blog LUMINÁRIA que defende a promoção (publicitação) do casamento gay entre todos (quase, vá lá) os políticos no activo e alguns, actualmente no defeso colocados em certos lugares de relevo gestionário.
O que diz, o amigo, a tal ideia?


Comentar post