Arrufadas e tristes tribos partidárias

Arrufadas de Coimbra em mastigação melancólica.

A festa dos lugares comuns continua. Luta de tribos. É apenas o poder em disputa. Todos se conformam com a conservação de estruturas e regras do jogo. O importante para cada tribo é a sua vitória.

Figuras pomposas, por vezes impantes de uma patine lisboeta, saem das cartolas mediáticas, como se fossem importantes. Não fogem, contudo, ao espectáculo da sua própria banalidade. Lá vêm as razões por que apoiam A ou B numa mastigação previsível, que oscila entre a prosa administrativista e o discurso de ressonâncias empresariais, polvilhado pelo perfume vagamente épico da vulgata futebolística.

O discurso político reduz-se, assim, a uma quase algaraviada, onde apenas é nítida uma discreta adulação de chefes, ou uma vénia subtil perante os poderes centrais, cada tribo ostentando-se como mais ungida pelo altíssimo do que a outra.

E o socialismo que dá o nome ao partido?
E a crise do capitalismo que assola o planeta e o país, massacrando as pessoas? E as marcas de esquerda que seriam de esperar num combate político entre militantes de um partido que não pode deixar de o ser? Tudo ausente.

Apenas se ouve o rumor de uma vaga esgrima entre estradas, trajectos, metros e comboios, temperado por assomos de alarido sobre fichas, inscrições e votos. E depois há as fotografias, muitas fotografias de camaradas graves, absorvidos pelo verbo providencial de alguém que se lhes dirige, olímpico e solene. Os notáveis, por seu lado, aceitam mexer-se, concedendo o apoio transcendente da sua notabilidade, ao sussurrarem a frase de um elogio contido. Abençoam os candidatos como se tivessem a chave de um imaginário céu. Em suma, um exuberante festival de frases feitas, para se justificar por que se aposta na experiência de A ou na renovação de B.

Enfim, parafraseando Eça de Queirós, mas do avesso: “Uma campanha triste”!


Publicado por Xa2 às 13:07 de 13.09.10 | link do post | comentar |

9 comentários:
De Primárias, Correntes de opinião, tendên a 16 de Setembro de 2010 às 12:52
Com as devidas distâncias, vejam o exemplo do Partido Republicano (conservador/direitista/ultra-liberal) dos EUA
com as suas «correntes» internas ('Grand Old Party'-moderado, 'Tea Party'-radical basista, ...) ou como os 'movimentos de franjas' internas de um partido, ganham força apoios e vitórias em eleições primárias, e elegem representantes/ deputados e senadores apesar da forte oposição e corte de financiamento da estrutura partidária central/tradicional ...
- Porque é que aqui, no PS (no PSD) as «correntes de opinião» internas não se distanciam o suficiente do centrão aparelhístico ?
- E porque não disputam, a sério, candidaturas/ lugares nos congressos, nos Secretariados, nas concelhias, nas federações, no nacional, ... nos sindicatos (tendências)...?
- Porque é que os 'debates' e as 'moções' se parecem todas iguais... sem nada que as diferenciem e motivem os militantes/eleitores ?
- ...
--------------
« Tea Party: de movimento de franjas a força política eleitoral
por Gonçalo Venâncio, 16.09.2010

.Republicanos tremem com vitória da polémica Christine O''Donnell nas primárias do Delaware. Eleições intercalares imprevisíveis

Tea Party no Arizona: eles acreditam que Obama é estrangeiro e socialista .
Com a fase das primárias (que antecedem as eleições intercalares para o Congresso e para o Senado) a chegar ao fim, os estrategas do Partido Republicano têm um feeling:
mesmo com a crise, e com Barack Obama a agonizar nas sondagens, não vai ser possível roubar a maioria no Senado aos democratas.

Numa das maiores transformações da política partidária americana, uma onda de dissidentes conservadores do Grand Old Party (GOP) tem engrossado as fileiras do Tea Party, a ala basista republicana radical contra o Estado grande e centralizador.
Movidos pelo ressentimento contra a presidência "socialista" de Obama, uma série de candidatos tem multiplicado as vitórias nas primárias do GOP transformando o Tea Party numa poderosa corrente eleitoral dentro do partido mas fora do controlo do "establishment",
que olha para a implosão dos seus cálculos eleitorais, como se viu no Delaware.
...»


De idem ... para o DFMS... a 13 de Setembro de 2010 às 18:07
De comentários no 'post' : « Por verdadeira ReQUALIFICAÇÃO do PS e da Política », em 30.8.2010

«...
Querem lá ir ? ou acham que não vale a pena...

Sim já sabemos que de debate vai ser quase zero, que não terá adversários, que serão mais os acompanhantes e 'pavões' que os militantes pensantes da secção, ...

mas, mesmo assim, ...


responder a comentário | discussão


De anónimo a 2 de Setembro de 2010 às 10:29
O ''miilitante às vezes'' acertou.

Do programa do candidato (M.Perestrello), de concreto, salienta-se a proposta de um plenário trimestral de militantes em cada concelhia...

O resto foram 'tretas' (que o outro candidato, J.Raposo, provalmente também repete...):

... a situação política actual e em 2013 ... blá, blá...
... o PS é o maior e no passado ...blá, blá...
... a FederaçãoAUL, a Área Metropolitana de Lisboa, a capital, a mais ... blá, blá...

...o q. queremos para a FAUL e para a AML ?...
...deverá ter maior (proeminência e poderes reforçados), discutir problemas, orçamento e coordenar no planeamento transportes equipamentos da região...

... e não servir apenas para indicar 4 deputados...
... ''projecto político comum''... conquistar a ''nossa base social de apoio'' e chamar de volta os militantes... dinamizar... apoiar concelhias, secções e autarcas...
...

Das intervenções dos presentes destacam-se:
... eu apoio-o... é o único... o nosso presidente... o dr. M.P., .... sempre achei... as qualidades... o perfil... já ganhou... peço desculpa por chegar atrasado e não o ter ouvido mas apoio e subscrevo as palavras ...
...
»


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 13 de Setembro de 2010 às 18:10
Não se esqueçam de levar um banquinho.
Que é para esperarem sentados.
Está bem?


De militante a 13 de Setembro de 2010 às 18:18
mas neste Departamenta de Mulheres terá de ser tuda na génera feminina...

+igualdade : este DM deveria abrir candidaturas a militantes de qualquer género !

+participação: este DM deveria ser mais criativo, mais bonito, mais isento, mais sério, ...

+cidadania: este DM e as prerrogativas de suas dirigentes deveriam ser EXTINTAS !

(tal como as de outras estruturas federativas e jotas...)


De Mulheres Socialistas a 13 de Setembro de 2010 às 17:53
Candidatura de Jesuína Ribeiro a Presidente do DFMS da FAUL
MAIS IGUALDADE, MAIS PARTICIPAÇÃO, MAIS CIDADANIA

No ano em que celebramos o Centenário sobre O Dia Internacional das Mulheres devemos fazer um balanço dos progressos alcançados e reflectir sobre os obstáculos ainda existentes para atingir uma efectiva igualdade entre mulheres e homens.
Celebramos também o Centenário da República Portuguesa e queremos salientar o envolvimento histórico das mulheres na defesa dos ideais republicanos.
Muitas conquistas civilizacionais se alcançaram nas últimas décadas, designadamente no plano nacional. A Revolução do 25 de Abril em Portugal foi um momento decisivo na história do nosso país e também na transformação do estatuto da mulher na sociedade portuguesa.

O Partido Socialista é pioneiro na promoção da igualdade de género, dignificando, mais uma vez, a sua história de partido precursor da modernidade, convergindo para os grandes avanços civilizacionais da sociedade portuguesa.

Os Departamentos Federativos das Mulheres Socialistas, consagrados nos Estatutos do Partido, em muito têm contribuído para o envolvimento de mais mulheres na vida política e para vitórias decisivas, nomeadamente o Referendo sobre a despenalização da IVG. Os DFMS têm tido um papel fundamental na construção de uma sociedade mais justa, mais democrática e mais igualitária.
Por todos estes motivos é com imensa satisfação e sentido de responsabilidade que decidi recandidatar-me ao Departamento Federativo das Mulheres Socialistas da FAUL.

Proponho-vos cinco grandes eixos de acção para o próximo mandato:
Política de não discriminação o envolvimento do Departamento Federativo na defesa de mais igualdade: debate sério e fundamentado no combate a quaisquer formas de discriminação; defesa de medidas que reforcem a igualdade de tratamento, independentemente do sexo, origem étnica ou racial, religião ou crença, deficiência, idade ou orientação sexual; promoção de debates federativos sobre estes temas.

Igualdade de género a dinamização de acções para o reforço da participação política e económica das mulheres em todas as esferas de decisão, bem como a organização um plano de formação sobre o empoderamento das mulheres.
A articulação com a Federação, com as concelhias e com as secções sectoriais e temáticas tem aqui um papel essencial. Por isso, propormos a assinatura de protocolos de cooperação com estas estruturas para a elaboração de Planos de Igualdade concelhios e federativo.

Políticas de conciliação i) a promoção de campanhas e de acções de sensibilização e informação à população; ii) o reforço da intervenção partidária na construção de políticas que contribuam para a conciliação da vida profissional e da vida pessoal e familiar, nomeadamente no apoio às crianças, à população idosa e outros dependentes, visando a igualdade no trabalho e no emprego.
Combate à violência doméstica a promoção de acções de informação e formação sobre esta temática assentes numa cultura para a cidadania e para a igualdade que difunda novos valores sociais eliminar relações de dominação e promover a igualdade de género.
Género, pobreza e exclusão social a realização de acções de informação sobre esta temática nas Secções de Residência e Secções Sectoriais e Temáticas, assim como colóquios, debates, acções de formação e outras iniciativas temáticas.

Quero construir convosco novas políticas para a promoção da Igualdade entre Mulheres e Homens, centradas na execução das medidas definidas nas orientações programáticas do Partido.
É o desafio da contemporaneidade. É o nosso objectivo: recusar o determinismo de género.
Faremos do PARTIDO SOCIALISTA o vencedor dos desafios que se aproximam.

Obrigada às mulheres socialistas.

Candidata a Presidente do Departamento Federativo da FAUL

Jesuína Ribeiro
Este dia 16 de Setembro, quinta-feira, pelas 21 horas, na Sede Nacional do PS, Largo do Rato, não faltes à apresentação da candidatura.
Conto contigo!
Nota: Para mais informações consulte a página no facebook http://www.facebook.com/pages/Candidatura-de-Jesuina-Ribeiro/140544002637235?ref=mf


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 13 de Setembro de 2010 às 18:08
Sempre me fez 'comichão' estas coisas das mulheres socialistas. é verdade que não mais que outras coisas idênticas - o dia da mulher, as quotas para mulheres nas listas a deputados, etc.
Não somos todos pessoas, cidadãos e porque não, neste caso, socialistas?
Mas que raio de separação é esta? Homens para um lado, mulheres para o outro? Como era no apartheid. Não chega ficarmo-nos pelas casas de banho? Cheira um pouco mal, não?


De Umas Mortas outra moribundas a 13 de Setembro de 2010 às 14:44
Uma ou outra secção ainda dá um ar da sua graça, promovendo pontualmente algum debate como é o caso de Benfica que acaba de convidar Helena Roseta para falar sobre a politica dos bairros sociais. Outra que com alguma regularidade promovia debates era a da Ameixoeira, Charneca e Lumiar, parece ter morrido?


De anónimo a 14 de Setembro de 2010 às 14:15
A Secção de Benfica, para além de alguns debates, ainda tem um blog que vai dinamizando...

A Secção do Lumiar está 'morta' há 2 anos (o dinámico blogue «PSLumiar» que existia não era oficial, não era dinamizado pelo secretariado mas por alguns militantes, e que depois prosseguiram neste blog «Luminária», para evitar confusões...)

As restantes secções de Lisboa ou não têm blogs ou se têm não estão activos durante meses/anos... e-mail institucional na mesma..., as poucas que têm página na net ou no facebook são uma miséria de conteúdo desactualizado, sem interesse político e apenas privilegiando a imagem (dos seus 'coordenadores' e suas relações com os 'colunáveis'...- é só ''show off'' !!)

As que ^têm sede , só a abrem ao público/ aos seus militantes quando ''o rei faz anos'', quando aparece algum líder ou candidato a fazer a sua propaganda, e no dia das eleições... durante todo o resto do ano, de vez em quando lá aparecem 4 'gatos pingados' do secretariado e algum militante perdido...

E as secções de outras concelhias seguem o mesmo caminho...


De Mais do mesmo... a 13 de Setembro de 2010 às 14:01
Há uns meses foram, os militantes socialistas, chamados para elegerem os seus dirigentes de base e concelhios. Em alguns casos como Lisboa verificaram-se mudanças de tais lideranças, ao que parece os eleitores e militantes em geral ainda não sentiram quaisquer alterações significativas na dinâmica interna partidária.

Alguns desses eleitores já clamam que vai ser mais do mesmo nas eleições federativas que se aproximam, por isso dizem que já se não dão ao trabalho de exercer tal dever/direito cívico. Dizem que o partido só o chama para votos e comícios.

Tais “queixumes” ouvem-se, a miúdo, às mesas dos cafés, entre conversas de amigos e camaradas, dizendo que o processo de escolha dos listados, para concorrer a lugares partidários ou em eleições autárquicas é, em demasiados casos, pouco transparente, muito filtrado, por pequenos caciques, nada debatido e sem a mínima participação por parte dos militantes partidários


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO