Liceu Camões - Também 100 anos de Pedofilia

 

 

 

 

            Há uns sessenta anos atrás, frequentei o Liceu Camões no primeiro e segundo ano dos liceus.

            No primeiro ano tinha um professor de moral que também era o médico do liceu, o dr. Coelho qualquer coisa que não me lembro já.

            Tinha entrado no liceu no ano em que o severo e bestial de besta Dr. Sérvulo Correia entrou como reitor. O antigo reitor ainda chegou a ser meu professor de português, era um simpático velhote que no fim de primeiro período completava setenta anos de idade. Nesse tempo, os funcionários reformavam-se aos setenta anos e morriam passado um ano e qualquer coisa que foi o que aconteceu ao excelente professor, a cujo funeral fui. Que felicidade para o Estado salazarista, só pagava um a dois anos de reforma aos seus funcionários.

            O Dr. Coelho era pedófilo e tinha uma técnica especial que iniciava logo no começo do primeiro ano do liceu com os putos mais inocentes e impreparados como era o meu caso.

            Apesar de não ser padre, era professor de moral, e tinha o hábito de levar os alunos a fazerem a primeira comunhão, mas dizia que antes disso tinham todos de confessar-se na Igreja de Fátima. Todas as semanas o dr. Coelho escolhia um ou dois alunos para se encontrarem com ele pelas quatro da tarde de Sábado na Igreja de Fátima onde deveria explicar previamente o que é o pecado e como confessar aquilo que teriam feito de mal.

            Um dia coube-me a mim a vez e lá fui à Igreja de Fátima que às quatro da tarde estava praticamente vazia e escura.

            Sentámo-nos num banco atrás na zona mais escura.

            O Dr. Coelho começou por perguntar tudo sobre a minha família e se tinha irmãos ou irmãs, etc.

            A dada altura começou a dizer, sabes que há pecados contra a castidade. Eu lá respondi que sim sem perceber muito bem de que se tratava. Em casa, nunca se tinha falado de sexualidade.

            Tu tens um irmão dois anos mais velho, acrescentou, e diz-me lá, masturbas-te com ele, já lhe tocaste no pénis? Eu era muito inocente e perguntei-lhe o que é uma pessoa masturbar-se?  O Dr. Coelho admirado perguntou, então não sabes o que é isso, é mexer na pila até sentir sensações especiais e, entretanto, punha a mão na minha perna.

            Eu, puto de dez anos, disse que não fazia e muito menos com o irmão.

            Mas já o viste todo nu, retorquiu o Dr. Coelho. Sim já o vi, mas não tem nada especial. E a tua irmã? Já a viste nua? Sim, mas tem cinco anos.

            Então, tu não mexes na tua pila? Perguntou, enquanto a mão dele aproximava-se da minha. Eu disse que não. Mas nunca sentiste prazer? Não, respondi, só mexo quando é para me lavar. Não era bem verdade, mas não me apetecia falar de sexo com aquele palerma.

            Está bem, disse o Dr. Coelho, pois mexer na pila muitas vezes é pecado e agarrou-se por fora das calças a tentar explicar como é que se fazia isso. Em plena Igreja de Fátima na Avenida Marquês de Tomar, frente à Barbosa du Bocage.

            A dada altura, o Dr. Coelho perguntou onde é que morava.

            Respondi-lhe que morava logo ali em frente na Barbosa du Bocage.

            Eis que vejo o homem apanha um susto tremendo e tirou logo a mão da minha perna e disse; está bem, vai então confessar-te ali ao padre.

            La fui e não liguei a nada daquilo. O padre também começou por perguntar quase o mesmo, começando por tentar saber se cometia pecados contra a castidade. Lá disse que não e mal sabia o que era isso. Eu era um puto muito adiantado em termos de aviões de caça, bombardeiros, couraçados, porta-aviões e batalhas da II. Guerra Mundial. Mas nas questões sexuais estava muito atrasado e era muito inocente. Nunca mais pensei no assunto.

            Mais tarde, parece que no segundo ou terceiro ano dos liceus disseram-me que o Dr. Coelho foi expulso do liceu, pois metia-se sexualmente com os putos e constava que um miúdo, filho de alguém importante no regime político de então, contou uma história dessas ao pai, o qual foi ao liceu e disse ao reitor Sérvulo Coelho: chame o dr Coelho e diga-lhe para sair do liceu e nunca mais voltar a entrar aqui.

            A palavra pedofilia ainda não era do meu conhecimento.

            Mas havia mais pedófilos à porta do liceu. Um tipo chamado D’Argent de uma família conhecida por possuir uma importante metalúrgica em Alcântara tinha o hábito de meter-se com os putos à porta do liceu. Alguns colegas contaram-me que ele queria ter relações com a miudagem, mas nunca falei com ele. Recordo que aparecia sempre de bicicleta e não era o único como me disseram. Comigo não se metiam porque entrava e saía com um irmão mais velho dois anos e amigos dele e meus. Andávamos sempre em grupo e ao fim da tarde saltávamos o muro do Instituto Superior Técnico que tinha num pátio interior três aviões da II. Guerra Mundial, um Mosquito, um Lancaster e um Handley Page. Este último estava sem motores e não tinha lonas a cobri-lo, pelo que entrávamos lá para dentro para travarmos todas as guerras deste e de outros mundos. Fomos expulsos algumas vezes por um contínuo que acabou por se habituar à nossa presença e deixar-nos brincar no avião mais velho, proibindo-nos de entrar nos outros aviões.

 

Nota: A propósito do Carlos Cruz. Além de ser pedófilo condenado, parece que enlouqueceu, pelo que diz nas televisões e dão-lhe toda a cobertura nas televisões.



Publicado por DD às 22:53 de 03.09.10 | link do post | comentar |

1 comentário:
De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 4 de Setembro de 2010 às 10:18
Infelizmente faz parte do comportamento social o assédio sexual a menores, tal como a violência doméstica, etc.. Quase toda a gente tem uma estória de assédio na sua vida, para contar ou lembrar. Nem todas escabrosas. Nem todas com o mesmo peso e comportamento social. Mas o que DD aqui narra na primeira pessoa, fez-me remexer nas minhas memórias.
E também que concordo com a escandalosa cobertura que as televisões, incluindo a pública, dão a Carlos Cruz, um condenado.
E mais acho muito estranho que quase ninguém ponha fim a este chorrilho de presença televisiva deste senhor. Incluindo a estranha apatia do sistema judicial, que está a ser permanente a ser ofendido pela verborreia da criatura. Mas como é o 'senhor comunicação' é mais que outros... já vi muita gente ir dentro por muito menos.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO