Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010

O Simplex chegou às fábricas!

Fábrica despede funcionários por SMS

Os funcionários da fábrica de calçado Pinhosil, em Arouca, estão hoje concentrados à porta da empresa em protesto contra o seu encerramento, depois de terem sido surpreendidos com um despedimento por SMS (mensagem escrita de telemóvel).

A Lusa terá tentado contactar Manuel Pinho Silva, proprietário da Pinhosil, mas não conseguiu obter qualquer resposta. O homem nunca atendeu o telefone.

O que terá o governo a dizer sobre estas realidades fracturantes das vidas desta gente?

Não será, esse tal de Pinho um socialista e católico?

Tavez se redima, dos seus pecados, entregando dez por cento dos seus rendimentos um um senhor bispo da nossa praça!


MARCADORES: , ,

Publicado por Zurc às 15:52 | link do post | comentar

6 comentários:
De Zé T. a 31 de Agosto de 2010 às 10:05
Pertinente.
é pena este facto ( e as novas tecnologias) corresponder a mais uma desgraça para tantas famílias.
é pena a Justiça não actuar e fizer cumprir.
é pena ser este mais um exemplo do tão propagandeado empreendorismo e capitalismo selvagem.
é pena ser este mais um exemplo da aplicação desequilibrada (a favor da parte mais forte: o patronato/ empregador) do novo Código do Trabalho.
é pena ...

mas essa do empresário fraudulento ''entregar 10% dos rendimentos a um bispo da nossa praça'' ...não percebi.
Se fosse a um barão partidário... ou a um famoso escritório de advogados ...
- Quer ZURC fazer o obséquio de me esclarecer ?


De Dizimos a 31 de Agosto de 2010 às 14:21
Ao longo da historia e ainda hoje assim sucede (até na pedofilia) um qualquer católico pode cometer os pecados que lhe der na real gana que lhe são perdoados desde que pague o dizimo .
Ainda há bem pouco tempo um bispo não se insurgiu contra os despedimentos mas, pediu que os políticos (porque não os empresários ?) católicos descontassem 20% dos seus ordenados para atenuar a crise social. Valores, claro está a serem geridos por instituições católicas , já se sabe!
São perdoados os pecados e limpam os cérebros visto que a consciência já há muito desapareceu.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 31 de Agosto de 2010 às 10:08
Independentemente do modo como a comunicação foi feita, aqui o que se deve lamentar é mais um fecho de fábrica e consequente despedimento colectivo.
O modo, SMS, é só uma modernice.
Se calhar nenhum trabalhador reclamaria se tivesse recebido um SMS a dizer que tinham sido aumentados nos seus salários...


De Ladrões e Burlões ficam impunes... a 31 de Agosto de 2010 às 11:14
Parecer do Jumento:

Há neste país ladrões tão labregos que nem têm a coragem de falar aos empregados.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 31 de Agosto de 2010 às 13:50
Concordo
E acrescento:
Há neste país ladrões tão 'doutores' que têm a coragem de falar e aos mentir aos cidadãos com quantos dentes têm na boca.


De DD a 1 de Setembro de 2010 às 23:06
Uma nova lei a exigir da AR não deve permitir que as entidades patronais façam despedimentos colectivos . Estes, a terem de ser feitos, deverão depender de uma entidade judicial ou governamental, tipo inspecção do trabalho, que examinará as condições da empresa, bloqueará os seus bens para indemnizar os trabalhadores e considerará também os bens privados dos proprietários para o efeito. É evidente que não se pode impedir uma falência quando não entrar dinheiro ou quando os prejuízos tornam impossível a continuação da empresa, mas a avaliação e decisão tem de ser externa e os trabalhadores não podem acusar a autoridade destinada a defender os seus interesses, mesmo que o não consiga.


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS