Que 'justiça' é esta? (4)

Catalina Pestana, sobre o abuso sexual de menores da Casa Pia, fez ontem as seguintes declarações:

 

“Existe uma Justiça para ricos e outra para pobres.
Durante os anos que decorreram o chamado Casa Pia, foram condenados por actos idênticos 9 cidadãos anónimos, quase todos funcionários da instituição e tudo decorreu normalmente. Foram condenados e cumprem as suas penas de prisão.”

 

Não sei se os senhores ontem condenados pelo tribunal praticaram ou não os actos pedófilos. Não os conheço e não vi. O que sei é que foram condenados e não estão a cumprir a pena.

O que sei é que o à vontade com que se passeiam na ‘rua’ e nos media, as suas ‘caras’ de desprezo, o como falam do assunto e das instituições, a sobranceria com que se apresentam, incomoda-me. E muito.

Sou levado a concluir como Catalina Pestana ontem o disse, que existe de facto uma justiça para ricos e outra para pobres.


MARCADORES: ,

Publicado por [FV] às 13:35 de 04.09.10 | link do post | comentar |

10 comentários:
De DD a 5 de Setembro de 2010 às 16:45
A coberto do anonimato pode ser-se ordinário e incapaz de um pensamento jurídico ou político, para não falar em argumentação.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 5 de Setembro de 2010 às 18:28
Ordinário homem? É um poema de António Botto . E vem a propósito, sabe? Fala de homossexualidade e de pedofilia. Como o tema deste post .
Não gosta do poema? Paciência.
Também não gosto de muita coisa que vejo, leio e aguento. Não tem sentido de humor? Chore. Sabe que o humor pode ser usado como arma política e não para fazer rir? Ou, como é um triste egocêntrico, acha que o humor não pode ser uma coisa séria?
Se acha que transcrever um poema de António Botto faz de mim um ordinário, desengane-se.
Mas se quiser posso fazer-lhe alguns posts ordinários a sério mesmo. E então é que vai ver como lhe ‘mordo’. Mas para isso vou me vacinar primeiro porque ruim como parece ser, arrisco-me a ficar infectado.
Mas não precisa de provocar-me, porque só o farei se me apetecer.
Sim porque às vezes ser brejeiro ou ordinário como vossemecê diz, eu diria popular, dá para mostrar a crueza do mundo.
Sabe, eu nasci num bairro popular de Lisboa e domino muito bem o linguajar vernáculo do povo comum. Que aliás muito respeito.
Sim que na vida quem me têm ‘ido ao cu’ são os 'doutores' e os ‘intelectuais ' como vossemecê parece querer ser e que encobertos na elegância das palavras bonitas e engravatadinhos no vestir, enganam quase todo o mundo.
Mas o camarada fique a saber, que na escrita criativa, o uso de palavras mais singelas e apimentadas, serve para ornamentar e enfatizar mais a conversa e usa-se muitas vezes para se aproximar do dia-a-dia das pessoas. Não do seu, que é elite, mas da maioria das outras pessoas, as normais, que não sei sabe bem o que é, tirando o bodo aos pobres que só via uma vez por ano no Natal ou quando se cruzava com o aleijadinho ao pé do Liceu Camões, segundo escritos seus.
E o uso na escrita dessas expressões mais usuais no povo (e no seleccionador nacional) não faz de mim malcriado, faz de mim apenas uma pessoa que conhece essas expressões e as sabe usar quando quer, nem que seja só para o pôr no seu lugar.
Percebeu ó tótó fundador do ‘clube socialista’... e que por isso, julga que é mais que os outros. Há quem diga, aqui no Luminária, que é cego do olho esquerdo, mas que eu discordo. É cego é dos três olhos, não é?
Tá a ver que consigo ser mesmo malcriado e ordinário e sem dizer um único palavrão?
Queres mais ou tá bem assim ó meu?


De DD a 5 de Setembro de 2010 às 23:00
Pá! Não consegues é qualquer argumentação válida, seja política, jurídica ou económica.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO